Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.
Inominável retoma escalada golpista

Inominável retoma escalada golpista

Inominável retoma  escalada golpista

Ainda não se sabe ao certo o que motivou o presidente Jair Bolsonaro a desmobilizar, em 8 de setembro, a escalada golpista que culminou com as manifestações antidemocráticas da véspera, com foco em ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF)…

Por Márcio Santilli

De repente, Bolsonaro chamou o ex-presidente Michel Temer a Brasília para mediar uma conversa com o ministro Alexandre de Morais e divulgar uma “Carta à Nação“, desculpando-se por excessos e jurando respeito ao STF.

santilli1

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O boato que rolou na época foi de que seria iminente a prisão do seu filho 03, Carlos Bolsonaro, que liderava a enxurrada de fake news da propaganda presidencial. A versão estranha supunha, implicitamente, que Moraes o pouparia da prisão em troca de um comportamento mais respeitoso do presidente em relação aos demais poderes. O que teria sido uma barganha indecorosa.

Porém, na semana passada, o senador Flávio Bolsonaro acrescentou um elemento importante na história, dizendo que auxiliares pressionavam pelo golpe: “Todo mundo estava acreditando que o presidente iria causar uma ruptura institucional. Aliás, muita gente queria e ele, na sua sabedoria, não o fez, pelo bem do Brasil”. Atribui-se a expressão “muita gente” aos militares que ainda cercam Bolsonaro. Se assim foi, é provável que os ministros do STF e o Temer soubessem que o próprio presidente teria a sua prisão decretada caso alguma ação golpista se efetivasse.

Trégua efêmera

O conluio ou recuo de Bolsonaro em relação ao STF durou três meses. Em 3/12, Moraes acolheu um pedido da CPI da covid e instaurou mais um inquérito para apurar a responsabilidade do presidente por ter afirmado, numa live, que as pessoas imunizadas contra a doença se tornavam mais vulneráveis à AIDS. Bolsonaro então chutou o balde, dizendo que Moraes estava “jogando fora das quatro linhas do campo” e ameaçou reagir dessa forma.

Um novo confronto ocorreu na semana passada, quando o ministro Luís Roberto Barroso determinou a exigência do “passaporte de vacinação” para quem entra e sai do país, contrariando a opinião do presidente, que o acusou de invadir competências do Poder Executivo.

santilli2

Foto: Reprodução

Na mesma semana, Bolsonaro partiu para cima do ministro Edson Fachin, sem que tivesse havido qualquer andamento no julgamento do marco temporal – a ação que pretende excluir do direito à demarcação das suas terras as comunidades indígenas que não as estivessem ocupando na data da promulgação da Constituição. O presidente tachou o ministro de “trotskista”, por ter rejeitado a ação e preservado os direitos indígenas, e disse que terá que “tomar providências” caso a maioria do STF acompanhe o seu voto na continuidade do julgamento.

Apesar de ter emplacado o segundo nome indicado para ministro do STF, o “terrivelmente evangélico” André Mendonça, funcionários do alto escalão do Planalto informaram à Veja que Bolsonaro prepara novos ataques ao tribunal para os próximos dias. Segundo eles, seria uma estratégia voltada para a campanha eleitoral e não para um golpe de estado. Ou seja: o reinício da escalada de confrontos responderia mais à sua queda nas pesquisas de intenção votos do que, propriamente, a uma campanha golpista. Mas há controvérsias.

Lexotan

O descompromisso de Bolsonaro com o regime democrático e com a Constituição de 88 é público e notório. O surto de sabedoria em 8 de setembro, alegado pelo senador Flávio, se levado a sério, deveria reconhecer a ignorância que marcou a atuação presidencial por meses a fio, até aquela data. Não há qualquer garantia de que a retomada dos ataques ao STF, em especial aos ministros que estarão à frente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), se limitará à propaganda política.

santilli3

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Foi nesse clima que o general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional, fez vazar o seu discurso em recente formatura de agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin): “Temos um dos Poderes que resolveu assumir uma hegemonia que não lhe pertence, não é… não pode fazer isso, está tentando esticar a corda até arrebentar. Nós estamos assistindo a isso diariamente, principalmente da parte de dois ou três ministros do STF. E que eu, particularmente, que sou o responsável, entre aspas, por manter o presidente informado… eu tenho que tomar dois Lexotan na veia por dia para não levar o presidente a tomar uma atitude mais drástica em relação às atitudes que são tomadas por esse STF que está aí.”

Heleno deve ser um dos auxiliares que Flávio agora acusa de induzir Bolsonaro ao golpe. Sua crescente dependência do Lexotan também pode estar associada às recentes pesquisas eleitorais, que indicam uma provável vitória do Lula no primeiro turno das eleições presidenciais e informam que a rejeição ao presidente já alcança 60% dos eleitores, o dobro da relativa aos demais concorrentes. Embora ele mantenha em torno de 30% das preferências, concorrentes à direita, como Sérgio Moro, podem desidratá-las. Ainda faltam 10 meses para as eleições, mas essa situação de fragilidade é inédita para um presidente candidato à reeleição.

A retomada do confronto com o STF não reverte a baixa preferência pela candidatura do presidente e mais parece orientada para deslegitimar a autoridade eleitoral. Assim, chegamos ao final de 2021 com essa dúvida atroz: se permanecer evidente uma fragorosa derrota em 2022, a que aventuras pretendem nos levar Bolsonaro, Heleno et caterva, para além das quatro linhas do gramado? Não houve, não há e cada vez menos condições haverá, internas e externas, para o golpismo prosperar, mas pode ser que a loucura deles, aflita, escolha um final que lhes pareça menos indigno do que a rejeição popular definitiva.

[smartslider3 slider=25]
[smartslider3 slider=43]
 
 

Visualizações: 0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA