Pesquisar
Close this search box.

Marielle e o custo da coragem

Marielle e o custo da coragem

Por Carolina Maria Ruy

Lembrei-me do assassinato do estudante Edson Luís de Lima Souto, em 1968, que, embora tantas pessoas tenham morrido naquele período, tornou-se mártir de uma insurgência que veio depois. E também do José Martinez, sapateiro, cujo assassinato na greve geral de 1917 fomentou uma revolta que deu uma dimensão inesperada àquele movimento. Muitos trabalhadores e alguns policiais morreram na greve, mas o Martinez, a exemplo de Edson Luís, tornou-se símbolo. Ambos marcaram nossa história.

O fato de não ser só mais uma morte, mas a possibilidade de um ponto de virada, um evento catalisador, iguala Marielle, ao sapateiro e ao estudante. Considero, entretanto, que a execução da vereadora tem um sentido ainda mais amplo e mais complexo. Isso porque ela é mais do que a imagem de uma pessoa comum, gente como a gente. Ela dava voz a uma luta social em favor da igualdade e contra o sistema de privilégios citado acima. Por isso, muito provavelmente, foi assassinada. Foi assassinada porque não era apenas um indivíduo, era a voz de milhões. Seu assassinato representa, neste sentido, a defesa e a manutenção do sistema de privilégios citado acima.

Lembrei, então, de outro assassinato, que considero ainda mais semelhante ao de Marielle do que o dos jovens de 1917 e 1968. O assassinato da jornalista irlandesa Verônica Guerin, que conheci através do filme “O custo da coragem” (2003).

Verônica investigou a fundo a máfia e o tráfico de drogas em Dublin, capital da Irlanda, durante a década de 1990 e denunciou a ligação que alguns dos mais importantes gângsteres tinham com o IRA. Foi ameaçada e, por fim, executada com seis tiros , na estrada de Naas, arredores de Dublin, por dois jovens que a seguiam de moto, em plena luz do dia, em 1996.

Sua morte trágica não foi em vão. A população foi às ruas fazer protestos e os barões do tráfico tiveram seus bens confiscados e foram presos. Um ano depois do acontecido, os crimes caíram em mais de 50% na Irlanda.

Matar uma pessoa para calá-la é uma medida extrema com custo alto. No limite a ação demonstra que a pessoa calada, morta, estava no caminho certo. E pode acabar sendo um tiro no pé em casos em que a tragédia se torna um amplificador para uma voz que atingia apenas um raio determinado de mobilização.

É cedo para elucubrações. Estamos ainda atordoados com o choque dos acontecimentos. Mas penso que o caso de Marielle pode fomentar uma revolta capaz de gerar alguma uma transformação política que ao menos sinalize para a diminuição da violência, para a inclusão social dos fracos e oprimidos, valorização dos trabalhadores etc. Assim sua morte trágica não terá sido em vão.

Marielle e a jornalista Irlandesa Veronica Guerin, assassinada em 1996 (no alto). O sapateiro José Martinez (abaixo à esquerda) e o estudante Edson Luis alçados a mártires da greve de 1917 e da ditadura militar, respectivamente. Marielle e a jornalista Irlandesa Veronica Guerin, assassinada em 1996 (no alto). O sapateiro José Martinez (abaixo à esquerda) e o estudante Edson Luis alçados a mártires da greve de 1917 e da ditadura militar, respectivamente.

Fonte desta matéria, assinada por  Carolina Maria Ruy , coordenadora do Centro de Memória Sindical: Portal Vermelho  http://www.vermelho.org.br/noticia/308886-10


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15

E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!
COMPRE AQUI

Capa Lula a verdade 1

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes