Pesquisar
Close this search box.

Arsenal é encontrado em casa de policial investigado por atos golpistas do 8 de janeiro

Arsenal é encontrado em casa de policial investigado por atos golpistas do 8 de janeiro

Além dos mandados de busca, houve determinação de prisão preventiva e bloqueio de bens, ativos e valores dos investigados.

Por Redação/Mídia Ninja

Na manhã desta segunda-feira (8), um policial militar de Rondônia teve um arsenal apreendido pela Polícia Federal, que deflagrou uma operação para cumprir 46 mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva em diversos estados, incluindo o Distrito Federal. As ações visam desmantelar um grupo suspeito de financiar e fomentar os atos golpistas ocorridos exatamente há um ano, em 8 de janeiro de 2023, contra as sedes dos Três Poderes, em Brasília.

O ministro Alexandre de Moraes, responsável pela autorização da operação, ressaltou que as ações desta segunda-feira são uma continuação da investigação iniciada após os atos antidemocráticos. As informações coletadas subsidiaram o relatório da CPMI dos Atos Golpistas no Congresso, assim como as decisões judiciais relacionadas ao caso.

Foto: armas apreendidas em Mato Grosso do Sul. Foto: PF

Autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a operação, que faz parte da 23ª fase da chamada “Lesa Pátria”, conta com 47 ordens judiciais no total. Além dos mandados de busca, houve determinação de prisão preventiva e bloqueio de bens, ativos e valores dos investigados. As investigações apontam prejuízos ao patrimônio público na ordem de R$ 40 milhões.

As ações ocorrem em vários estados, incluindo Bahia, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Maranhão, Paraná, Rondônia, São Paulo, Tocantins e Santa Catarina. A operação visa apurar não apenas os participantes diretos dos atos golpistas, mas também os financiadores e mentores do episódio.

O STF planeja julgar 146 réus até abril de 2024 em 10 sessões virtuais. Desde setembro, a Corte já condenou 30 pessoas acusadas de participação nos atos antidemocráticos. A operação “Lesa Pátria” é considerada permanente, e os suspeitos são investigados por crimes que incluem abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime e destruição de bem especialmente protegido.

Foto: Mídia Ninja. Foto: Polícia Federal.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes

×