Pesquisar
Close this search box.

Antecedentes da morte de Lênin

Antecedentes da morte de Lênin: atentado, derrames e perda da fala

Em 1922, Lênin começou a se sentir tão doente que os médicos sugeriram que ele poderia ter sido envenenado por balas de chumbo que permaneceram em seu corpo após a tentativa de assassinato em 30 de agosto de 1918

Por Gueórgui Manáev/Portal Vermelho

Em julho de 1921, três anos antes da morte, Lênin escreveu ao escritor soviético Maksim Górki: “Estou tão cansado que não consigo fazer nada”. Ainda assim, Lênin participava de até 40 reuniões e comitês por dia e recebia dezenas de pessoas.

“Das reuniões do Conselho dos Comissários do Povo”, lembrou sua irmã Maria Uliánova, “Vladimir Ilitch chegava por volta das 2 horas da noite, completamente exausto, pálido, às vezes nem conseguia falar ou comer, costumava se servir de um copo de leite quente e o bebia andando pela cozinha onde costumávamos jantar.”

O professor Livéri Darkchevitch, que examinou Lênin em março de 1922, notou “uma enorme quantidade de manifestações neurastênicas extremamente graves que o privaram completamente da possibilidade de trabalhar como [o fazia] antes” e “uma série de obsessões que assustam muito o paciente”. “Isso não levará a loucura, né?”, perguntou Lênin ao professor.

Em abril de 1922, Lênin começou a se sentir tão doente que os médicos sugeriram que ele poderia ter sido envenenado por balas de chumbo que permaneceram em seu corpo após a tentativa de assassinato em 30 de agosto de 1918. Segundo o acadêmico e cirurgião Iúri Lopukhin, “a decisão [de retirar balas do corpo] é muito polêmica e duvidosa, tendo em conta que durante esses quatro anos desde a tentativa de assassinato, as balas já estavam alojadas e, como acreditava o professor Vladímir Rozanov, a sua remoção “fará mais mal do que bem”.

Em 23 de abril de 1922, o cirurgião alemão Borchardt retirou uma bala do corpo de Lênin, e em 27 de abril, o líder soviético já tinha voltado para as reuniões. Ele continuou a trabalhar ativamente por mais um mês, até que em 25 de maio sofreu seu primeiro acidente vascular cerebral em sua casa em Górki, perto de Moscou. O derrame levou à perda da fala, às vezes não conseguia ler ou escrever, e tinha pouco controle da mão direita.

Em 29 de maio, o conselho de médicos, que contou com a participação do grande neurologista Grigóri Rossolimo e do comissário do povo (ministro) para a Saúde, Semachko, admitiu que a doença não era clara. Presumiu-se ser aterosclerose, mas os médicos estavam surpresos ao ver que o intelecto de Lênin permanecia completamente intacto.

No verão de 1922, a saúde de Lênin começou a dar sinais de melhora. Em 16 de junho, ele começou a sair da cama e, como contou a enfermeira Petrácheva, o líder soviético “até dançou comigo”. No entanto, as manifestações patológicas continuaram durante todo o verão; Lênin, às vezes, perdia o equilíbrio e, em 4 de agosto, teve um espasmo com perda da fala após a injeção de arsênico com a qual era tratado.

Cinco meses após o derrame, Lênin retornou a Moscou. Os professores acreditavam que ele estava totalmente recuperado, mas ele admitiu: “Fisicamente me sinto bem, mas não tenho mais o mesmo frescor de pensamento. Para colocar na linguagem de um profissional, eu perdi a capacidade de trabalhar por longos períodos.”

Em outubro e novembro de 1922, Lênin participou de diversas reuniões do Conselho dos Comissários do Povo e discursou em congressos e convenções. Suas forças chegaram a fim em 7 de dezembro, quando partiu para Górki. Em 12 de dezembro, Lênin retornou a Moscou, onde sofreu convulsões e o segundo derrame, após o qual o lado direito de seu corpo ficou paralisado.

Em 24 de dezembro de 1922, Stálin convocou uma reunião com a participação dos líderes da URSS: Lev Kámenev, Nikolai Bukhárin e os médicos de Lênin. Decidiram protegê-lo de notícias sobre a vida política, “para não fornecer material para reflexão e preocupação”. Também foi proibido de receber visitas.

Apesar disso, Lênin continuou a ditar notas e cartas até 9 de março de 1923, quando foi acometido pelo terceiro derrame. Ele novamente perdeu a fala e jamais mais voltou ao trabalho. No verão de 1923, sob a supervisão da sua esposa, viu-se obrigado a reaprender a andar, pegar objetos e falar.

Krúpskaia escreveu: “Ele já anda com ajuda e de forma independente, apoiando-se no corrimão, sobe e desce escadas. […] Ele está com muito bom humor e agora já percebe que está se recuperando”. De 18 a 19 de outubro, Lênin esteve em Moscou pela última vez; dali, voltou para a sua datcha em Górki.

Vladimir Lênin morreu em Górki na noite de 21 de janeiro de 1924, às 18h50. Ele tinha 53 anos. A autópsia do corpo foi realizada no dia seguinte pela manhã. Os historiadores ainda não sabem por que o corpo não foi levado para autópsia em Moscou, onde ficavam os melhores institutos médicos.

Existem duas versões da principal causa da morte de Lênin: aterosclerose cerebral e (complicações) de sífilis. Hoje, 100 anos após a sua morte, ainda não há consenso sobre esta questão. O acadêmico Iúri Lopukhin sugere que a verdadeira causa da doença e morte de Lênin foi o bombeamento insuficiente de sangue ao cérebro causado pelo ferimento em 1918.

Uma parte significativa dos documentos sobre a morte e doença de Lênin permanecem secretos até hoje a pedido de sua sobrinha Olga Uliánova (1922-2011). Porém o sigilo expira agora em 2024.

Publicado originalmente no Russia Beyond Brasil

Fonte: Portal Vermelho Capa: Reprodução


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes