Pesquisar
Close this search box.

Como Lula recuperou a imagem do Brasil no cenário global

Como Lula recuperou a imagem do Brasil no cenário global

Presidente encontrou com mais de 60 líderes em 2023. Ele realizou 15 viagens e passou por 24 países, oportunidades em que fechou acordos e reposicionou diplomacia

Por Murilo da Silva/Portal Vermelho

O ano de 2023 teve como uma das prioridades adotadas pelo governo Lula a retomada do protagonismo nas relações internacionais. O movimento não foi só de reposicionamento pelo novo governo, mas também visou recuperar um vácuo deixado pela gestão Bolsonaro que praticamente apartou o Brasil dos principais palcos decisórios mundiais.

Aos críticos das agendas internacionais a resposta de Lula veio rápida com resultados imediatos a cada encontro, como o maior acordo na história entre Brasil e China (15 acordos em volume superior a R$ 50 bilhões) e como o de R$12 bilhões em recursos dos Emirados Árabes para a Bahia.

Mas uma das maiores conquistas das ações da política externa foi o anúncio de que o Brasil sediará em 2025 a Conferência do Clima das Nações Unidas (COP 30) em Belém, Pará.

O anúncio veio na esteira da cobrança brasileira por mais recursos para combate às mudanças climáticas que nortearam a presença brasileira nas discussões da COP 28, em Dubai.

Lula chegou a dizer que “viajou demais”, porém o movimento era necessário. Neste ano já avisou que o foco será em agendas internas, focadas nas entregas de projetos por todo o país. O momento também resguarda atenção para as eleições municipais, que podem ser um termômetro já pensando em 2026.

No total Lula passou por 24 países, em 15 viagens realizadas. Nestas ocasiões o presidente se encontrou com mais de 60 chefes de Estado e governo de 55 países, segundo o Planalto. Os países visitados foram: Argentina, Uruguai, Estados Unidos, China, Emirados Árabes, Portugal, Espanha, Reino Unido, Japão, Itália, Vaticano, França, Colômbia, Bélgica, Cabo Verde, Paraguai, África do Sul, Angola, São Tomé e Príncipe, Índia, Cuba, Arábia Saudita, Catar e Alemanha.

No primeiro ano do terceiro mandato presidencial de Lula, o Brasil esteve nas presidências temporárias do Mercosul e do Conselho de Segurança da ONU. Como marcas ficaram os avanços nas tratativas pelo acordo entre Mercosul e União Europeia e a posição à frente do Conselho de Segurança em que o Brasil chegou a ter uma resolução pelo cessar-fogo na guerra entre Israel e Hamas apoiada por 12 dos 15 membros. Mesmo com apoios a resolução foi barrada pelo poder de veto dos Estados Unidos, mas foi fundamental como uma primeira iniciativa que culminou nos primeiros acordos para pausa nas hostilidades e troca de reféns negociadas pelo Catar.

Além disso, a diplomacia nacional demonstrou sua eficácia pela prontidão no resgate de brasileiros e seus parentes estrangeiros que estavam na zona de guerra e que desejavam sair do local.

G20

Em setembro, Lula recebeu a presidência temporária do G20, em Nova Delhi, na Índia. Isto significa que o Brasil fica responsável pela pauta do grupo entre 1º de dezembro de 2023 e até 30 de novembro de 2024.

Na presidência do grupo que envolve as maiores economias do mundo, o Brasil ganhará ainda mais destaque em 2024. Lula já estabeleceu como eixos de atuação: o combate à fome, as questões climáticas e a governança global.

Em seu primeiro discurso na presidência do grupo, ele direcionou sua fala para o combate às desigualdades e na criação de mecanismos de taxação internacional que ajudem a financiar o desenvolvimento sustentável. No calendário de ações do G20 serão mais de 120 eventos até a Cúpula final em novembro na cidade do Rio de Janeiro, quando o Brasil passa o bastão para a África do Sul.

América do Sul

Neste primeiro ano ainda se destaca o retorno do Brasil à Unasul, com empenho reformista para o grupo, e a promoção do encontro em Belém da Cúpula da Amazônia que reuniu os países signatários da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA).

Além disso, o governo organizou a Cúpula de Líderes da América do Sul, em que os presidentes de 10 países e o presidente do Conselho de Ministros do Peru vieram ao Brasil debater propostas para a região. A presidente peruana, Dina Boluarte, estava impedida de deixar o país no momento pela transição de poder que ocorria no país.

Com estas reuniões o líder brasileiro mostrou que não só vai ao encontro dos interesses nacionais como também tem poder de mobilização para atrair, quando necessário, representações para o próprio país.

Relações Internacionais

O fortalecimento das relações não se deu somente no continente. Lula ainda marcou este primeiro ano com a retomada das relações bilaterais com os países africanos em viagem para a África do Sul e Angola, assim como outros países durante a 14ª Conferência de Chefes de Estado da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

No período o governo ainda contou com representação no G7, grupo dos países mais ricos do mundo, como observador. Lula destacou no encontro que aconteceu no Japão a luta pela paz, contra a crise ambiental e a fome, temas que tem norteado sua atuação e a diplomacia.

Já no G77, que visa reunir os interesses do Sul Global, realizado em Cuba, o recado do presidente teve críticas aos monopólios tecnológicos das gigantes de tecnologia, movimento apoiado na resolução final do evento.

Entre a aproximação que vai do G7 ao G77, passando antes pela liderança no G20, quem ganhou destaque em 2023 foi o fortalecimentos dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) que teve oficializada a adesão da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito, Irã e Etiópia ao bloco. Com anuência do Brasil, o grupo cresce em importância e pode superar em muitos aspectos os outros conjuntos nas próximas décadas.

Para 2024 a primeira viagem internacional poderá ser em fevereiro para a Cúpula da União Africana, que acontece na Etiópia. O evento reúne os 55 países membros do continente que recém foram integrados ao G20 como bloco pela União Africana.

Fonte: Portal Vermelho Capa: Ricardo Stuckert


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
REVISTA 107
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes