Pesquisar
Close this search box.
Malícia Branca: como a CIA estrangulou a independência africana no berço

Malícia Branca: como a CIA estrangulou a independência africana no berço

Malícia Branca: como a CIA estrangulou a independência africana no berço

A historiadora Susan Williams cresceu na Zâmbia. Como outros estudiosos de sua geração criados em antigas sociedades de colonos do sul da África, ela simpatiza com as pessoas do continente…

Traduzido por Cezar Xavier/ via Portal vermelho

O novo livro amplamente reconhecido de Williams, White Malice – The CIA and the Neocolonisation of Africa , acrescenta ao seu histórico, testemunhando esse compromisso. Quase um relato forense, suas mais de 500 páginas (suportadas por cerca de 150 páginas de fontes, referências e índice) são tão legíveis quanto um romance de John le Carré .
Mas não se engane: Williams revela impiedosamente através de evidências factuais as maquinações desagradáveis ​​da Agência Central de Inteligência Americana (CIA) na África durante a Guerra Fria até o final dos anos 1960. Embora as análises acadêmicas dessa época tenham aumentado, a literatura se concentra principalmente em como os aspectos geoestratégicos tiveram impacto na política internacional. Em contraste, este é o primeiro relato detalhado que revela uma guerra suja ocidental por meio de citações detalhadas de documentos originais e pelos envolvidos.
Publicada em 2011, sua pesquisa investigativa intitulada Who Killed Hammarskjöld? A ONU, a Guerra Fria e a Supremacia Branca na África fizeram história. As evidências reforçaram as suspeitas de que o acidente de avião que matou o secretário-geral das Nações Unidas e 15 outros em 17 e 18 de setembro de 1961 perto de Ndola, na então Rodésia do Norte , não foi um acidente. Conforme atualizado continuamente pela filial de Westminster da Associação das Nações Unidas , as divulgações desencadearam novas investigações pela ONU.
Em 2016, Williams publicou Spies in the Congo: The Race for the Ore that Built the Atomic Bomb . O foco estava em Shinkolobwe , a maior mina de urânio do mundo, na província congolesa de Katanga. De crucial importância geoestratégica, na década de 1940 forneceu o Projeto Manhattan , que produziu as primeiras bombas atômicas, que devastaram Hiroshima e Nagasaki. Shinkolobwe permaneceu o principal recurso no armamento nuclear americano da década de 1950.

Malícia Branca

O novo livro de Williams parece o terceiro de uma trilogia. Seu título, White Malice, captura a arrogância racista do poder, desestabilizando sem escrúpulos e (re-)ganhando o controle sobre estados soberanos como uma forma de colonialismo por outros meios.
Não por acaso, o livro revisita as circunstâncias da morte de Hammarskjöld e a relevância de Katanga . Mais espaço é dedicado a um relato passo a passo que leva à eliminação de Patrice Lumumba , o primeiro primeiro-ministro de um Congo independente.
Outro foco importante é em Gana desde a independência em 1957 . Documentando o papel continental do presidente Kwame Nkrumah , explica por que e como ele foi removido do cargo. Seu papel na promoção do pan-africanismo foi equiparado a uma atitude antiocidental.
Tudo isso está ligado às intervenções da CIA e seu antecessor, o Office for Strategic Services , muitas vezes em conluio com o MI6 britânico . As contas detalhadas oferecem insights sobre as operações secretas. A exibição de mentalidades e suas consequências não requerem teoria ou comentário analítico. Os fatos falam por si.
Ambas as agências compartilharam o acesso às mensagens criptografadas usadas em comunicação confidencial por Hammarskjöld e outros funcionários de alto escalão da ONU. Conforme citado por Williams (p. 290), a CIA celebrou isso como “o golpe de inteligência do século”.
O Reino Unido e os EUA ainda não divulgaram informações privilegiadas sobre as mortes de Hammarskjöld e sua comitiva. Seus agentes secretos também estavam envolvidos nas deliberações para matar Lumumba. Embora eles não estivessem participando diretamente de seu sequestro, tortura e execução em Katanga, isso se adequava à agenda deles.

 

Nkrumah teve mais sorte. Uma visita de Estado a Pequim salvou-lhe a vida, quando na sua ausência ocorreu o golpe militar . Nelson Mandela também foi “poupado” por ficar preso durante a maior parte dos próximos 30 anos. Sua prisão na África do Sul em 1962 sob a Lei de Supressão do Comunismo foi baseada em informações fornecidas pela CIA (p. 474).

Mentalidade ocidental

Williams cita (p. 77) um agente de alto escalão da CIA para ilustrar a mentalidade ocidental geral. Ele declarou em 1957:

A África tornou-se o verdadeiro campo de batalha e o próximo campo do grande teste de força – não apenas para o mundo livre e o mundo comunista, mas para nosso próprio país e nossos aliados que são potências colonialistas.

A estratégia incluía a substituição de líderes nacionalistas independentes por “grandes homens” – autocratas que baseavam seu poder no apoio ocidental, como Mobutu Sese Seko . Um histórico ou compromisso com a democracia e os direitos humanos não era um pré-requisito.
Em contraste, líderes como Sékou Touré , da Guiné, eram considerados inimigos. Defendendo um referendo rejeitando a dependência continuada da França, ele declarou em 1958 :

A Guiné prefere a pobreza em liberdade à riqueza na escravidão (p. 74).

Operações culturais

As operações da CIA não se limitavam a tramas que terminavam em força bruta. Alguns eram programas culturais, sem o conhecimento de muitos artistas e acadêmicos que receberam patrocínio da CIA.
Isso incluiu estipêndios para escritores sul-africanos no exílio, como Es’kia Mphahlele e Nat Nakasa , bem como o patrocínio de festivais e conferências culturais na África. Williams (p. 64) cita o futuro Prêmio Nobel Wole Soyinka , que depois de descobrir que havia recebido fundos da CIA sem saber, declarou :

estávamos jantando, e com prazer, com o original daquela encarnação serpentina, o próprio Diabo, brincando em nosso Jardim do Éden pós-colonial e devorando os frutos da Árvore do Conhecimento.

Em uma divulgação espetacular (pp. 324-331) Williams apresenta detalhes de concertos financiados pela CIA por Louis Armstrong , percorrendo 27 cidades africanas em 11 semanas no final de 1960. Isso incluiu um concerto em Elisabethville, a província separatista Katanga do Congo, em um época em que o fim de Lumumba estava próximo. De acordo com Willians :

Armstrong era basicamente um cavalo de Tróia para a CIA… Ele teria ficado horrorizado.

Fatos, não ficção

anticomunismo obsessivo dos EUA , que se intensificou na era do senador Joseph McCarthy, às vezes assumiu formas letais quando governos ou líderes foram considerados obstruindo os interesses ocidentais.
Um sentimento de culpa ou remorso permanece ausente. Mike Pompeo diz tudo. O então diretor da CIA de janeiro de 2017 a abril de 2018 e secretário de Estado de Donald Trump , “celebrou a imoralidade”, como comenta secamente Williams (p. 515). “Eu era o diretor da CIA”, reforçou Pompeo em um discurso citado em 2019:

Mentimos, trapaceamos, roubamos. Tivemos cursos de formação inteiros. Isso lembra a glória do experimento americano.

A história, ao contrário de John le Carré, definitivamente não é ficção. As operações da CIA, às vezes em colaboração com outras agências de inteligência ocidentais, buscavam uma agenda hegemônica com impacto duradouro.
Henning Melber é professor extraordinário, Departamento de Ciências Políticas, Universidade de Pretória
O post Malícia Branca: como a CIA estrangulou a independência africana no berço apareceu primeiro em Vermelho.

Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

revista 115
revista 113 e1714507157246
revista 112
Revista 111 jpg
Block
revista 115

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes