Pesquisar
Close this search box.

Onças-pintadas diurnas filmadas em reservas privadas no sul da Amazônia

Onças-pintadas diurnas filmadas em reservas privadas no sul da Amazônia

As áreas somam mais de 7 mil hectares em uma região onde o desmatamento avança sobre a floresta equatorial brasileira.

Por Aldem Bourcheit/ O Eco

Distribuídas no município de Alta Floresta e vizinhas de outras unidades de conservação na Amazônia desde o norte mato-grossense, reservas privadas reforçam um refúgio regional para onças-pintadas em meio ao desmatamento que avança sobre a floresta equatorial.

Armadilhas fotográficas registraram o maior predador selvagem das Américas circulando por todas as trilhas nos 7 mil hectares daquelas quatro Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs), e não só à noite, como costumeiro para a espécie na Amazônia.

Uma onça-pintada foi flagrada perto de instalações turísticas na região, por volta das duas horas da tarde. “Foi de dia!”, comemorou o biólogo Lucas Eduardo, coordenador de um projeto de monitoramento de onças iniciado em março de 2022 pela Fundação Ecológica Cristalino (FEC).

O projeto “Looking for Jaguar”, algo como “À procura da onça”, é apoiado pela Lata Foundation e monitora hábitos e populações das pintadas naquelas áreas protegidas junto ao Rio Cristalino, afluente do Teles Pires. A região é de prioridade extremamente alta para conservação da biodiversidade.

Havia cerca de 10 mil onças-pintadas na Amazônia brasileira nos anos 1980, mas nas últimas três décadas suas populações encolheram em 30%, apontam estudos científicos. Na Região Sul do país, o felino é uma espécie criticamente ameaçada de extinção.

Este 29 de novembro foi definido como datas nacional e internacional da onça-pintada, respectivamente pelo Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA) e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). 

Com informações da Fundação Ecológica Cristalino (FEC).

Aldem Bourcheit – Biólogo e Jornalista. Fonte: O Eco. Foto de capa: Francisco Carvalho.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes