Pesquisar
Close this search box.

Lilith: A feminista primeira…

Lilith: A feminista primeira… e o desafio histórico-cultural recorrente à figura masculina de criação e seu culto (do cristão ao pagão).

Por Iêda Vilas-Bôas – Reinaldo Filho Vilas Boas Bueno

Confusamente, o livro mais antigo do mundo coloca a primeira mulher do Paraíso em páginas arrancadas e frases inacabadas. Mas sua face é plural: em diversas culturas, foi vista como a Deusa-Mãe, como Gaia, como a primeira esposa do Deus vigente, também era vista como um demônio, no sentido anticristão. Era o polo feminino do Paraíso.

Trazia forjado, em si, um temperamento rebelde e nada submisso, que desafia, desde sua criação do barro, à figura masculina que pregava a criação pela luz. Recusou-se a se deitar com Adão de forma submissa e desafiou o próprio Criador falando em alta voz seu real nome; criando-se alada e abandonando o que seria o Paraíso – razão para Deus ter criado Eva como parte carnalmente complementar a Adão, e não igualitária, do próprio barro.

Ou, em outras histórias mais, e dizem os babilônicos que, por não aceitar a presença de Eva, ela se retirou e criou um paraíso paralelo. Um lugar cheio de vida, de seres naturais e sobrenaturais, de verde, de matas e rios, e passou a ser chamada como mãe de todos: a deusa do sagrado feminino e da fertilidade. A que se apoderou da luz divina. Mas, contos e contos depois, com o correr dos tempos se tornou tão sagrada que tomou a ressignificação e identificação com o poder e a independência feminina em vez das suas atribuições originais. Para a Deusa, a força lunar: de encher, inovar, minguar, crescer ou até escurecer.

Lilith pode ser conhecida por várias denominações: Lili, Lilu e Lilith. Sincretizada também como Ísis no Egito, Astarte em Canaã, Dianna em Roma, e por aí segue o sagrado multifacetado feminino. Seus primeiros registros vieram da Suméria e da Babilônia. Temos registro da famosa imagem de Lilith com pés de coruja e asas que vem desse período babilônico. A estátua é de 2004 a.C. até 1750 a.C e engloba o governo do famoso imperador Hamurabi, criador do primeiro código de leis de que temos notícia. A figura foi identificada com Lilith com base em textos e outras obras do período.

A deusa Lilith foi simbolizada com elementos como a coruja e com uma coroa, símbolo visível de seres divinos ou demoníacos. Ainda não havia essa classificação do bem e do mal que nos legou o Cristianismo. Naquele tempo, alguns ainda tinham a crença de que seria divino por então existir uma relação de equilíbrio entre as ações desses seres, e que um não vigora sem o outro. De forma que acabaram, por estarem numa região desértica, colocando Lilith como uma das representações demoníacas do deserto, relacionada à morte.

A fama de Lilith permanecia. Para uns, a mãe, a sementeira, a dona da vida; para outros, demoníaca e perigosa, a devoradora de vidas. Sua fama correu longe, pois entre 400 d.C e 800 d.C., coincidindo com o período de islamização da região, o que mostra que mesmo mil anos depois, a crença nesses seres ainda era corrente, foi encontrada uma série de tigelas, provavelmente de uso mágico, com desenhos e orações inscritos, com representações de Lilith e que, certamente, eram usadas para afastá-la.

Essas ideias do mal que habitam o deserto influenciaram a visão judaica de Lilith, que depois povoou a mente dos cristãos na Idade Média. Não existem referências claras a Lilith nem na Bíblia nem no Torah, mas ela é citada em alguns trechos do Talmud, que reunia o conjunto das Leis Judaicas sob o aspecto da ética e teologia e influenciaram o judaísmo rabínico na Europa.

No Talmud, segundo consta em pesquisas, é onde aparecem as citações da primeira mulher como uma criação direta de Deus, assim como Adão, que depois seria expulsa do Jardim do Éden (seria a própria serpente, alada, depois de corromper o casal criado de barro e costela, tomando suas asas para voar até o Mar Vermelho) e se tornaria uma pária.

No Zohar, um importante texto cabalístico hebreu apoia essa ideia e cita Lilith como a criação humana, juntamente de Adão, com o mesmo valor e importância. O livro chamado O Alfabeto de Ben-Sirá, de tom satírico, produzido por rabinos e intelectuais judeus, cita Lilith oficialmente por não querer ser submissa a Adão, inclusive ao ficar por baixo na posição sexual.

É claro que os machistas veteranos e aspirantes dão à fuga de Lilith do Paraíso como uma piada e advertência: ao se recusar a cumprir ordens masculinas, a mulher deveria sofrer o exílio e a humilhação. Infelizmente, ainda há uma réstia desse pensamento enraizado na cabeça de muita gente por aqui e aí; Entretanto, a cultura letrada da Idade Média e dos séculos seguintes, cultuaram a ideia da Lilith como a primeira mulher, uma mulher decidida, forte e corajosa, nossa primeira feminista.

São muitas histórias a respeito da luta de Lilith contra o patriarcado e machismo imposto por Deus, Adão, Abrahão e muito também foi poetizado e romantizado a respeito da deusa Lilith como forma do empoderamento feminino nos antros sagrados. Lilith é a metáfora mais antiga e ainda assim mais clara do poder, e poder se empoderar do feminino, e representa o fortalecimento dos direitos das mulheres de desenvolver a equidade de gênero, pensando no equilíbrio cósmico que necessita do polo passivo e do polo ativo.

Nos anos 1960, com a influência dos movimentos feministas, a figura de Lilith e seu papel foram revistos por parte das mulheres da comunidade judaica. Finalmente a deusa Lilith começa a ser entendida e respeitada como um símbolo de luta contra o patriarcado e sua imagem de subversão feminina passa a ter muita influência no universo feminino. Também se apropriam do mito os movimentos neopagãos em oposição aos dogmas do cristianismo.

Para estudiosos e teólogos, a mulher era vista como o homem incompleto, por ter órgãos genitais internos, pela gravidez, pela amamentação, pela menstruação. Enfim, a mulher era e ainda é um mistério, para alguns essa incompletude da mulher a colocava na condição de ser um homem defeituoso. Muitos não consideram e talvez nunca considerem que a mulher é plena em si mesma, perfeita enquanto ser. Essa é a maior virtude de Lilith: ressaltar a plenitude feminina, mostrar que o sagrado feminino é indivisível, é uno e completo em suas diferenças. Independente.

Entendemos e apoiamos que, a despeito do que religiões judaico-cristãs dizem, Lilith é uma deusa que representa a força feminina e tem poder sobre os ventos, as tempestades, a escuridão, a sedução, a vida. Ela representa a mulher livre, de opinião formada em suas experiências e raízes, que não se limita a hábitos e atitudes convencionais.

Lilith não se sujeita às expectativas sociais. Dona de si, liberta como libélula voando depois de breve chuva, vive de acordo com os seus desejos mais exóticos e exuberantes. Lilith até mesmo no escuro, por ser coruja, traz consigo a inteligência da raposa e a tenacidade e poder de adaptação da serpente. É coração: sentimento que se opõe à força, que também machista, é devida e dada ao homem.

Lilith não é feroz feminista, ela não faz exclusão do masculino. Sem preconceitos, cuida de despertar na consciência humana a importância do amor, em suas mais variadas formas. Para a deusa toda forma de vida faz parte de um todo, inclusive o ser humano, homem e mulher, que transmutam energias. Todas as mulheres podem ter a proteção dessa deusa e também os homens, pois a feminilidade está na alma – é natural.

Normalmente, dizem que todos os protegidos por Lilith são pessoas bonitas e atraentes, porém, estamos tratando de um terreno fluídico, onde a beleza física é um atributo carnal e não espiritual. A verdadeira essência de Lilith nos traz o resgate da consciência espiritual que nos reconecta com o sagrado feminino (um ser completo e único), envolvendo-nos numa atmosfera de amor, equilíbrio, independência e transcendência!

Salve, Deusa Lilith!

Iêda Vilas-Bôas – Escritora. Reinaldo Filho Vilas Boas Bueno – Escritor.

Publicado originalmente em 1 de dezembro de 2021


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes