Inhotim: Arte e natureza

Inhotim: Arte e natureza

Pessoas de toda parte chegam a Brumadinho, cidadezinha de cerca de 35 mil habitantes, na região metropolitana de Belo Horizonte, Quadrilátero Ferrífero, atraídas por um novo conceito: um museu onde natureza e arte se juntam para possibilitar a imersão das pessoas num mundo de riqueza cultural e ambiental ímpar…

Por Lúcia Resende

O Instituto Inhotim é um complexo museológico onde tudo coexiste sem apartação. Gente, arte e natureza, tudo em sintonia, tudo muito junto e muito misturado. E bem ali, entre as montanhas das Minas Gerais, onde outrora outro tipo de riqueza produziu separação, espoliação e estranhamento.

OUTRA RIQUEZA

shutterstock_191821928

Mais de 500 obras produzidas por artistas de diferentes partes do mundo, refletindo de forma atual sobre as questões da contemporaneidade, se espalham nos diversos pavilhões, nas galerias e em áreas abertas, num cenário deslumbrante de jardins, lagos, montanhas e vales. Há, em Inhotim, obras criadas especialmente para morarem ali, para encantarem e surpreenderem, num local que já gerou decepção aos “desbravadores” de um sertão onde se buscava a esmeralda, verde objeto do desejo para os dedos e pescoços das moçoilas e donzelas de então, que ainda hoje faz brilhar olhos e minar bolsos salões afora.

Hoje, entretanto, a riqueza abrigada naquele espaço é de muito mais valia, de muito mais valor. Trata-se da produção e disseminação da cultura humana e da preservação ambiental, atreladas, para constituir possibilidade indiscutível de existência séculos adiante.

Em Inhotim é possível percorrer e admirar jardins, muitos deles concebidos por Burle Marx, além de pedaços de floresta, de ambientes rurais. Em cada parte, pode-se encontrar, à espreita, uma obra de arte. Ali, é possível sentir cheiros e sabores, ouvir animais, ver cores e viver amores.

Com novos projetos inaugurados periodicamente, incluindo obras criadas especialmente para o local e recortes monográficos e temáticos do acervo, Inhotim é a única instituição brasileira que exibe continuamente um acervo de excelência internacional de arte contemporânea.

JARDIM BOTÂNICO

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

shutter1Campo de estudos ou de mera contemplação, o Jardim Botânico Inhotim (JBI), abriga aproximadamente 5 mil espécies, 181 famílias botânicas, 953 gêneros, o que representa mais de 28% das espécies conhecidas do Planeta. Isso representa a maior coleção em número de espécies de plantas vivas entre os jardins botânicos brasileiros.

Ali está uma das mais relevantes coleções de palmeiras do mundo, com aproximadamente 1,4 mil espécies. E também a coleção de Arecaceae, família que inclui imbés, antúrios e copos-de-leite, com cerca de 450 espécies, a maior da América Latina. E, ainda, mais de 330 espécies de orquídeas para fascinar quem tem a sorte de deparar com suas flores, sempre motivos de fascínio e encanto. E muito mais.

No paisagismo do JBI encontram-se também espécies ameaçadas e plantas pouco conhecidas, estratégia utilizada para divulgar e sensibilizar os visitantes sobre a importância da biodiversidade vegetal para a sobrevivência humana.

LINHA DO TEMPO

  • 1980 – idealização, pelo empresário Bernardo Paz.
  • 2002 – fundação do Instituto Cultural Inhotim, instituição sem fins lucrativos, destinada à conservação, exposição e produção de trabalhos contemporâneos de arte e que desenvolve ações educativas e sociais.
  • 2005 – início das visitas pré-agendadas das escolas da região e de grupos específicos.
  • 2006 – abertura ao grande público em dias regulares e com estrutura completa para visitação.
  • 2007 – criação da Diretoria de Inclusão e Cidadania, voltada para o desenvolvimento regional.
  • 2008 – reconhecimento como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) pelo governo de Minas Gerais.
  • 2009 – reconhecimento da condição de Oscip pelo governo federal.
  • 2010 – recebimento do título de Jardim Botânico pela Comissão Nacional de Jardins Botânicos  (CNJB).

COMO CHEGAR

Partindo de Belo Horizonte, são cerca de 60 km, por três caminhos:

  1. Pela BR-381, em direção a Betim, depois da barreira da Polícia Rodoviária Federal, entrar à direita na marginal que leva à cidade de Brumadinho (trecho sinalizado).
  2. Pela BR-040, saída para o Rio de Janeiro, após o trevo de Ouro Preto, entrar à direita, na Serra da Moeda.
  3. Pela BR0-40, saída para o Rio de Janeiro, virar à direita no Posto Chefão, Parque Rola Moça (km 547).

Contato:

Telefone: +55 31 3571-9700
E-mail: info@inhotim.org.br
Endereço: Rua B, 20, Brumadinho – MG – Brasil – CEP 35 460-000
Fonte: www.inhotim.org.br

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora