O Uirapuru

Por Thiago de Mello

Não, não é o maior pássaro do mundo. Nem o mais lindo. Nem sonha em ser condor, soberano dos Andes. Nem chega perto da formosura do quetzal mexicano. Só não digo que o nosso maravilhoso uirapuru é um tantinho feioso, porque para mim todo pássaro é bonito.

As corujas sabem que estou falando a verdade. Até mesmo o urubu, que no chão é puro desengonço, se desforra quando vai para o céu: a beleza do seu voo é tecida de inteligência e elegância.

O uirapuru é pequenino, verde escurecido em castanho, fronte avermelhada. Parece um pardal. O que o distingue de todos os pássaros da floresta é que ele tem o canto encantado. Ele encanta com o seu canto. Enfeitiça com a doçura de sua voz, o prodígio do seu canto.

Custa muito a aparecer. Aliás, não aparece. Ninguém dá com ele. A gente mal a mal percebe de que direção vem vindo o seu canto.

Toda a floresta silencia quando ele começa a cantar, com um longo trinado agudo de uma só nota musical. Os outros passarinhos logo ficam silenciosos e seduzidos voam, alguns atravessam o lago (que é onde o uirapuru gosta de viver, pertinho do lago sereno) só para ouvir de mais pertinho o pássaro encantador.

Dizem que as antas, os veados, as capivaras e mesmo as onças grandonas, toda a floresta para, tocada pela magia do canto. Contam que até o vento se abranda, as águas deslizam devagar.

Só ouvi o uirapuru uma vez. Foi no Lago do Marcelo, dentro do Cachimbá, no Paraná-Mirim-da-Eva. Lago dos imensos. Ia de canoa, com o Jari Botelho e o Antônio do Josias, atrás de umas bromélias, quando de repente foi aquele trinado subindo na selva.

É o uirapuru, exaltou Antônio.

O silêncio sonoro da floresta perdeu a voz. Vi os passarinhos voando ligeiros na direção de um coqueiro de macaco. O passarinho cantou bem uns quinze minutos.

Ainda espero ouvi-lo de novo. O povo da floresta, que sabe o que diz, acha que o uirapuru é o pássaro da felicidade. Basta ouvi-lo uma vez, a aventura da vida está garantida. O canto dele vale por lâmpadas em qualquer réstia de escuridão.

Não ando precisando de uirapuru: sou um homem insuportavelmente feliz. Mas gostaria de sentir de novo todo o meu ser comovido, perturbadamente encantado pelo dom mágico do nosso passarinho.

Convém saber que, no idioma tupi-guarani, uira quer dizer ave e pura serve para significar um poder mágico. Os índios chamam as coisas pelo que elas são.

Thiago de Mello – Poeta maior da Amazônia e do Brasil, em Amazonas –  Águas, Pássaros, Seres e Milagres. Editora Salamandra, 1998.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuriinfo.dream.press. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

loja Xapuri camisetas

Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

Réquiem para o Cerrado

Comentários