Pesquisar
Close this search box.

Coletor menstrual: uma opção econômica e ecológica

Coletor menstrual: uma opção mais confortável, econômica e ecológica

Com tantas tarefas a exercer ao longo do dia, qualquer auxílio que facilite a vida das mulheres e os cuidados com a saúde delas é muito bem-vindo. Para o período da menstruação, o coletor menstrual veio como alternativa e, ainda, com vantagens que contribuem com a preservação ambiental.

Por Vanessa de Oliveira – pensamentoverde

O item trata-se de um copinho de silicone que coleta o sangue da menstruação. Hipoalérgico e antibacteriano, é ajustável ao corpo. Antes de chegar ao mercado, em 2005, a única opção durante a fase menstrual era o absorvente descartável, que surgiu no Brasil em 1930, começando a se popularizar na década de 50. Compostos, principalmente, por celulose e plástico, é necessária a exploração do petróleo e o desmatamento de árvores para sua fabricação. Além da extração dessas matérias-primas, que já impactam o meio ambiente, quando descartados se acumulam nos aterros sanitários. E aí, são vários os problemas.

Impacto ambiental dos absorventes descartáveis

Produzidos com aditivos químicos usados para retirar odores, ou gerar maior absorção, em contato direto com o meio ambiente esses produtos liberam toxinas e levam cerca de 100 anos para se decomporem. O fato fica ainda mais alarmante com o próximo número: segundo dados da Associação Britânica de Fabricantes de Produtos Absorventes Higiênicos (AHPMA), cada mulher usa cerca de 11 mil absorventes íntimos em sua vida.
Estima-se que uma mulher que tem cerca de 450 ciclos menstruais durante a vida gere um lixo de aproximadamente 150 quilos de absorventes.

Impactos também na saúde

Os agentes químicos contidos nos absorventes descartáveis podem estimular a proliferação de bactérias e fungos, desencadeando corrimentos, vermelhidão e inchaço. Podem ainda causar uma série de alergias pelo abafamento da região ou pelo contato direto com a pele.
Para evitar problemas, o recomendado é que eles sejam trocados a cada três horas, situação bem diferente do que oferece o coletor menstrual.

coletor menstrual interna

Vantagens do coletor menstrual

O silicone com o qual o produto é feito não funciona como um meio de cultura para bactérias, não irrita a pele e pode ser utilizados por até 12 horas. Além disso, possui durabilidade muito grande: se bem cuidado e higienizado, pode durar até 10 anos. Isso traz ganhos ambientais, já que não precisa ser descartado a cada uso, e também financeiros. O preço dos coletores varia de R$ 40 a R$ 90. O custo é muito menor do que o necessário para bancar absorventes descartáveis. Durante a vida fértil, uma mulher gasta cerca de R$ 6.000 com esse tipo de produto.

Como usá-lo

O coletor é dobrado e introduzido na vagina. Após ser utilizado por até 12 horas, esvazie o conteúdo no vaso sanitário, lave com água e sabão neutro e o insira novamente. Ao final de cada ciclo, é recomendado fervê-lo por cinco minutos, porém, não se deve fazer isso em panelas de alumínio ou teflon, pois elas soltam substâncias metálicas que podem danificar o silicone.

Investindo na reciclagem

Por aqui, o destino final dos absorventes descartáveis são os aterros, mas a empresa canadense Knowaste desenvolveu, no Reino Unido, uma usina de reciclagem de fraldas, absorventes femininos e geriátricos.
Nela, o material orgânico é separado, seco e transformado em gás para a geração de energia. As fraldas e absorventes são esterilizados, lavados e passam por um tratamento químico que tira o gel absorvente de resíduos líquidos. Depois de limpo novamente, o plástico é comprimido e triturado em pequenas partes, que podem dar origem a produtos como madeira plástica, telhas e outros materiais absorventes.
A empresa calcula que a reciclagem desses resíduos evita a emissão de 22 mil toneladas de carbono por ano.

Fonte: https://www.pensamentoverde.com.br/sustentabilidade/coletor-menstrual-alem-de-pratico-faz-bem-para-a-saude-e-o-meio-ambiente/


 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes