Procura
Fechar esta caixa de pesquisa.

Indígenas se mobilizam em todo Brasil contra o Marco Temporal

Indígenas se mobilizam em todo contra o

Cerca de 2 mil indígenas são esperados em Brasília, onde está previsto para ocorrer o julgamento sobre o tema no STF ainda esta semana.

de diversas partes do Brasil iniciam nesta segunda-feira (5), dia do , uma mobilização contra o Marco Temporal. Em Brasília, são esperados cerca de 2 mil indígenas até a quarta-feira (7), quando está prevista a retomada do julgamento sobre o tema no Supremo Tribunal Federal (STF).

A data do início das manifestações foi escolhida não só pela proximidade do julgamento no STF, mas também porque hoje completa um ano da morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, assassinados na Terra Indígena do Vale do Javari, a segunda maior do Brasil.

Além disso, os atos ganharam força com a aprovação, pela Câmara dos Deputados, na semana passada, do Projeto de Lei 490/2007, que fixa a tese do Marco Temporal e abre para exploração os territórios indígenas, entre outros retrocessos. O PL agora vai ser analisado pelo Senado, onde ganhou o número 2903/2023.

Em coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) informou que representantes do movimento indígena já fizeram uma primeira reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), para tratar do assunto.

“Faz parte de nossa estratégia política e jurídica a interlocução [com parlamentares] para tentar vencer e eliminar esse PL dentro do Congresso ainda. Vamos tentar ao máximo protelar a tramitação dele. Só para lembrar, o PL 490 ficou na Câmara durante 15 anos, ele é de 2007, e boa parte desse tempo foi por estratégia do movimento indígena, dos parceiros e dos parlamentares aliados. Vamos continuar com essa estratégia no Senado”, disse o indígena Kleber Karipuna, representante da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), que integra a Apib.

acampamento marco temporal mcamgo abr 05062023 8 scaled 1
Povos indígenas de diversas etnias montam acampamento em Brasília para mobilização contra o Marco Temporal. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Estratégia geral

Apesar da interlocução com o Congresso, durante o 19ª Acampamento Terra Livre, que acontece em Brasília nos próximos três dias, a estratégia geral do movimento será a votação no STF.

O julgamento no Supremo trata de um ação possessória envolvendo o governo do estado de Santa Catarina e a Terra Indígena Ibirama-Laklãnõ, uma área de cerca de 15 mil hectares que ainda não foi homologada devido a essa disputa entre estado e . A ação, aberta pelo governo catarinense, se baseia na tese de que só tem direito à das terras os povos que estivessem em sua posse no dia 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição.

A decisão a ser tomada pelo STF é importante porque ela terá status de repercussão geral, isto é, servirá de diretriz para todos os processos de demarcação de no país.

Até o momento, votaram apenas dois ministros: Nunes Marques, favorável ao Marco Temporal, e o ministro relator Luiz Edson Fachin, que votou contra a tese. O julgamento foi paralisado após pedido de vista – mais tempo para analisar o caso – do ministro Alexandre de Moraes. Ainda faltam os votos de oito ministros.

“Queremos dar um recado para os ministros [do STF], para a ministra Carmem Lúcia. Escute, os povos indígenas estão preocupados com o planeta, estão preocupados com você, com sua família. Alexandre de Moraes, faça seu papel como ministro, como juiz, aquele que defende a ordem e respeita o seu próximo. Roberto Lewandowski, faça seu papel como um homem sério. Os demais ministros, escutem os indígenas. Nós é que vamos manter vocês vivendo, porque vocês não entendem os segredos da natureza” , disse o indígena Kaorewyei Reginaldo Tapirapé, presidente da Coordenação de Organizações dos Povos Indígenas Apyãwa.

As mobilizações foram convocadas pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e suas sete organizações regionais: Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME), Articulação dos Povos Indígenas do Sudeste (ARPINSUDESTE), Articulação dos Povos Indígenas da Região Sul (Arpin Sul), Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), Conselho do Povo Terena, Comissão Guarani Yvyrupa (CGY) Grande Assembléia do (ATY GUASU).

Cristiane Prizibisczki  Jornalista. Fonte: O Eco. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil. Este artigo não representa a opinião da Revista e é de responsabilidade do autor.

[smartslider3 slider=43]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA