Pesquisar
Close this search box.

METÁFORAS CABOCLAS: UMA IMERSÃO NOS DITOS POPULARES DE RONDÔNIA

Metáforas Caboclas: Uma imersão nos ditos populares de Rondônia

Por Yêdda Pinheiro Borzacov

O povo, através dos tempos, tem cunhado ditos que são verdadeiros fragrantes da vida. O povo da Amazônia usa, geralmente, a forma comparativa nas suas metáforas, revelando vivacidade e inteligência aguçadas.

O caboclo sabe, como ninguém, surpreender o ridículo dos homens e das coisas, imprimindo nos seus ditos o traço, o acento burlesco, transformando-os em autênticas joias da literatura oral.

Não é tarefa fácil fazer o balanço da linguagem popular de uma região ou estado. A primeira dificuldade, como acontece com a história em geral, consiste em separar uma linguagem, tipicamente rondoniense – coisa praticamente impossível-, da linguagem amazônica e nordestina. O que se observa nitidamente é que os nossos ditos são quase os mesmos de toda a Amazônia e do Nordeste, embora, no espaço e no tempo, surjam versões e variantes.

Para ilustrar esta crônica, selecionei alguns exemplos que correm de boca em boca em Rondônia:

  • Só quer ser trinta e um de fevereiro“, ou “só quer ser o que a folhinha não marca“, expressões utilizadas para indicar gente orgulhosa, que se julga melhor que as demais;
  • Sofre que nem sovaco de aleijado“, equivalente a uma pessoa que vive sofrendo;
  • Nasci nu e já estou vestido“, quer dizer que ao nascer não tinha bens materiais, porém como conseguiu algum, já se sente realizado;
  • Dobrou o Cabo da Boa Esperança“, alusão de que a pessoa já está velha, impedida de realizar algum feito;
  • É hora da onça beber água“, quer dizer que o momento esperado chegou;
  • Jogar verde pra colher maduro“, expressão que indica quando uma pessoa faz perguntas capciosas procurando descobrir algo;
  • Mistura alhos com bugalhos“, diz-seda pessoa que mistura a informação certa com a incorreta;
  • Vá pro quinto dos infernos“, expressão usada quando não se quer saber do indívuduo com quem se conversa;
  • Dar nome aos bois“, alusão às pessoas que realmente realizaram o feito e não são lembradas;
  • Praga de urubu não mata cavalo gordo“, alude que o mal que um inimigo deseja não atinge o alvo;
  • Por as cartas na mesa“, esclarecer algo,  tirar todas as dúvidas;
  • Liso que nem caminho de cobra“, ou “está na pindaíba“, ditos que traduzem a falta de dinheiro do indivíduo;
  • Deu com os burros n´água” significa que a pessoa errou;
  • Tirar o cavalinho da chuva“, expressão usada para aconselhar a pessoa para perder a esperança do que almeja;
  • Macaco velho não põe a mão em cumbuca“, isto é, uma pessoa experiente tem prudência em realizar um feito ou tomar uam atitude;
  • Estou de orelha em pé“, quer dizer, fiquei atento;
  • Tem boi na linha“, dito exclamado quando há desconfiança;
  • Dar com o nariz na porta“, significa fazer uma visita e não encontrar ninguém na residência visitada;
  • Muito cacique pra pouco índio“, expressão usada quando tem muita gente pra mandar e pouca gente pra excecutar;
  • Conversa pra boi dormir“, significa conversa tola, jogada fora;
  • Chove mas não molha“, diz-se quando uma pessoa remancha para resolver um negócio;
  • Dar com a língua nos dentes“, quando a pessoa fala o que não deve;
  • “Engoliu sapos e lagartos”, isto é, engoliu desaforos;
  • “Estou com um pulga atrás da orelha”, significa que desconfio de alguma coisa;
  • Falar cobras e lagartos”, corresponde a dizer xingamentos (…)

A lista continua, ainda, interminável: “à noite todos os gatos são pardos“, “dois bicudos não se beijam“, “quando um não quer, dois não brigam“, “em tempos de vacas magras, urubu anda de banda“…

Fonte: A crônica “Metáforas Caboclas” encontra-se no livro Rondônia Cabocla, da escritora rondoniense Iêdda Pinheiro Borzacov, publicado em 2002 pela Academia de Letras de Rondônia/Instituto Histórico e Geográfico de Rondônia – IHG/RO, aqui publicada com pequenas edições da Redação Xapuri.


 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes