Procura
Fechar esta caixa de pesquisa.

“Com uma mão a gente dá o pão e com a outra a gente luta”

“Com uma mão a gente dá o pão e com a outra a gente luta”, diz Padre Júlio Lancelloti

O agravamento da crise sanitária, social e econômica neste ano de 2021, além do total de 14,8 milhões de pessoas à procura de emprego, segundo o IBGE, colocam necessidades elementares como comida, água e gás cada vez mais distante para parte da população…

Por Redação/ Brasil de Fato

Assim, ações de solidariedade ocuparam o espaço da falta de políticas eficazes para a garantia de direitos de brasileiras e brasileiros. Uma das lideranças no apoio a quem mais necessita neste momento, em São Paulo e em todo país, é o Padre Júlio Lancelloti, um dos responsáveis pela arrecadação de alimentos e pela distribuição, todas as manhãs, a trabalhadores desempregados no centro da capital paulista.
Nesta edição do programa Bem Viver, produzido pelo de Fato, o religioso e referência na luta pelos direitos da população em situação de rua fala sobre a importância da solidariedade no combate à fome e o que é preciso para vencê-la. Segundo ele, o aumento da miséria no país salta aos olhos.
“Essa crise humanitária se acentua pela impossibilidade do acesso à alimentação, em quantidade e em qualidade. Hoje, o número de pessoas que estão pelas ruas é cada vez maior, o desemprego é muito grande, e muitas pessoas que ainda mantêm seus espaços para dormir têm que escolher: ou morar, ou comer”, relata.

Lancellotti é uma referência para milhares de desempregados e desalentados, que dependem de doações de alimentos, utensílios domésticos e roupas de inverno, por exemplo.
“As pessoas passaram a buscar, constantemente, gás para cozinhar. É um indicador de crise humanitária, ter que voltar a fazer comida com etanol. E nem isso as pessoas estão conseguindo, porque o litro do álcool está com preço muito elevado. Então, tem que cozinhar com madeira, inclusive com lenha não adequada para o fogo de cozimento”, descreve.
O aumento do preço do gás de cozinha está relacionado à política de atrelamento dos preços dos derivados do petróleo ao mercado internacional, adotada nas gestões Temer e Bolsonaro.

E tem mais…

A arte e a beleza dos presépios natalinos artesanais de Minas Gerais, que este ano, devido a pandemia, estão em um Guia Online de visitação, organizado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG), apresentando as montagens nas casas e nos espaços públicos. 
No Alimento é Saúde, o projeto Tropicano traz a diversidade alimentar da região para a mesa do consumidor.
Letícia Massula ensina um purê de que vai bem com quase tudo, no Comida de Verdade. 
A luta pela terra no sul da Bahia. O Momento Agroecológico mostra porque o assentamento Jacy Rocha é referência na produção de alimentos sem veneno. 
O Bem Viver é uma produção do Brasil de Fato Na Rede TVT, que abrange a Grande São Paulo, a produção vai ao ar às 13h30, com reprise no domingo às 6h30 e na terça-feira às 20h. Além disso, tem exibição na TVCom Maceió, na TV Floripa, na TVU Recife, TVE Bahia e nas plataformas online da TV RSul. 

Onde assistir 

Nas redes sociais do Brasil de Fato (Facebook e YouTube); na TVT, no canal 44.1 – sinal digital HD aberto na Grande São Paulo e canal 512 NET HD-ABC; na TVCom Maceió, no canal 12 da NET; na TV Floripa, também no canal 12 da NET; na TVU (Universitária) Recife no canal 40 UHF digital e na TVE Bahia, no canal 30 (7.1 no aparelho) do sinal digital. 
Quando
Na TVT: sábado às 13h30; com reprise domingo às 6h30 e terça-feira às 20h. 
Na TVCom: sábados às 10h30, com reprise domingo às 10h. 
Na TVU Recife: sábados às 12h30, com reprise terça-feira às 21h. 
Na TVE Bahia: sábado às 12h30, com reprise quinta-feira às 7h30. 

Sintonize 

No rádio, o programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista. 
O programa também é transmitido pela Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer. 
Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: radio@brasildefato.com.br.

[smartslider3 slider=”38″] [smartslider3 slider=43]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA