Deu Lula de novo, com a força do povo!

Deu Lula de novo, com a força do povo!

“Nossa voz foi ouvida. Nosso sorriso se abriu. Nossa esperança voltou. Nossa luta não vai parar. Deu Lula de novo, com a força do povo.” Assim o jornalista Mauricio Falavigna encerra seu primeiro artigo pós-vitória do Presidente Lula no blog https://recontaai.com.br/, logo depois do segundo turno das eleições de 2022. Lúcido e emocionante, o texto de Falavigna traça o roteiro da resistência democrática do povo brasileiro que levou Lula, pela terceira vez e com o maior número de votos de nossa história, a voltar à presidência do Brasil em 1 de janeiro de 2023. Vale a pena conferir. (Kleytton Morais)…

Por Kleytton Morais e Mauricio Falavigna 

Foi a segunda vez em que um ex-presidente, após um intervalo de seu governo, concorreu à Presidência da República. E ganharam nas duas ocasiões, com a memória se associando à esperança, com a benção dos trabalhadores e dos excluídos, como um ato de resistência popular contra uma elite entreguista e escravagista. Não por acaso, Lula e Getúlio são símbolos da massa – e alvos de ódio dos setores mais conservadores, privilegiados e subservientes ao capital externo.

Algumas similaridades entre as eleições. Em 1945, Getúlio foi deposto por militares e não pôde participar das eleições. O queremismo levou milhares às ruas exigindo seu nome no pleito, mas militares e STF impediram. Inúmeras manifestações, décadas depois, protestaram contra o golpe, a saída de Dilma e a prisão de Lula, impedido de concorrer em 2018. E quem ganhou as eleições foram militares, um general lá e depois um capitão. Ambos contaram, em sua trajetória ao poder, com o beneplácito norte-americano

Durante o governo Dutra, Getúlio articulou-se com outros partidos, gerando polêmica entre seus apoiadores – se Alckmin foi uma aliança controversa, se o PSB foi alvo de críticas de militantes petistas, Getúlio trouxe o PSP de Ademar de Barros (que indicou Café Filho para ser vice) e conseguiu apoios individuais importantes do PSD e da própria UDN para sua candidatura. Assim como agora, São Paulo concentrava a maior rejeição a um governo popular e trabalhista.

O PSD, o apoio que seria mais natural, insistiu em uma candidatura própria, Cristiano Machado, em papel semelhante ao de Ciro, deu origem ao termo “cristianizado”: foi abandonado pelo próprio partido. A direita concentrou-se na continuidade militar com o Brigadeiro Eduardo Gomes. A plataforma de campanha era antitrabalhista – ele queria acabar com o salário mínimo – e entreguista, pregando que empresas estrangeiras explorassem nosso petróleo. A campanha de Vargas concentrou-se em temas sociais, garantias trabalhistas, desenvolvimento e nacionalização da Petrobras.

Os grupos políticos eram similares, como não poderia deixar de ser. De 1951 a 1964 e de 2016 para cá, as forças conservadoras apelaram para todas as suas armas. As grandes riquezas, empresários, Forças Armadas, mídia e lideranças religiosas atacaram opositores com todo o vigor. O mais revelador entre essas semelhanças é que, apesar da diferença de contextos, o temário não saiu de cena. A luta entre Capital e Trabalho voltou a ser explícita, o combate à desigualdade e à miséria estão na ordem do dia, o privatismo voltou ao embate contra a presença do Estado, a atuação militar na política é sentida, setores estratégicos como energia elétrica e petróleo voltam a ser palcos de disputas.

Mas o feito de Lula foi ainda maior, sua volta foi mais árdua. Em primeiro lugar, porque a extrema direita assumiu o governo. Uma mídia corporativa muito mais complexa facilitou a desestabilização de Dilma e garantiu uma eleição fraudada, com Lula preso. O Judiciário abriu as portas aos militares. Os grandes noticiários engajaram-se na criminalização do PT e de Lula. Uma farsa imensa como a Lava Jato foi criada como arma perene contra a “corrupção” – e para minar indústrias nacionais. A presença do capital externo hoje é muito maior, com lobbies no Congresso e valores que dominam o jornalismo e a indústria do entretenimento. O lado conservador da sociedade foi armado legalmente, a eliminação de esquerdistas foi incentivada. As PM’s hoje são um exército de reserva, uma espada suspensa sobre a cabeça de pobres. Pastores neopentecostais se espraiam pelas periferias e pelo Brasil profundo, conquistando mentes e almas com um discurso moralizante, antipolítico, que prega a subserviência de mulheres e pobres, que demoniza o desenvolvimento e a esquerda.

Temos um lugar comum a que todos os brasileiros remetem, o de “não termos memória”. Mas foram eleições em que a memória, afetiva e pragmática, levou as massas a sentirem seu voto, seu candidato, depositando suas esperanças e, lá no fundo, suas pequenas vinganças.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

E não “assistimos calados”, outra frase feita de alguns intelectuais inconformados. Na eleição de hoje, em um ambiente dominado pelo radicalismo das elites, assumindo espírito e práticas fascistas, os sem voz saíram vencedores. A maior estratégia de comunicação da campanha deste governo, mais que as conhecidas notícias falsas semeadas em aplicativos, redes, rádios, tevê e templos, foi a intimidação. Ameaças de demissões e espancamentos tornaram-se homicídios nos últimos dois meses. Assassinatos, agressões, armas sacadas na ruas, campanhas que chegaram ao homicídio para forjar falsos atentados, superando qualquer facada mal compreendida…

E aqui cessam as similaridades e comparações. Até porque Lula teve algo que Getúlio não conheceu. Ele é inspiração e fruto do maior partido de esquerda latino-americano, com uma militância persistente, que não sucumbiu a seis anos de ataques, humilhações públicas, perdas de direitos, que insistiu em se manter altiva, mesmo sob o domínio da mentira e da violência. Da vigília em Curitiba à festa na Paulista, um caminho foi traçado. 

Um caminho de resistência, de perseverança e de lutas políticas incessantes que levaram Lula ao lugar que lhe pertencia moralmente desde 2018. Será preciso superar os donos do país, a elite do atraso, os senhores de engenho, os rentistas privilegiados e seus cães da mídia. Mas a partir de amanhã. Hoje, 30 de outubro, o desejo de construirmos novamente um País renasceu, para a incredulidade de uma parcela considerável dessa gente. Há apenas dois anos, nos davam por mortos e calados. Hoje mostramos que estamos vivos e na luta.

Nossa voz foi ouvida. Nosso sorriso se abriu. Nossa esperança voltou. Nossa luta não vai parar. Deu Lula de novo, com a força do povo.

Kleytton Morais é Presidente do Sindicato dos Bancários. Membro do Conselho Editorial da Revista Xapuri. 

Mauricio Falavigna é jornalista do Reconta Aí e colaborador eventual da Revista Xapuri. 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora