Pesquisar
Close this search box.

A mentira e sua perna curta

A mentira e sua perna curta

O tropeço em sucessivas mentiras expõe o presidente a punição da Justiça ou impeachment

 
O que mais impressiona no mundinho da família Bolsonaro é a incapacidade de aprender. Eles improvisam a cada susto que tomam sem pensar no passo seguinte. Seguem o método do próprio presidente Bolsonaro que sempre fala antes de pensar. Considera-se um craque nesse jogo. É apenas um tolo. Até para os mais toscos protagonistas do Centrão.
Bolsonaro e seu entorno tropeçam todos os dias nas meias verdades ou mentiras em que apostaram no dia anterior. São o melhor retrato das fake news. O que complica ainda mais a situação são as verdades que eventualmente falam que desmentem suas versões posteriores. Eles acabam se tornando réus confessos.
A divulgação, autorizada pelo ministro Celso de Mello, da catarse de Bolsonaro na fatídica reunião ministerial em 22 de abril deu todas as pistas para desmascarar a autossuficiência do presidente sempre que fala no cercadinho do Palácio da Alvorada. Ali virou seu confessionário. Ele só se tocou disso depois que a casa caiu.

bolsonaro reuni%C3%A3o 22 de abril weintraub moro guedes mour%C3%A3o braga f
Bolsonaro preside a fatídica reunião ministerial

Até o fiel general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, desmentiu a versão improvisada por Bolsonaro de que estava preocupado com a segurança de sua família e amigos quando buscava alguma forma de impunidade para todos eles. A sequência dos fatos fala por si só.
A queda do amigo, operador e faz tudo Fabrício Queiroz em Atibaia é a cereja nesse bolo. O advogado Frederick Wassef, que sempre foi um franco atirador, deixou-se levar pela vaidade e sequer conseguiu inventar uma estória que parasse em pé. O que sobrou de tudo que disse foi a pergunta sem resposta da repórter Andréa Sadi se o Queiroz pulou o muro, entrou voando ou alguém abriu a porta para ele entrar na casa de Atibaia.

marcia queiroz
O casal Queiroz

Até a lorota de que Queiroz frequentou a casa ocasionalmente para um tratamento de saúde na região, lançada na live de Bolsonaro sobre essa prisão, sua única manifestação  até agora, teve perna curta. A advogada Ana Flávia Rigamonti, contratada por Fred Wassef para manter a fachada de escritório de advocacia na casa de Atibaia, detonou em entrevista ao Jornal Nacional mais essa versão mal improvisada. Contou até que, pela convivência, tornou-se amiga de Queiroz e de sua mulher, a foragida Márcia Oliveira de Aguiar.
Por todo e qualquer ângulo, o clã Bolsonaro está acuado. Por mais espantalhos que criem, não dá para culpar as instituições do Estado e a Justiça pelos problemas que eles mesmos criaram. O roteiro exposto ao país é de que no afã de driblar apurações sobre tropeços na lei, como a rachadinha e as ligações com a milícia, acabaram cometendo outros crimes.
O agravante é que para esconder o passado atropelaram a lei, inclusive Jair Bolsonaro, durante o atual mandato presidencial. E isso pela Constituição e todas as leis do país é passível de julgamento pelo STF e impeachment pelo Congresso.
Esse é o quadro institucional no país. Motivo do namoro de Bolsonaro com o Centrão que pode ser sua tábua de salvação ou mais um abraço de afogado em que o Centrão, depois de usufruir de tudo o que for possível, cai fora na hora da morte.
Fonte: Os Divergentes

Slide 1

VISITE NOSSA LOJA
FORTALEÇA NOSSO PROJETO

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

IMG 8012
camiseta Rir casal

<

p style=”text-align: justify;”> 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes