Pesquisar
Close this search box.

Luto no Zoim: da religiosidade popular ao autoritarismo da classe dominante

Luto no Zoim: da religiosidade popular ao autoritarismo da classe dominante

O pacato vilarejo de Olhos D’Água começou a ser ocupado entre os anos de 1910 e 1940. Inicialmente habitavam por aqui os povos originários. Depois surgiram os povos remanescentes de quilombos e proprietários de terras.

Por Iolanda Rocha

A história de Olhos D’Água começou humildemente com uma promessa. Pessoas que foram escravizadas e que habitavam esta região ficaram sabendo que estava surgindo a ideia da volta da escravidão no início do século XX. Diante da tal brutalidade possível, uma senhora ex-escravizada fez uma promessa a Santo Antônio de Pádua que, se caso não voltasse a escravidão, ela construiria uma capela para Santo Antônio.

Daí começou a devoção. Um fazendeiro da região doou umas terras para a construção da capela e posteriormente de uma igreja. O vilarejo foi crescendo e desmembrado do município de Corumbá GO, quando foi emancipado com o nome da cidade de Santo Antônio do Olho D’Água.

O tormento de Olhos D’Água começou com a mudança da capital do Brasil, do Rio de Janeiro para o Planalto Central. Dada a ganância e a vaidade, uma família de fazendeiros da região resolveu roubar o título de cidade emancipada e levar a sede do município para as margens da rodovia que ligava Goiânia a Brasília no início dos anos 60. A cidade passou a se chamar Alexânia.

Esta foi a primeira tentativa de destruição de Olhos D’água.

No início da década de 1970, a professora da Universidade de Brasília, Laís Aderne, juntamente com o seu esposo, professor Armando, que ainda reside em Olhos D’água, chegaram ao vilarejo e perceberam a triste situação de escassez, fome e abandono do poder público, representado pela prefeitura de Alexânia e pelo estado de Goiás.

O casal começou a se reunir com moradores da região em 1973 para pensar uma forma de melhorar a economia local. Surgiram vários artesãos organizados e começaram a ensinar para os mais jovens, e trabalhadores rurais apresentavam muitas iguarias da região a partir dos frutos do Cerrado e das colheitas da roça.

Em diálogo com a professora Laís Aderne, decidiram criar uma feira para escoar a mercadoria produzida. A professora Laís sugeriu a criação da primeira FEIRA DO TROCA para o ano seguinte, 1974.

Várias pessoas conhecidas de Brasília foram convidadas para conhecerem os produtos e trazerem os objetos como roupas, calçados, utensílios domésticos, entre outros, para trocarem em Olhos D’água. Nesse momento o pequeno vilarejo passou a ser conhecido. Portanto, a ideia da Feira do Troca surgiu há cinquenta anos.

Neste ano de 2023, foi realizada a 97ª FEIRA DO TROCA. A partir da primeira Feira do Troca em 1974 ficou definido que deveria acontecer duas edições por ano, na praça principal de Olhos d’Água. E que seria nos primeiros finais de semana dos meses de junho e dezembro.

Para surpresa da comunidade local, a prefeitura de Alexânia, juntamente com a paróquia do município e a diocese de Anápolis, resolveram destruir a cultura, a história e a economia de Olhos D’Água pela segunda vez. Alegaram que a Feira do Troca não podia mais acontecer na praça da igreja de Santo Antônio, porque esta era uma festa profana e que não estava de acordo com os valores cristãos. Para agravar a situação do pacato vilarejo, a igreja solicitou a derrubada de árvores extremamente importantes do bioma Cerrado, como um frondoso pé de Jatobá, para a construção de calçadas em volta da praça.

A tristeza da população foi imensa com a agressividade às árvores, justamente em um momento crítico de discussões mundiais sobre as mudanças climáticas e o aumento do desmatamento do bioma Cerrado.

A paróquia de Alexânia, representada pelo padre Cleyton Francisco Garcia, conseguiu dividir a comunidade, muitos membros da igreja local. O mais grave desta situação é que o Padre Cleyton, não satisfeito com a derrubada do coreto da praça, a retirada da feirinha de sábado, a destruição das árvores, a proibição da Feira do Troca na praça, juntou-se com o prefeito Allysson Silva Lima e solicitaram a presença da polícia militar do estado de Goiás para dar segurança às suas atrocidades.

Logo depois que ocorreu a feira de junho, a comunidade foi surpreendida com informações, veiculadas em vídeo da transmissão da missa em Alexânia, que não deveria mais ser realizada a Feira do Troca na Praça da igreja.

Depois de anunciada a notícia, a comunidade local se mobilizou para tentar impedir a retirada da Feira do Troca da praça. Várias reuniões ocorreram com representantes da prefeitura, do Ministério Público e também do IPHAM – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, onde foi dada a entrada no processo de tombamento da Praça principal de Olhos D’Água.

O pacato vilarejo deixou de ter paz e passou a encarar uma “guerra santa” onde moradores da cidade de Alexânia foram convidados a participar de atividades religiosas no local e a disputar um terreno religioso em Olhos D’água, que dizem ser uma cidade do Senhor Jesus. Imagino que Jesus Cristo, o dos evangelhos, está ao lado do povo camponês, dos artesãos, marceneiros e do povo simples do interior.

No dia dois de dezembro, véspera da 97ª Feira do Troca, a polícia do Estado foi chamada pela paróquia de Alexânia para dar segurança ao padre, que temia haver algum protesto devido à proibição da Feira na praça da igreja.

Alguns atos e cortejos ocorreram pacificamente durante o dia. No início da noite a Polícia Militar proibiu qualquer atividade na praça principal. Algumas pessoas se indignaram e não aceitaram o autoritarismo. Diante disso, a polícia usou spray de pimenta para dispersar as aglomerações e levou arbitrariamente uma trabalhadora presa, a qual tentava trabalhar em um estabelecimento na praça da igreja.

A Feira do Troca significa para a comunidade, artesãos, comerciantes, donos de pousadas e trabalhadores em geral, um momento para circulação da economia local. Além da preservação da cultura e da história.

O evento que ocorre duas vezes por ano e tem sido fundamental para garantir a sustentabilidade econômica das pessoas que vivem por aqui. Espera-se que avance o processo de tombamento da praça e que a Feira do Troca volte a acontecer no local onde sempre aconteceu: na praça principal de Olhos D’Água. E como lema para a luta a comunidade escolheu a palavra de ordem: A PRAÇA É DO POVO COMO O CÉU DOS PASSARINHOS.

 

HORA DA PARTIDA

Por Iolanda Rocha

O vilarejo dorme.

Entre lágrimas e mágoas,

passarinhos noturnos

enterram simbolicamente a sua Maria Preta.

Os olhos se enchem de água…

coração partido,

no silêncio, um gemido,

um adeus às irmãs árvores

que tombaram, pela insensibilidade

e ganância dos demônios,

que não sentem dor,

que preferem ignorar e, sem amor,

esquecem que na morte de um, de uma,

morreu um pouco de cada qual de nós.

A Praça, ai, a Praça, como dói…

a Praça de Olhos D´Água

tem cheiro de chuva e orvalho de dor.

Jatobá, Maria Preta…

Adeus, partam em paz,

mas que fique conosco a indignação.

Que façamos das lágrimas

um símbolo de luto, luta, ação,

e que não descanse

o nosso coração,

pela Praça, pela Feira, pelas árvores, pelos passarinhos,

pelo aconchego de quem chora e luta

por uma vida que tenha vida.

Adeus, Adeus,

Chegou a hora da partida.

 

Iolanda Rocha – Educadora. Socioambientalista. Conselheira da Revista Xapuri. Foto de capa: Iolanda Rocha.

 
 
 
 
 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes

×