Educação, trabalho e democracia

Educação, trabalho e democracia

Educação, trabalho e democracia

16ª SEMANA NACIONAL EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

“...para evitar mais prejuízos e retrocessos, a saída só tem uma porta: a mobilização da nossa categoria”  Bia de Lima – Presidenta do Sintego

Na última semana de abril, sob a organização da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego) realizou a 16ª Semana Nacional em Defesa da Educação Pública. Em todo o país, houve uma série de atividades sobre Educação, Trabalho e Democracia, tema escolhido para 2015.

Nos diversos estados, sob a liderança dos sindicatos, as atividades se desenvolveram em consonância com os objetivos estabelecidos, considerando o contexto e as particularidades locais e buscando o envolvimento da comunidade escolar na elaboração dos planos estaduais e municipais de Educação, em sintonia com o Plano Nacional de Educação (PNE).

A 16ª SEMANA EM GOIÁS

Em Goiás, a mobilização é constante, a luta não tem sido fácil e longe está de terminar. Como tem alertado o Sintego, “o desrespeito à Lei do Piso, o achatamento da carreira com a extinção da titularidade, o reajuste da remuneração docente sendo pago em desacordo com a Lei do Piso e a data-base, a determinação do Executivo estadual em transferir para Organizações Sociais (OSs) a gestão escolar e a recente decisão do Executivo goiano de parcelar o pagamento dos salários da Educação, dentre outros agravos, trazem enormes preocupações para a categoria”.

Foi nesse contexto que o Sintego promoveu as atividades da 16ª Semana em Defesa da Educação Pública no estado. No dia 27, nas salas de aula, houve apresentação e debate sobre as metas dos Planos de Educação nacional, estadual e local; dia 28, o debate envolveu a comunidade escolar; dia 29, houve adesivaço em vários pontos da capital; dia 30, dia da Greve Nacional, realizou-se a Audiência Pública em Defesa e Promoção da Educação Pública, no auditório da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás (UFG). O encerramento da semana aconteceu no 1º de maio – Dia da Classe Trabalhadora –, com a Corrida do Trabalhador, um ato público e um show, na Praça do Trabalhador, em Goiânia.

AUDIÊNCIA PÚBLICA

Com a participação de representações de profissionais da Educação de todas as regiões do estado, o Sintego promoveu, no dia 30, Audiência Pública, com profícuo debate em Defesa e Promoção da Educação Pública. A Audiência foi realizada em parceria com: Fórum Estadual de Educação, Faculdade de Educação da UFG, Undime, Anped, Anpae e CME.

A presidenta do Sindicato, Bia de Lima, abriu o evento, solidarizando-se com os educadores de Goiânia, que foram agredidos pela Guarda Municipal, no dia 23 de abril, com os do Paraná, espancados pela Polícia Militar, no dia 28 de abril, e com os de Aparecida de Goiânia, que entraram em greve na segunda-feira, dia 4 de maio. Ela destacou a importância de se fazer um balanço das lutas e conquistas, de permanecer buscando avanços, mas sobretudo de “lutar contra os retrocessos que estão sendo gestados, no país e em Goiás”. Uma audiência pública, lembrou ela, tem o papel de “aproximar profissionais que atuam na escola pública com entidades que defendem a escola pública”.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Sobre Goiás, Bia lembrou agravantes de uma situação segundo ela já ruim “porque desde o início do ano, as ações propostas pelo Executivo estadual são todas contrárias à nossa pauta de reivindicações: 1. Decisão do governador de parcelar os salários; 2. Reajuste do Piso em agosto, contrariando a Lei; 3. Transferência da gestão escolar para as OSs; e 4. Projetos de Lei que mudam o Estatuto do Magistério e o Estatuto dos Servidores”. Segundo ela, “para evitar mais prejuízos e retrocessos, a saída só tem uma porta: a mobilização da nossa categoria”.

A professora Virgínia Maria Pereira de Melo, Secretária Municipal de Educação de Anápolis e presidenta do Fórum Estadual de Educação, lamentou as situações de violência contra educadores e ressaltou a importância do diálogo e da constante negociação. Enfatizou também a importância da participação dos professores nos debates promovidos pelo Fórum sobre temas como “a grande dificuldade de acesso à Educação Infantil, a evasão escolar motivada pela falta de investimentos do Estado na construção de escolas próximas das comunidades, a falta de motivação dos professores e a urgência de controle social dos gastos com a Educação”. Na última edição, “os professores fizeram falta”, lamentou ela.

Corroborando a ideia de que a mobilização é fundamental, a professora Ludmila da Silva Morais, do Conselho Municipal de Educação de Goiânia e representante da Anpae, indagou: “O que nós podemos fazer do lugar onde estamos? Falar em Educação de qualidade é falar para além da escola pública. O que podemos fazer enquanto sujeitos e o que precisamos cobrar para que essa Educação de qualidade aconteça”?

Representando a UFG, a professora Karine Nunes de Moraes ressaltou o fato de que “os maiores esforços exigidos hoje são para não perder direitos”. Sobre a truculência contra professores, afirmou: “Repudiamos toda forma de violência, com repressão policial ou sem repressão policial. Defendemos a liberdade de pensar e de expressar. Temos que estar vigilantes em defesa da democracia. Que nossa luta tenha como princípio o bem coletivo, a ampliação da democracia, o aumento da participação nos espaços públicos”.

Em seguida, a professora Ieda Leal, vice-presidenta do Sintego e secretária de Combate ao Racismo da CNTE, afirmou que, em Goiás, a tarefa dos profissionais da Educação é gigantesca, porque “os ataques à Educação pública são constantes”. Lembrou ela: “Acordamos com o pesadelo da OS, mesmo quando já se sabe que as OSs não funcionam em outros países (como no Chile e Estados Unidos) e estados. Queremos o Concurso Público, a aprovação do plano estadual e dos planos municipais de Educação. Queremos saber sobre os recursos da Educação em Goiás. De um orçamento de R$ 418 milhões [março/2015], apenas R$ 170 milhões vão para o pagamento da folha”.

Mas nem tudo é desalento. Nesse sentido, a professora Miriam Fábia, representante da Anped, lembrou: “Na década de 1980 fomos protagonistas de muitos movimentos em defesa da escola pública. Tivemos muitas conquistas, por exemplo, a eleição de diretores, a escola como espaço de aprendizado. Nossas tarefas são o resgate das memórias de nossas vitórias e a defesa de nossas conquistas. Precisamos superar esse momento difícil em que tem só desgraça. Precisamos voltar a acreditar em possibilidades”.

E advertiu: “A nossa memória está contaminada por uma mídia extremamente perversa. A mídia não mostra o movimento que está acontecendo no Brasil inteiro: os professores estão na rua! E estão na rua não só por salários, mas também pelo projeto de Educação do país”.

A 16ª Semana em Defesa da Educação Pública é uma atividade histórica dos trabalhadores em Educação de todo o país, realizada pelas entidades ligadas à CNTE, em defesa dos educadores, mas não é a única. Ao avaliar a realização, Bia de Lima ressaltou: “Diariamente são travadas duras batalhas para assegurar e ampliar os direitos de professores e funcionários das escolas. Em Goiás, essa batalha tem sido árdua, tanto na esfera político/administrativa, quanto na judiciária, onde tramitam várias ações contra atos do governo que desrespeitaram a Lei e retiraram direitos. Lentamente, as decisões estão restabelecendo esses direitos e obrigando o governo de Goiás a cumprir a legislação como, por exemplo, a sentença que obriga o Estado a pagar os quatro meses de reajuste de 7,97%, do Piso de 2013, a mais de 30 mil professores.

Mesmo diante dessas duras batalhas, o Sintego não recua, pelo contrário, intensifica cada vez mais e mobiliza a categoria para resistir a todo tipo de pressão e ação que vise prejudicar os trabalhadores”.

https://xapuri.info/samarco-e-vale-assinam-acordo-para-nao-pagar-prejuizos-em-mariana/

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO