Desculpa, Tizé! O desassossego/As furadas na pele/O senhor sempre tão calmo/Tão elegante!/Desculpa também/A não despedida./Não é minha culpa/Mas me desculpa?

Por Iêda Vilas-Boas

É daqui do meu Cerrado

Que sinto falta de asas

Queria voar

Ser beija/flor

Gavião

Sabiazinha medrosa

Paro de cantar

Seco com o espaldar das mãos

O choro contido

Ressentido

Dolorido

Desculpa, TiZé!

 

Os hospitais lotados

A falta de UTI

Desculpa a falta de ar

O ar que soprava farto

Na sua fazenda

Foi pouco esta manhã!

 

Desculpa, TiZé

O desassossego

As furadas na pele

O senhor sempre tão calmo

Tão elegante!

Desculpa também

A não despedida.

Não é minha culpa

Mas me desculpa?

 

Iêda Vilas-Bôas – Escritora, em memória e em homenagem do nosso amado tio José Vilas Bôas, de 84 anos de idade, levado pelo Covid na manhã deste sábado, 10 d abril de 2021.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

loja Xapuri camisetas

Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

Réquiem para o Cerrado