Pesquisar
Close this search box.

Feminismo: 10 Livros Para Quem Lê E Não Tem Preguiça De Pensar

Feminismo: 10 Livros Para Quem Lê E Não Tem Preguiça De Pensar

Por: portalraizes

Biblioteca Pública de Nova York selecionou algumas obras fundamentais para refletir sobre as conquistas das mulheres e suas contribuições para a história e sociedade. A seleção de Lynn Lobash, gerente do departamento de serviços ao leitor da Biblioteca, reúne “livros influentes da história do feminismo, essenciais para entender o movimento pelos direitos das mulheres”.

Quer compreender o que é de fato o feminismo? Logo abaixo da lista de livros, leia sobre a história, os tipos e os conceitos.  

1 – Sejamos todos feministas (2014), Chimamanda Ngozi Adichie

Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente do dia em que a chamaram de feminista pela primeira vez. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. “Não era um elogio. Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: ‘Você apoia o terrorismo!’”. Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e começou a se intitular uma “feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os homens”. Sejamos todos feministas é uma adaptação do discurso feito pela autora no TEDx Euston, que conta com mais de 1,5 milhão de visualizações e foi musicado por Beyoncé. Comprar aqui.

2 – Um Teto Todo Seu (1929), Virginia Woolf

Baseado em palestras proferidas por Virginia Woolf nas faculdades de Newham e Girton em 1928, o ensaio “Um Teto Todo Seu” é uma reflexão acerca das condições sociais da mulher e a sua influência na produção literária feminina. A escritora pontua em que medida a posição que a mulher ocupa na sociedade acarreta dificuldades para a expressão livre de seu pensamento. Comprar aqui.

3 – O Segundo Sexo (1949), Simone de Beauvoir

Em sua obra-prima, Simone de Beauvoir aborda os fatos e os mitos sobre a mulher numa reflexão ampla, analisando a condição da mulher em todas as suas dimensões: sexual, psicológica, social e política. Uma obra fundamental, que inaugurou um novo modelo de pensamento sobre a mulher na sociedade e consagrou Beauvoir na filosofia mundial. Comprar aqui.

4 – A Mística Feminina (1963), Betty Friedan

O livro lançou o movimento feminista contemporâneo, e, com isso, transformou permanentemente a tessitura social dos Estados Unidos e de muitos outros países. Com uma análise das questões que afetaram a vida das mulheres nas décadas que se seguiram à Segunda Guerra Mundial, Betty Friedan elaborou uma das teorias mais lidas e questionadas do século 20. (Somente em PDF. Baixar aqui).

5 – A Mulher Eunuco (1970), Germaine Greer

A publicação de “A Mulher Eunuco” foi um evento marcante, que causou muita ira, mas também criou uma onda de reconhecimento de que a liberação sexual é a chave para a libertação das mulheres. Hoje, a abrasadora avaliação de Greer sobre as desigualdades enfrentadas pelas mulheres na sociedade é um dos mais importantes registros históricos feminista.Comprar aqui.

6 – Política Sexual (1970), Kate Millett

Considerado um clássico da literatura feminista, o livro aborda a tese desenvolvida por Millett durante o doutorado, na Universidade de Colúmbia. Ele é dividido em três partes: a primeira sobre o aspecto político do sexo, a segunda sobre as relações sexuais tradicionais, e a terceira sobre o trabalho de autores representativos da época como D. H. Lawrence, Henry Miller, Norman Mailer e Jean Genet. (Somente em PDF. Baixar aqui).

7 – A Irmã Outsider (1984), Audre Lorde

Em quinze ensaios e discursos, Audre Lorde aborda questões variadas, como o sexismo, o racismo, o preconceito etário, a homofobia e o preconceito de classe. Além disso, a autora aponta as diferenças sociais entre os indivíduos como veículo de ação e mudança. Sua prosa é incisiva, inflexível e lírica, com duras críticas, mas, em última análise, oferecendo mensagens de esperança. (Em português somente encontramos textos escolhidos. Em PDF aqui).

8 – O Mito da Beleza (1990), Naomi Wolf

A jornalista Naomi Wolf afirma que o culto à beleza e à juventude da mulher é estimulado pelo patriarcado e atua como mecanismo de controle social para evitar que sejam cumpridos os ideais feministas de emancipação intelectual, sexual e econômica conquistados a partir dos anos 1970. A autora confronta a indústria da beleza, tocando em assuntos difíceis, como distúrbios alimentares e mentais, desenvolvimento da indústria da cirurgia plástica e da pornografia. Comprar aqui.

9 – Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade (1990), Judith Butler

Neste livro inspirador, que funda a Teoria Queer, Judith Butler apresenta uma crítica contundente a um dos principais fundamentos do movimento feminista: a identidade. Para Butler, não é possível que exista apenas uma identidade: ela deveria ser pensada no plural, e não no singular. Ou ainda, não é possível que haja a libertação da mulher, a menos que primeiro se subverta a identidade de mulher. Comprar aqui.

O Feminismo é Para Todo Mundo: Políticas Arrebatadoras (2000), bell hooks

O livro apresenta uma visão original sobre políticas feministas, direitos reprodutivos, beleza, luta de classes, feminismo global, trabalho, raça e gênero e o fim da violência. Além disso, esclarece sobre temas como educação feminista para uma consciência crítica, masculinidade feminista, maternagem e paternagem feministas, casamento e companheirismo libertadores, política sexual feminista, lesbianidade e feminismo, amor feminista, espiritualidade feminista e o feminismo visionário.Comprar aqui.

UMA BREVE HISTÓRIA DO FEMINISMO

Na França revolucionária de 1791, a dramaturga Olympe de Gouges organizou, junto de outras mulheres, uma resposta à Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão, feita dois anos antes. A Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadãpedia direito ao voto e à propriedade e acesso às instituições políticas. De Gouges foi guilhotinada em 1793, sob o argumento de ter traído a natureza de seu sexo.

Nos séculos 18 e 19, as ideias sobre o direito ao voto ganharam força. Em 1897, a britânica Millicent Fawcett fundou a União Nacional pelo Sufrágio Feminino. A grande vitória veio em 1918, quando o voto feminino foi legalizado no Reino Unido. A vitória se deve, em boa parte, à participação ativa das mulheres na 1ª Guerra, ganhando mais respeito na sociedade. Um ano depois, os EUA seguiram o exemplo.

No Brasil, as mulheres só ganharam direito ao voto em 1932. Exatos cem anos depois da publicação do primeiro livro a tratar do assunto no pais:  Direito das Mulheres e Injustiça dos Homens, da potiguar Nísia Floresta.

A partir da década de 1940, pautas como a legalização do aborto, o fim da violência sexual e o combate a papéis sociais impostos às mulheres, como ser mãe e dona de casa, entraram na agenda. A pílula anticoncepcional simbolizou o período, marcado pela maior pluralização dos discursos – não por acaso, nos anos 80, o feminismo negro, liderado por Angela Davis, ganhou força.

O feminismo contemporâneo começou na década de 1990. Alguns pontos se destacam, como o discurso pela propriedade do corpo e as questões de gênero. Assim, o discurso do “meu corpo, minhas regras” abriu precedentes para o “meu corpo biológico não dita minha escolha de gênero”. O corpo é a questão central, e o que fazer com ele é uma escolha individual.

OS DIFERENTES TIPOS 

A internet propiciou o surgimento de ambientes muito mais amplos para os debates e disseminação de ideias. Com isso, surgiram diferentes interesses e vertentes dentro do feminismo contemporâneo. Nenhum deles quer acabar ou anular o outro: são propostas de caminhos diferentes para atingir o bem comum, a igualdade. Veja quais são eles.

Interseccional
Tem o debate mais pluralizado, pois busca aliar demandas de diferentes minorias. Segundo a americana Kimberlé Crenshaw, pesquisadora de estudos de gênero e raça, é “a visão de que mulheres experimentam a opressão em configurações variadas e em diferentes graus de intensidade. Exemplos: raça, gênero, classe, capacidades físicas/mentais e etnia.”

Liberal
O nome deriva das intenções econômicas e sociais. As liberais acreditam que igualdade de gênero só se atinge por meio de reformas políticas, legais e econômicas. Incorporar os homens ao movimento não só é permitido como é incentivado.

Negro
Surgiu na década de 1980 com o preceito de que a mulher negra é duplamente vítima, do machismo e do racismo. O movimento abarca pautas como a intolerância religiosa, o extermínio de jovens negras e negros e o academicismo feminista, que deixa o debate pouco acessível.

Radical
É o tipo mais complexo, cheio de diferentes correntes dentro de si. Conhecidas como radfem, elas se definem assim por se conectarem à raiz das questões (a palavra “radical” vem de “raiz”). Redistribuição de papéis socioeconômicos, exclusão de homens e transexuais do movimento e abolição da prostituição e da pornografia são algumas das lutas dessa vertente.

Socialista
O vilão a ser combatido é o capital, pois é ele que impede a igualdade de oportunidades. Para elas, o capitalismo alimenta uma situação econômica em que as mulheres dependem economicamente dos homens, sempre mais inseridos na lógica do mercado.

BE-A-BÁ FEMINISTA

O ambiente digital popularizou verbetes que ajudam na compreensão das causas. Mas você sabe o que eles significam?

Bropriating
Apropriação de algo por um homem (do inglês “bro”, irmão + “appropriating”, apropriação). Usado quando um homem se apropria de uma
ideia levantada por uma mulher.

Empoderamento
Tomada de poder do indivíduo, o resgate de sua dignidade e o reconhecimento de sua importância. “Empoderar-se” é o ato de adquirir poder. Quando trazido para o âmbito feminista, é adquirir poder como mulher. O termo, um dos mais procurados no Google em 2016, foi criado pelo educador Paulo Freire, que se inspirou em empowerment (“fortalecimento”, em inglês).

Feminicídio
Crime de ódio contra mulheres e meninas em função do menosprezo à condição feminina. O termo jurídico, um agravante penal ao crime de homicídio, foi difundido pela escritora sul-africana Diana E.H. Russell (“femicide”, em inglês).

Gaslighting
Prática do homem que convence uma mulher de que ela não está com o domínio da razão (o famigerado “você está louca!”), algo comum em relacionamentos abusivos. O termo foi retirado do filme Gaslight (À Meia Luz, no Brasil), de 1944. Nele, um homem convence a esposa (Ingrid Bergman, que ganhou o Oscar pelo papel) de que ela está insana, para tomar sua fortuna.

Mansplaining
Prática de homens que se dedicam a explicar algo a mulheres de forma condescendente e sem serem solicitados. O termo, que vem de “man” + “explaining” (“explicando”), tem origem incerta. Alguns atribuem à escritora Rebecca Solnit, autora de Os Homens Explicam Tudo para Mim.

Manspreading
Do inglês “man” (“homem”) + “spreading” (“espalhando”), é o hábito de um homem que ocupa um espaço desproporcionalmente maior, com as pernas exageradamente abertas, em locais públicos, especialmente em meios de transporte. O termo surgiu em 2014 em um blog dos EUA. No mesmo ano, o metrô de Nova York passou a alertar os passageiros a fecharem as pernas.

Manterrupting
Do inglês “man” + “interrupting” (“interrompendo”). Ou seja, homens que interrompem. É um comportamento comum em reuniões, quando uma mulher tenta concluir um argumento e um homem a interrompe para explicar. Surgiu no artigo “How Not to Be ‘Manterrupted’ in Meetings”, publicado na revista Time em 2015.

Patriarcado
Modelo sociopolítico em que o gênero masculino e a heterossexualidade exercem supremacia e poder sobre os demais.

Objetificação
Reduzir uma pessoa à condição de coisa. Na sociedade patriarcal, é usado para tratar a mulher como objeto sexual, limitando-a aos seus atributos físicos.

Sororidade
União entre as mulheres, em que prevalece a ideia de respeitar, ouvir e dar voz a todas, mesmo quando não há concordância. Trata-se de estreitar os elos femininos e fortalecer a empatia para dar força e organização ao movimento. É o preceito básico da luta, pois ele parte de um ambiente feminino e feminista. Ele serve também para combater a ideia de que mulheres são rivais. O termo vem do latim soror, que significa “irmã”. Nos EUA, sororities são organizações sociais em universidades compostas só de mulheres. (Fonte)

Fonte: https://www.portalraizes.com/livros-feministas/


Block

VISITE NOSSA LOJA
FORTALEÇA NOSSO PROJETO

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

Capa Andarilhos 4


 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes