Pesquisar
Close this search box.

A fragilidade social diante do extermínio da população negra

A fragilidade social diante do extermínio da população negra

Por Iêda Leal

A falta de senso crítico leva à comemoração da morte de um ser humano sem dó nem piedade

A naturalização da morte traduz a concepção distorcida do que seja direitos humanos. A Constituição Federal de 1988 consagra, em seu artigo 1°, o princípio da cidadania, da dignidade da pessoa humana e dos valores sociais.

Estamos vivenciando tempos de desconsideração de todo processo da construção, da conquista e da garantia desses direitos. O cerceamento das liberdades individuais, a perseguição dos direitos coletivos, o pensamento conservador e as políticas ditatoriais têm tirado a vida de muitas pessoas.

No último dia 20 de agosto, o jovem Willian Augusto da Silva, de 20 anos, foi morto por um sniper da Polícia Militar enquanto mantinha 37 pessoas reféns num ônibus na Ponte Rio-Niterói, no Rio de Janeiro. Não estamos falando sobre a punição que ele teve pela gravidade da situação, ou ainda sobre a falta de justiça potencial, caso ele seguisse com o sequestro.

Slide 1

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

CONTRIBUA COM A REVISTA XAPURI
PIX: contato@xapuri.info

revista 115

O que tratamos aqui é da crueldade, da falta de humanidade e da deformação mental das pessoas moldadas no padrão homem branco-racista-homofóbico,  que aspiram a assumir o protagonismo do fascismo vigente no Brasil, claramente demonstrada na comemoração da morte de Willian pelo governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Ao descer do helicóptero no local da tragédia, o governador deu risos e socos no ar, um verdadeiro absurdo. E, pasmem, ele foi parabenizado por muitos após aquele ato terrivelmente repudiável. Ficou claro que faltou compaixão e sobrou desrespeito de quem deveria proteger a população e, não comemorar o extermínio de um ser humano, qualquer que fosse a circunstância.

7fe4d5b150340120 e47f1299ee8fa2e1509b0c837f9d9fb7

Uma grande parcela da sociedade está de acordo com a necropolítica, oficializada por Witzel e pelo governo de Jair Bolsonaro, que se apresenta como uma política de morte em que o Estado é autor e não vê problema algum nisso, porque está assegurada a legitimidade para matar.

No entanto, não apenas os criminosos são mortos pelos tiros disparados por eles, todos morrem, todos somos atingidos! As balas perdidas se acham em vários corpos e, na grande maioria das vezes, corpos pretos, periféricos, pobres, trabalhadores e sem qualquer ligação com o crime.

O alento de que ainda existe esperança vem da mesma história. Na delegacia, Paulo César Leal, pai de uma das vítimas do sequestro, consolou Renata Paula da Silva, mãe de Willian. Segundo ele, tentou ajudar, já que não lhe cabia o julgamento, pois ela acabara de perder o filho.

O homem afirmou nas entrevistas que deu que a única intenção como ser humano, foi tentar ajudar, já que a dor é dos dois lados. Um abraço que nos dá sensação de alívio, de gente que entende a necessidade de proteção do outro. É disso que o mundo carece: amparo e atenção!

Mais do que nunca, choramos as mortes que se tornam números para o Estado. Pessoas coisificadas pelo poder opressor, apoiado pelos oprimidos sem clareza política e de classe. Que o questionamento sobre civilização x barbárie nos ajude a refletir a tolerância e a empatia como fundamentais na mediação das relações entre nós e os outros. Façamos valer a legislação brasileira como garantia para viver!

#VidasNegrasImportam!


ieda111Iêda Leal
Tesoureira do SINTEGO. Secretária de Combate ao Racismo da
CNTE. Vice-presidenta da CUT-GO. Coordenadora Nacional do MNU.
Artigo enviado em 25 de julho de 2019 desde a Tailândia, onde
participou do Congresso Mundial de Educação.

 

 

Block

Salve! Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você!

P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, em qualquer dia. GRATIDÃO!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes