Organizações ambientais processam Trump
U.S. President Donald Trump smiles after announcing a permit for TransCanada Corp's Keystone XL oil pipeline while TransCanada Chief Executive Officer Russell Girling (L), U.S. Commerce Secretary Wilbur Ross (C) and U.S. Energy Secretary Rick Perry (R) stand beside him in the Oval Office of the White House in Washington, U.S., March 24, 2017. REUTERS/Kevin Lamarque
U.S. President Donald Trump smiles after announcing a permit for TransCanada Corp's Keystone XL oil pipeline while TransCanada Chief Executive Officer Russell Girling (L), U.S. Commerce Secretary Wilbur Ross (C) and U.S. Energy Secretary Rick Perry (R) stand beside him in the Oval Office of the White House in Washington, U.S., March 24, 2017. REUTERS/Kevin Lamarque

Indígenas e Ambientalistas processam governo Trump por Oleoduto

Seis organizações ambientais abriram um processo contra o governo federal presidido por Donald Trump nesta quinta, 30 de março, desafiando a aprovação de um oleoduto controverso.  O oleoduto percorreria áreas de importância ecológica como também de atividade sísmica ativa, que apresenta alto risco de vazamento.

As entidades disseram para um tribunal federal no estado de Montana que o governo estadunidense aprovou a construção de uma etapa do oleoduto Keystone XL que passa por área ecológica sensível próxima à  fronteira com Canadá com base em um “parecer de impacto ambiental desatualizado e incompleto”.

Ao aprovar a construção do oleoduto sem consulta pública e sem uma avaliação ambiental atualizada, a administração americana violou o Ato Nacional de Política Ambiental, disseram as organizações ao abrir o processo.

“[A administração] se utilizou de um parecer ambiental arbitrário, antigo e incompleto realizado há mais de três anos atrás” segundo o documento enviado à justiça.

O presidente Donald Trump anunciou a permissão para o oleoduto Keystone na Casa Branca semana passada. Do lado dele estavam Russ Girling, principal oficial executivo da empresa de oleoduto TransCanada Corp e Sean McGarvey, presidente do sindicato norteamericano de construção.

O republicano Trump tem dito que o projeto iria cortar o preço de abastecimento por petróleo, criar empregos e reduzir a dependência americana por petróleo estrangeiro.

Seu precursor, o democrático Barack Obama, rejeitou o oleoduto, dizendo que somente iria contribuir para o aumento de gases de efeito estufa e não iria fazer nada para beneficiar motoristas.

“Este oleoduto é uma ameaça direta à nossa clima, água limpa, vida silvestre e milhares de moradores e comunidades que vivem ao longo de onde este projeto sujo e perigoso seria construído. O projeto deverá e será impedido,” disse Michael Brune, diretor executivo da organização ambiental sem fins lucrativos Sierra Club, que participou da ação judicial.

O processo foi o segundo a ser iniciado essa semana por organizações ambientais, desafiando as ações tomadas por Trump para desfazer as regulações ambientais estabelecidas pelo governo do ex-presidente Barack Obama.

Além de organizações ambientais, a tribo indígena Chayenne do estado de Montana também processou o governo americano na quarta-feira, dia 29, por violar o Ato Nacional de Política Ambiental após a adminsitração ter permitido a exploração por carvão em terras protegidas.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO