Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.

Lagartixas ajudam no controle de pragas domésticas

Lagartixas ajudam no controle de pragas domésticas

Lá está a lagartixa, tranquila andando pela parede. Calma, não precisa ter medo, pelo contrário: ela pode te proteger! O réptil é um grande aliado no controle de pragas domésticas.

Por Vanessa de Oliveira – pensamentoverde

As lagartixas se alimentam de traças, aranhas, pequenos escorpiões, insetos e uma das presenças mais indesejáveis em qualquer ambiente: as baratas. Ao seres humanos não fazem nenhum mal: não mordem nem são transmissoras de doenças, mais alguns motivos para serem vistas com bons olhos.

Embora existam há milhões de anos na Terra, foi só em 1960 que os cientistas descobriram como as lagartixas, que são parentes dos lagartos, conseguem andar pelas paredes e teto sem cair, desafiando a gravidade.

O cientista alemão Uwe Hiller sugeriu a existência de um tipo de força atrativa entre as moléculas da parede e as da pata da lagartixa conhecida na Física como força intermolecular de Van der Waals, em homenagem ao físico que a descobriu, o alemão Joahannes Diederik van der Waals.

Lagartixa

No final do século 20, uma equipe de cientistas liderada pelo biólogo americano Kellar Autumn comprovou a análise de Hiller e a pesquisa foi publicada na revista científica Nature. No artigo, Autumn ressaltou que “se todos os pêlos microscópicos das patas, chamados de setae, aderissem simultaneamente e em sua força máxima à parede, duas patas de uma lagartixa poderiam produzir uma força capaz de suspender até uma criança de 20 quilos. ”
Existem 1.384 espécies de lagartixa no planeta, das quais 34 são encontradas no Brasil. O animalzinho é detentor de características curiosas. Veja algumas:

Cauda regeneradora

Ao sentir-se ameaçada por algum predador, a lagartixa desprende a causa do corpo, que se mexe por alguns segundos para desviar a atenção e ter a possibilidade de fuga. A cauda passa por um processo de regeneração e cresce novamente em até três semanas, porém, não terá mais vértebras em seu interior, mas cartilagem (como a das nossas orelhas) e, a cada vez que esse processo acontecer, o tamanho vai encurtando.

“Olhos de lince”

De hábitos noturnos, as lagartixas enxergam muito bem à noite. Os olhos delas são 350 vezes mais sensíveis à luz do que os olhos humanos.

Reprodução e tempo de vida

A reprodução das lagartixas é ovípara. Geralmente, as fêmeas põe entre um ou dois ovos. Na natureza, elas depositam seus ovos entre cascas de árvores ou na terra. Nas casas, qualquer fresta um pouco úmida, como pequenas fissuras ou frestas de janelas, já é local adequado. Os filhotes das lagartixas nascem após cerca de 42 a 84 dias e já estão prontos para viverem sozinhos.
As lagartixas vivem, em média, oito anos.

Como pode ver, a convivência com as lagartixas é harmoniosa. Elas são amigas, pode confiar!

Fonte: pensamentoverde


Block

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados