Procura
Fechar esta caixa de pesquisa.

Datafolha mostra que brasileiros veem melhora na economia

Datafolha mostra que brasileiros veem melhora na economia

Resultados do governo Lula já são sentidos pela população. Pesquisa ainda mostra que 30% avaliam que as finanças pessoais também melhoraram

Por Murilo da Silva/Portal Vermelho

A situação econômica do país mudou? Para 35% dos brasileiros houve melhora na economia, segundo o Datafolha, divulgado no último domingo (17). O dado simboliza que o governo Lula tem alcançado os objetivos econômicos traçados e a população já sinaliza que os efeitos nas finanças têm melhorado a qualidade de vida.

Mais do que cumprir promessas de campanha, o novo governo tem trazido dignidade e a perspectiva de que, em um prazo antes do previsto, o irá recuperar um patamar de segurança social e econômica como foi vivido pelos brasileiros nos dois primeiros governos Lula.

Os sinais já foram dados: o endividamento das famílias atingiu o menor grau desde junho de 2022, o mercado tem aumentado a previsão sobre o PIB de 2023 a cada semana, os preços dos alimentos baixaram substancialmente como o da carne que caiu 9,36%, e o Brasil alcançou no segundo trimestre um PIB per capita recorde de R$ 13.087, entre outras boas notícias.

Para completar, o dado do Datafolha reverte uma perspectiva de queda, uma vez que em dezembro, já com a eleição definida, os que apontaram para uma melhora na economia nacional eram 26% e caíram para 23% em março. Ao subir consideravelmente e atingir os 35%, o Datafolha indica que este é o maior índice na série histórica desde junho de 2015, superando os 34% de outubro de 2022.

Sobre a pergunta feita “Nos últimos meses, a situação econômica do país mudou?”, outros 35% disseram que piorou e 28% que “ficou como estava”, com base nesta última averiguação.

Melhora nas finanças pessoais

Outro resultado positivo, que pode ser atribuído ao novo governo, é quanto às economias pessoais. Na pesquisa, os entrevistados ao serem questionados se a situação econômica pessoal mudou nos últimos meses, em março 23% apontaram que melhorou e agora, em setembro, este número chegou a 30%.

Entre os movimentos feitos pelo governo que ajudam este cenário consta a melhora na oferta de crédito, como a trazida pelo programa Desenrola. O programa tirou 6 milhões de endividados do cadastro negativo. Como também os efeitos do Bolsa Família na renda das famílias, em junho o benefício atingiu o seu maior valor médio: R$705.

O utilizou o X (antigo Twitter) para comentar os resultados:

No sentindo inverso da pesquisa, os que apontavam que a economia pessoal piorou eram 27% e caiu para 26%. Já os que indicaram que nada mudou nas finanças pessoais entre março e setembro foram de 50% para 46%.

Inflação e Poder de compra

A inflação também foi alvo de questionamento e os número entre março e setembro ficaram estáveis. Neste mês 54% acreditam que a inflação vai aumentar, 24% ficar como está e 19% que o custo de vida vai diminuir.

A pergunta sobre poder de compra trouxe equilíbrio entre os pesquisados, sendo que 32% acreditam que o poder de compra dos salários vai aumentar, 35% que vai cair e 33% que vai ficar como está.

Desemprego

Já sobre o número de desempregados, 46% avaliam que o desemprego pode aumentar, 26% que pode diminuir e os que não acreditam em mudança 27%.

No entanto, é fundamental lembrar que a taxa de desemprego no Brasil caiu para 7,9% no trimestre móvel de maio a julho – uma queda de 0,6 ponto percentual em relação aos 8,5% registrados no trimestre de fevereiro a abril – menor patamar em 9 anos

A pesquisa Datafolha foi feita com 2.016 pessoas em 139 cidades pelo Brasil, nos dias 12 e 13 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Fonte: Portal Vermelho Capa: Tânia Rêgo/Agência Brasil


[smartslider3 slider=43]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA