África: A literatura engajada dos processos de Independência

África: A literatura engajada dos processos de Independência

Nos anos 1960, os angolanos,  moçambicanos e guineenses lutaram por sua independência do jugo português, o mais longevo dos impérios.  Portugal resistiu de forma sangrenta, depois que outros países alcançaram a independência contra os domínios europeus. Por suas próprias lutas, a África se libertava…

Por Joseph Weiss

Muitos autores detestam reduzir as guerras a estatísticas, pois refletem uma análise superficial da realidade. Porém, só para ilustrar, com muita destruição social, essas lutas trouxeram perdas de cerca de 33 mil vidas em Angola, 60 mil em Moçambique e 12 mil na Guiné-Bissau.

Após a morte de Salazar, ditador de Portugal durante 40 anos, de 1933 a 1972, e a Revolução dos Cravos,  pela democracia em 1974, com o apoio dos militares portugueses contra a guerra, se concretiza a independência dos países africanos. Como resultado, Cabo Verde  e São Tomé e Príncipe também alcançaram a independência.

Durante a guerra fria, os EUA enxergavam as lutas pela independência como ações comunistas, pois tinham apoios da União Soviética, de Cuba e até da China. Ainda no governo militar do General Ernesto Geisel, o Brasil divergiu dos EUA.

Em Angola, aonde o Movimento pela Libertação de Angola (MPLA) proclamou a independência, os EUA apoiaram a UNITA, guerrilha de direita. Como consequência, a Guerra Civil, durou até 2002, onde morreram cerca de 500 mil combatentes, com prejuízos ao país que persistem até hoje. Contra os EUA, o Brasil reconheceu o governo do MPLA no mesmo dia, com o embaixador Ítalo Zappa na chefia do Departamento da África do Itamaraty.

Em Moçambique a guerra civil foi menos sangrenta. Pelos EUA, a CIA queria apoiar a Renamo, guerrilha de direita patrocinada pelos governos brancos da Rodésia e da África do Sul. Por que, então, os americanos em vez de apoiar Renamo, resolveram oferecer ajuda humanitária ao governo da Frelimo, apoiado pelos países comunistas?

Italo Zappa foi o primeiro embaixador do Brasil em Moçambique. Há quem diga que foi ele quem convenceu o embaixador dos EUA a tomar essa decisão, mostrando fotos da tortura do Renamo aos presos políticos, apesar de que a história reporta outros fatores.

Assim, a Renamo perdeu a guerra para a Frelimo, concedida no Acordo de Paz em 1992. Desde então, a Frelimo continua ganhando as eleições.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

O processo de descolonização foi menor na Guiné, onde os portugueses se mostram incapazes de travar o aumento das hostilidades e reconheceram rapidamente a independência da Guiné-Bissau (1974) e de Cabo Verde (1975).

No mesmo ano, as ilhas de São Tomé e Príncipe acederam igualmente à independência.

africa portalangop.co.ao
portalangop.co.ao

O ENGAJAMENTO DA INTELECTUALIDADE AFRICANA  NESSA BRAVA HISTÓRIA DE LUTA E RESISTÊNCIA

Uma forma de sintetizar as lutas das sociedades luso-africanas é através do conteúdo dos escritos de seus autores e autoras.  Apresenta-se alguns dos exemplos trazidos por Maria Nazareth Soares Fonseca e Terezinha Taborda Moreira, em “Panorama das Literaturas Africanas de Língua Portuguesa”, publicado em 2007 no Caderno Cespuc de Pesquisa (Serie ensaios, volume 16, páginas 12-69).

Em Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe, o escritor africano não podia ficar alheio ao embate da sociedade colonial e a sociedade africana, expressando a tensão existente entre esses dois mundos.

Esse embate foi o impulso gerador de projetos literários, onde essa realidade entra em conflito com a luta para conquistar a independência, evidenciando a dualidade colonialismo/nativismo. Passa-se a produzir literatura em línguas locais com maior profusão, num resgate pela sua cultura.

A produção poética angolana foi marcada pela conscientização pela terra, a gente e as suas origens, a valorização do homem negro africano e de sua cultura, sua capacidade de autodeterminação que antevia um Estado com autoridade e existência próprias.

A poesia era marcada pelo protesto anticolonial, sem deixar de ser humanista e social. Agostinho Neto, Viriato da Cruz e Mário Antônio concentraram nessa temática, enquanto evocaram e invocaram a “mãe-pátria”, da “terra grande” da África, a identidade, a fraternidade, a terra angolana como pátria de todos – negros, brancos e mestiços — como também a alienação do branco nascido e criado em Angola.

Muito presente é a retratação da violência social que assola a sociedade angolana durante a luta armada, o dilaceramento de Angola, país mutilado pela miséria e pela guerra que experimenta, por mais de duas décadas, os pesadelos da guerra civil.

Pepetela assume a função social da literatura, com alusão à perversa divisão de renda e de direitos, com uma revisão melancólica da utopia revolucionária do panorama do pós-independência angolano. Expõe ainda as armações necessárias à sustentação dos negócios gerenciados por aventureiros de várias nacionalidades durante o longo período do comércio de escravos.

Orlando Mendes é considerado o primeiro romancista moçambicano por sua crítica em relação às estruturas coloniais e pela abordagem do drama de um mulato em choque com a sociedade de brancos e de negros, minada pela presença do europeu, onde se confronta a marginalização.

Na poesia de José Craveirinha vamos encontrar negritude, cultural, social, política, prisão e a tradição oral.

Mia Couto escreve sobre a profunda crise econômica e cultural que acompanha o cotidiano  da sociedade moçambicana, sobre a  instabilidade na qual está mergulhado o povo de Moçambique, sobre as  injustiças como consequência de um racismo étnico, da subserviência perante o estrangeiro.

Escreve também sobre  a perplexidade face às rápidas mudanças sociais, sobre o  desrespeito pelos valores tradicionais, sobre a  despersonalização e da miséria, como também do mundo dos vivos e dos mortos, dos feitiços e do sobrenatural, da ausência de valores éticos e morais, da perda da memória e da dignidade humana, e dos desajustes econômicos e culturais vividos no país.

A literatura da Guiné-Bissau reflete os caminhos da emancipação bem como o estado emocional dos guineenses ante o que se considera traição dos ideais revolucionários por parte dos dirigentes. Faz eco aos anseios e às preocupações da elite intelectual urbana, inconformada com a situação política e social do país no momento presente.

Abdulai Sila, fundador da ficção guineense, não se restringe à simples constatação do desastre em que resultou a libertação do jugo colonialista, nem se detém apenas na retratação das mazelas do povo guineense, mas procura e denuncia os responsáveis pelos problemas.

O romancista Filinto de Barros desenvolve sua análise do momento por que passava a Guiné-Bissau, pondo o dedo nas feridas abertas pelos seus próprios correligionários, além de introduzir o leitor no mundo mágico e mítico africano. Informa, como ativo participante, sobre a gestação da independência e seus resultados, e ousa confessar o lado podre da gloriosa luta pela libertação nacional, desmontando mitos patrióticos.

A problemática da identidade cabo-verdiana está presente na poesia de Corsino Fortes, onde povo tomou conta da sua terra e do seu destino. Usa o crioulo em muitos poemas pois a fala, anterior à escrita, é o grande sinal da liberdade.

Constrói o isolamento do arquipélago de Cabo Verde com a migração, a expressão da necessidade de deixar as ilhas, seja por causa do clima inóspito, seja porque é no exterior que o futuro pode ser conquistado, às vezes ilusoriamente.

Orlanda Amarilis também explora os diferentes matizes da temática da insularidade – o exílio, a diáspora, a solidão — além de observar, com olhos muito ternos, o dia-a-dia das mulheres, o comadrio, a carência, a seca e a ausência dos homens.

Alda do Espírito Santo, poetisa de São Tomé e Príncipe, tem a diferença racial e a exploração colonial como pano de fundo. Seu livro “É nosso o solo sagrado da terra: poesia de protesto e luta” se caracteriza por uma grande dose de combatividade e pela descrição sensível da vida dos habitantes de seu país.

Outros poetas mantêm a temática da luta contra o colonialismo, a exploração dos negros nas plantações, a consciência da diferença que a cor provoca e a alienação.

ANOTE AÍ:

Como fonte básica da história política, foi consultada Walace Ferreira, no N°4, Vol. II, Revista Acadêmica de Relações Internacionais, A África na Política Externa Brasileira: Análise de Distanciamentos e Aproximações entre as Décadas de 1950 a 1980.

crianças moçambique divanirtielane.com
Foto: divanirlanie.com

https://xapuri.info/elizabeth-teixeira-resistente-da-luta-camponesa/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora