Pesquisar
Close this search box.

Mulheres de Zanzibar viram engenheiras solares

Mulheres de Zanzibar viram engenheiras solares

Por pensarcontemporaneo

Via: Global Citizen

Um novo programa oferece empregos para mulheres em Zanzibar e eletricidade para famílias pobres.

KINYASINI, Tanzânia, 21 de maio (Thomson Reuters Foundation) – Como mãe solteira, Salama Husein Haja era baixa na hierarquia em sua aldeia na Tanzânia e lutava para ganhar a vida por sua família como agricultora.

Mas agora ela espera ganhar status e uma renda estável depois de ter sido treinada como engenheira solar comunitária para um projeto que traz luz a dezenas de aldeias rurais onde não há casas conectadas à eletricidade nas ilhas de Zanzibar.

Avós e mães solteiras – muitas das quais nunca aprenderam a ler ou escrever – estão entre as que estão sendo treinadas no programa, que, segundo eles, podem transformar vidas em suas comunidades pobres de pescadores e agricultores.

“Lutamos muito para obter iluminação”, disse Haja, 36 anos, uma horticultora e mãe de três crianças de uma aldeia em Unguja, a maior e mais populosa ilha do arquipélago de Zanzibar.

“Quando você não tem eletricidade, você não pode fazer muitas coisas como ensinar crianças. Isso força você a usar uma lamparina. A fumaça é prejudicial, os olhos e o peito são afetados.

“Quando a eletricidade está lá, é melhor.”

A vida é um desafio para as mulheres em Zanzibar, uma região semi-autônoma da Tanzânia composta por numerosas ilhas onde metade da população vive abaixo da linha da pobreza.

As mulheres são quase duas vezes mais propensas que os homens a não ter educação, e são menos propensas a possuir uma terra ou ter acesso a uma conta bancária, de acordo com uma pesquisa do governo em toda a Tanzânia em 2016.

Muitas famílias mais pobres e rurais também não têm acesso à eletricidade, agravando os desafios que enfrentam.

Toda a rede de energia da região da ilha depende de um cabo subterrâneo que a conecta ao continente que foi danificado em 2009, mergulhando-o na escuridão por três meses.

Além disso, apenas cerca de metade das casas em Zanzibar estão ligadas à energia da rede, com muitas das restantes sendo forçadas a depender de lâmpadas de combustível poluentes para a luz.

Modelos de Papel
“Nós só usamos uma lâmpada no interior”, disse Aisha Ali Khatib, treinanda como engenheira solar ao lado de Haja no Barefoot College, na aldeia de Kinyasini, em Unguja.

“A lamparina usa parafina … Comprar uma colher de parafina custa 200 xelins (US $ 0,09), mas posso ficar dois dias sem fazer 200 xelins.”

A energia solar oferece soluções para conectar aldeias rurais com pouca perspectiva de obter energia elétrica e aumentar a resiliência e a sustentabilidade.

Milhões de pessoas em toda a África subsaariana estão obtendo acesso à eletricidade através de fontes renováveis fora da rede, disse a Agência Internacional de Energia no ano passado, que previa forte demanda para impulsionar o crescimento do setor até 2022.

O esquema de treinamento solar oferecido pelo Barefoot College, uma empresa social que começou na Índia e agora está trabalhando na África Oriental, também se concentra especificamente no treinamento de mulheres.

O projeto foi concebido para abordar o fato de as mulheres serem muito menos capazes de deixar as suas aldeias devido à pobreza e aos laços familiares, ao mesmo tempo que capacitam as mulheres na sociedade dominada pelos homens da Tanzânia, oferecendo-lhes um trabalho decentemente remunerado.

As comunidades nas aldeias participantes são convidadas a nomear duas mulheres com idade entre 35 e 55 anos para deixar suas famílias e viajar para a faculdade para treinar como engenheiras.

Muitos das escolhidas não têm educação formal, mas são reconhecidas como pessoas que podem comandar a autoridade e que estão profundamente enraizadas na vida de suas aldeias.

“Quando você educa uma mulher, você educa uma comunidade inteira”, disse Fatima Juma Haji, engenheira solar da faculdade Barefoot, em Zanzibar.

“Quando você educa um homem, ele não fica na aldeia, ele vai embora, mas quando você educa uma mulher, ela volta para sua aldeia e ajuda a melhorar.”

Fonte: https://www.pensarcontemporaneo.com/mulheres-de-zanzibar-treinadas-como-engenheiras-solares-trazem-luz/


Slide
Logo Loja solidaria

QUANTO MAIS CONHECIMENTO, MAIS JUSTO O MUNDO

CONTRIBUA COM NOSSO PROJETO
PIX: contato@xapuri.info

PHOTO 2021 09 01 17 30 59 1

<

p style=”text-align: justify;”> 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes