Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.

Paris, Bruxelas e Madri levam Comissão Europeia à Corte por causa da “Licença para Poluir”

Paris, Bruxelas e Madri levam Comissão Europeia à Corte por causa da “Licença para Poluir”

Ação judicial visa anular o Regulamento da Comissão que permite que os veículos a diesel excedam os limites de emissões de NOx durante testes em estradas, após escândalo da Dieselgate

Ação movida por prefeitos de cidades europeias visa limpar o ar que os cidadãos respiram, protegendo a saúde pública e honrando o Acordo de Paris

Tribunal Europeu de Justiça deve decidir sobre a admissibilidade do caso em 17 de maio

O Tribunal Europeu de Justiça vai ouvir esta semana os argumentos para determinar se três cidades europeias podem desafiar a regulamentação de emissões de veículos estabelecida pela Comissão Europeia e acordados pelos governos nacionais. As cidades de Paris, Bruxelas e Madri querem entrar com uma ação comum no Tribunal Geral da União Europeia pedindo a anulação do Regulamento n.º 2016/646 da Comissão Europeia, que determina as emissões máximas aceitáveis ​​de NOx dos veículos com motor a diesel durante os testes de emissões reais de condução (RDE).

A audiência, marcada para 17 de maio de 2018, será a primeira vez que o Tribunal de Justiça Europeu ouvirá argumentos de cidades como “pessoas interessadas”, refletindo a crescente autoridade dos centros urbanos como defensores da saúde pública e da ação climática.  Advogados representando Paris, Bruxelas e Madri, argumentarão que os novos limites de emissões são o que a Prefeita de Paris, Anne Hidalgo, chamou de “licença para poluir” e constituem uma regressão da atual lei ambiental europeia, projetada para proteger a saúde pública e melhorar a qualidade do ar. O regulamento será descrito também como uma “traição ao Acordo de Paris” por sua incapacidade de favorecer a transição para veículos limpos, necessária para conter a mudança climática.

Se bem-sucedida, a ação traria de volta os regulamentos de 2007 que forçam o ajuste do limite máximo de NOx em 80mg / km, com base em um novo teste na estrada.  Segundo o Regulamento n.º 2016/646 da Comissão Europeia, introduzido na sequência do escândalo “Dieselgate”, a partir de setembro de 2017 para novos modelos e a partir de setembro de 2019 para veículos novos, as emissões de NOx podem legalmente exceder o limite de 80 mg / km em até 110%; a partir de janeiro de 2020 para novos modelos e a partir de janeiro de 2021 para veículos novos, as emissões de NOx ainda poderão legalmente exceder o limite de 80 mg / km em até 50%.

Em março de 2016, enquanto esse regulamento estava sendo debatido na Comissão Europeia, os prefeitos de catorze cidades da União Europeia pediram a seus governos que “priorizassem a saúde dos cidadãos em relação aos lobbies industriais”. Uma petição pública atraiu mais de 130.000 assinaturas . As cidades foram Amsterdã, Atenas, Barcelona, ​​Bruxelas, Bucareste, Budapeste, Copenhague, Valetta, Lisboa, Madri, Milão, Nicósia, Oslo, Paris, Riga, Roterdã, Sofia, Estocolmo, Varsóvia e Viena.

“Os cidadãos de Paris e cidades em todo o mundo exigem ar limpo para respirar”, disse Anne Hidalgo, prefeita de Paris e presidente da C40. “Seria uma traição do povo da Europa que os fabricantes de automóveis e os lobbies industriais possam ditar as regras que regulam alguns dos seus produtos mais poluidores. Continuaremos a desenvolver medidas em Paris para garantir que nossos cidadãos possam respirar ar puro e meus colegas prefeitos das cidades do C40 farão o mesmo. Precisamos que a União Europeia nos apoie e não dê proteção regulamentar à poluição do ar. Tenho orgulho de estar ao lado dos prefeitos de Madri e Bruxelas em nome de milhões de pessoas em todas as grandes cidades da Europa para dizer que nossas vozes não podem mais ser silenciadas ”.

“A ação conjunta dos prefeitos de Paris, Bruxelas e Madri revela o protagonismo das cidades como principais especialistas nos problemas dos cidadãos e, portanto, os principais defensores de suas causas”, afirmou Manuela Carmena, prefeita de Madri. “As cidades têm que ser um reduto de consciência. Há muito em jogo. É por isso que a coerência e a coragem são tão necessárias. Estamos falando da saúde e do futuro, não só das grandes cidades, mas do planeta. Espero que esta iniciativa seja a primeira de uma longa lista de ações do governo local, unidas para alcançar um mundo mais sustentável. ”

“O progresso nunca é feito a menos que os interesses investidos sejam questionados”, disse Mark Watts, diretor executivo da C40 Cities. “Os prefeitos de Paris, Madri e Bruxelas estão desafiando os políticos europeus a colocar a saúde dos cidadãos à frente dos lucros das empresas automobilísticas.  Ao mesmo tempo, eles estão usando seus próprios poderes para melhorar a qualidade do ar, desde o investimento em transporte público e ciclismo até a remoção do tráfego das áreas mais poluídas. Todo mundo que mora em uma cidade tem interesse no sucesso de suas ações, já que a poluição do ar causa mais de 460.000 mortes prematuras a cada ano somente na Europa. ”

# # # # # #

Para outras informações e pedidos de entrevista, por favor, entre em contato com Josh Harris, Chefe de Mídia, C40 Cities: JHarris@c40.org, +44 7739021000

Sobre o C40 Cities 
O C40 Cities conecta 96 das maiores cidades do mundo para tomar uma ação climática ousada, abrindo caminho para um futuro mais saudável e sustentável. Representando mais de 700 milhões de cidadãos e um quarto da economia global, os prefeitos das cidades do C40 estão comprometidos com o cumprimento das metas mais ambiciosas do Acordo de Paris em nível local, bem como com limpar o ar que respiramos. A atual presidente do C40 é a prefeita de Paris, Anne Hidalgo; o prefeito por três mandatos da cidade de Nova York, Michael R. Bloomberg, atua como presidente do Conselho. O trabalho do C40 é possível graças aos nossos três financiadores estratégicos: Bloomberg Philanthropies, Fundo de Investimento Infantil (CIFF) e Realdania. Para saber mais sobre o trabalho do C40 e as cidades que integram esta coalizão, visite o site ou siga no TwitterInstagramFacebook e LinkedIn.

 

ANOTE AÍ:

Matéria enviada por Rita Silva, da Aviv Comunicação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA