Pesquisar
Close this search box.

34 bairros de Joinville (SC) ficam sem água após caminhão bater e derramar ácido em rio

34 bairros de Joinville (SC) ficam sem água após caminhão bater e derramar ácido em rio

Acidente com caminhão que levava matéria-prima de detergentes paralisa estação de tratamento que abastece 75% da cidade; prefeitura decreta estado de emergência.

Por Gabriel Tussini/O Eco

Um derramamento de ácido sulfônico, produto utilizado na produção de detergentes, no rio Seco, em Joinville (SC), causou a interrupção do abastecimento de água em grande parte da cidade na manhã desta segunda (29). Um caminhão que carregava galões do produto perdeu o freio e se chocou com um barranco à beira da rodovia SC-418, próximo ao Mirante da Serra Dona Francisca, liberando a carga no rio. O motorista está estável, em observação e sem previsão de alta. A prefeitura da cidade decretou estado de emergência e interrompeu o funcionamento da Estação de Tratamento de Água (ETA) do rio Cubatão, que abastece 34 bairros da cidade, equivalente a cerca de 75% do consumo.

Imagens gravadas no rio Seco, afluente do Cubatão, mostram a grande quantidade de espuma que se formou com o produto, criando uma camada espessa a ponto de não se ver a água. A área está dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca. A interrupção do funcionamento da ETA se deu às 10h, antes da espuma chegar ao rio Cubatão, evitando o fornecimento de água contaminada. “O fechamento foi justamente para que a substância não entrasse no nosso sistema de tratamento, garantindo assim que toda a água já tratada possa ser consumida normalmente”, frisou Adriano Silva (NOVO), prefeito da cidade.

Um gabinete de crise foi formado na Companhia Águas de Joinville, empresa pública municipal de água e saneamento, para responder à emergência. O grupo, que conta com participação do prefeito, da vice Rejane Gambin (NOVO) e do major Ruy Florêncio Teixeira Júnior, comandante da Polícia Militar Ambiental do estado, decidiu pelo abastecimento de água em hospitais e postos de saúde com caminhões-pipa. A Águas de Joinville conduz análises laboratoriais para medir as condições de consumo da água do rio Cubatão.
De acordo com o major Teixeira Júnior, citado pela Agência Brasil, até o momento não foram detectados danos à fauna e à flora locais. Ele diz ainda que uma empresa terceirizada foi contratada para realizar a limpeza do local. “Como qualquer produto químico ele tem algum grau de toxidade, mas a Polícia Militar Ambiental não identificou até o momento alguma mortandade de peixes ou animais relacionados ao vazamento”, afirmou.

Apesar disso, o produto pode ser perigoso para seres humanos e organismos aquáticos. “Ele é corrosivo para os metais, ele tem toxicidade aguda oral, toxicidade aguda térmica, ele causa corrosão ou irritação à pele, causa lesões oculares graves ou irritação ocular e tem toxicidade aguda se for inalado”, explicou a engenheira química Millena da Silva Montagnoli, professora da Univille, em entrevista ao portal ND+.

Segundo as últimas atualizações da prefeitura, não há previsão para normalização no abastecimento, “por isso nós montamos um esquema com caminhões-pipa preparados para os atendimentos emergenciais, assim como também estamos dando prioridade no atendimento aos hospitais, às UPAs e às unidades básicas. A gente orienta a população de Joinville a fazer o racionamento de água”, afirmou o prefeito, citado pelo portal local SCC10. Os outros 25% da água consumida na cidade vem do rio Piraí, que segue com sua estação de tratamento funcionando normalmente.

Gabriel TussiniEstudante de Jornalismo (UFRJ). Fonte: O Eco. Foto de capa: Rede JOTA FM.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes