Cestaria e Pintura Corporal dos Krikati: a socialização através da arte – Entre os Krikati, a capacidade de produzir objetos artísticos é inerente a qualquer indivíduo. Porém, esta acha-se subordinada à divisão sexual do trabalho e à aptidão inata. Se alguém nasce para cantar nos rituais, ao longo do seu crescimento vai sentir dentro de si essa vontade e vai procurar um chefe de ritos que o inicie. Se pretende dominar os padrões e técnicas próprios da cestaria, deve pedir orientação a um homem mais velho, geralmente ao pai.

Por Maria Mirtes dos Santos Barros

A arte nessa sociedade está inserida em dois grandes campos que se interpenetram: um vinculado ao cotidiano e outro aos rituais. A cestaria, em princípio, é a técnica utilizada para a produção de utensílios de uso doméstico feminino, para a colheita de frutos silvestres e cultiváveis. Esse trabalho é executado por homens, que também coletam a matéria prima necessária para fazer esses utensílios.

Do pecíolo da folha de buriti (Mauritia viníferá) eles extraem taliscas com as quais confeccionam cestos. Os padrões geométricos são variados: sarjado, losango com diamante, listras inclinadas, listras em zigue-zague, transversais e verticais.

A quantidade de talas envolvidas em cada padrão e a maneira de sobrepor ou intercalar é que define a forma. Mesmo assim, não raro o artista reveste os pecíolos, uns com carvão e outros com urucum, possibilitando uma harmonia por contraste, enfatizando cada padrão.

Para o “estrangeiro” essas são formas abstratas, mas para o artista e o público Krikati, são representações da natureza: pele de diferentes tipos de cobra, jacaré, peixes etc.

O homem caçador, ao produzir os cestos, está associando a fauna à flora: simbolicamente esses cestos são peles de animais que não precisaram morrer para estar ali, pois foram feitos com elementos da flora.  A pintura corporal é um item que também faz parte do cotidiano, mas durante os rituais se reveste de maior importância.

Ela apresenta um grau de complexidade não apenas no que concerne ao tema e à forma, mas também ao uso. Sabemos que a pintura sobre o corpo está presente em quase todas as sociedades indígenas brasileiras e que ela, a exemplo do que ocorre com os artefatos, também tem seus aspectos particulares. Assim, embora os pigmentos sejam os mesmos, as pinturas variam na forma.

Contudo, devemos considerar alguns pontos da pintura corporal que lhe são próprios: existe uma pintura de uso cotidiano e existe uma outra destinada às festas. Essas últimas estão direcionadas aos ritos, principalmente os de iniciação. Cada indivíduo, ao nascer, herda, juntamente com o nome, o seu espaço dentro dos rituais.

Ali, ele está representando a sua metade ritual – Wakmeyê ou Katmeyê -, seu grupo ritual específico e reverenciando a pessoa que lhe deu o nome (seu “kamaoront”) e aquele que se tornou seu “amigo formal” (seu “pemchui”). Permanecer fiel ao seu grupo é demonstração de respeito a essas pessoas com as quais o indivíduo estabelece relações de parentesco não consanguíneo (formal).

A metade Wakmeyê está relacionada ao dia (claridade) e ao período seco, enquanto que a metade Katmeyê está associada à noite (escuro) e à estação chuvosa. No que concerne a ornamentação do corpo, os indivíduos da metade Wakmeyê pintam o corpo com listras verticais e, para a emplumação, quer do corpo ou das esteiras, usam plumas de
periquito.

Os membros da metade Katmeyê usam listras horizontais na pintura corporal e usam plumas de gavião para a emplumação. A produção artística, assim como as demais atividades, acha-se disciplinada pela divisão do trabalho. Os objetos de uso feminino, como o cesto e as esteiras para sentar, são confeccionados pelo homem (pai, irmão ou marido).

O “kaypó” (espécie de bolsa usada pelo homem para transportar tabaco, munições etc.) é também feito pelo homem. A cestaria, em geral, é uma atividade masculina, à exceção de um tipo em que se reproduz em miniatura panelas, chapéus e cestos para fins comerciais, que é feito pela mulher.

Em termos de arte, compete à mulher tecer, com fios de algodão, a faixa ritual feminina (Caxyc) e seu equivalente masculino (Rohcyh). A primeira é entregue ao homem durante o ritual do Wu’tú, para que ele cante. Simbolicamente representa a lua, sendo que a maioria das cantorias e danças são realizadas durante a noite. O segundo simboliza o sol e é usado, de dia, pelas mulheres durante o ritual. Esses dois objetos simbolizam a inversão de papéis sexuais que acontece durante o ritual. O chefe dos ritos não participa dessa inversão pois ele é a pessoa que coordena os rituais.

Na sociedade Krikati a produção de objetos de arte não se divorcia das demais atividades do cotidiano. A faculdade que o artista tem de produzir objetos belos não o isenta do trabalho na lavoura e de participar das atividades de caça. Ele é apenas um caçador que se compraz em compor na superfície do corpo, ou dos cestos, formas harmoniosas. Assim,
sendo o Krikati um povo coletor, caçador e agricultor de floresta, a arte é a expressão de seu modo de ser, sua postura frente à natureza e ao mundo sobrenatural.

Maria Mirtes dos Santos Barros – Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Faculdade de Ciências e Letras – UNESP – 14800-901 – Araraquara (SP); Profa. Assistente UFMA, Dep. De Artes.

Fonte: Periódicos Unesp Edição Xapuri


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI