Pedra do Tempo

Pedra do Tempo

Pedra do Tempo

Passa o tempo, passa a estrada, ou será que nada passa? O amor que é raio e centro, eternidade e momento. Tempo… Tempo… Tempo… (Caetano Veloso). A imagem acima é de autoria de Floriano Lins/Amazônia Real e mostra a indígena Itamirim…

Por Fátima Guedes/via Amazonia Real

Tudo a seu tempo! No justo momento em que a irracionalidade agredia a dignidade da Mãe Terra provocando desequilíbrios generalizados, o tempo covídico chega como estratégia natural educativa: a voz altiva da Sabedoria Cósmica ecoa em tons sensibilizantes apontando possibilidades de auto encontros, de redescobertas e/ou redirecionamentos de nossas práxis e de nosso mito original.  Faz sentido… O tempo físico exigira da comunidade humana recolhimento e sapiência nos freios sobre abusos desmedidos e desvarios.
Por esse olhar, o tempo me abrira portais indeléveis revelando-me essencialidades de minha ancestralidade, muitas até ignoradas, por conta de deculturações colonialistas introduzidas em nossa brasilidade. Entre os últimos portais, diga-se, importantíssimos, em abril deste ano, a Sabedoria Cósmica me dirigiu um chamado: vivenciar Diálogos com a Floresta, na Aldeia Tupi Guarani – Tabaçu Rekó Ypy*, região de Peruíbe/São Paulo. O conjunto de experiências compartilhado com aquela comunidade sobrepõe-se a traduções meramente verbais: sincronias de forças espirituais, mentais, físicas e emocionais selaram as vivências daquela egrégora.
Foram quatro dias de encontros, reencontros com nossa natureza essencial e de autodescobertas. Reafirmo: em cada código do tempo imaterial, resgato memórias ímpares, significativas; respostas lúcidas, porém silenciadas nos ritos alienantes assimilados em minha historicidade colonizada; reconexões com a natureza divinal presente na unicidade dos seres.
 Durante aquela mística acolhedora, a magia do tempo me reportara à Aldeia dos Índios Xucuru (Pernambuco) durante a Caravana Agroecológica e Cultural do Agreste Pernambucano, em 2017 – Semeando Vida através da Agroecologia, organizada pela Universidade Rural do Estado de Pernambuco. Os rituais Tupi permitiram-me reconexão com Mãe Sacarema, Matriarca dos Xucuru que me trouxe seu testemunho sobre relações humanas com os Encantados: Os Encantados são as fontes inspiradoras para o exercício ético de nossa missão no mundo. Precisamos estar ligados com os Chamados… Nessa sintonia, nesse diálogo espiritual descobrimos nossa missão no Planeta Terra, e modos justos de relacionamentos com todos os seres, indistintamente.
Absorta em pensamentos imateriais, encontro entre meus pertences (mera coincidência) o poema Chamado, de autoria própria, produzido em 2002: as emanações absorvidas do tatá ruçu*, no centro da oka ruçu*, reconfiguram lembranças de Mãe Sacarema. Pensamentos voam: – a coincidência do poema em meus pertences de mão seria uma inspiração dos Encantados, abrindo-me portas para o encontro na Aldeia??? 
Dissolviam-se cortinas temporais: sentimentos Xucuru e Tupi Guarani se entrelaçavam além do tempo histórico (2017/2022) reafirmando o sentido daquele chamado. O testemunho se confirma com a presença de Itamirin* / Werá*, casal Morubixaba* da Aldeia Tabaçu Rekó Ypy. Em tons legitimamente originais, o casal reconstruía naquele breve espaço memórias esquecidas registradas apenas em acervos idôneos. Fora visível, já na apresentação do casal, a harmoniosa relação entre os diversos, entre masculino/feminino, citada nas antigas sociedades matrifocais: o poder de comando é igualitário. Alcançamos tal compreensão, quando o Morubixaba Werá compartilha solidariamente a fala com Itamirin. A bela Morubixaba, plena de sapiência e altivez personifica-se, então, no Sagrado Feminino bem diante de nossos olhos. Por fim, certifico-me do porquê de nossa presença naquele Encontro: Chamado do Grande Espírito*. 
A sublimidade desse interlúdio me leva ao encontro de respostas sobre minha fêmea missão:
A selva me chama pra apagar a chama que destrói o verde /e ascender a chama que constrói o verde e dá vida à selva […] Chama que me chama / Ilumina a picada que sai na clareira / Caminhantes me aguardam pra acordar a semente / que adormece esquecida na aridez do canteiro / O tição agoniza nos braços da cinza / A panela se esfria…/ Chama que me chama / Acorda esta chama / pra chamar os que dormem nas cinzas da selva. (GUEDES, 2002, p. 49)
Os Anúncios da Morubixaba, sensibilizantes e ao mesmo tempo revolucionários, chegam-me como concessões místicas de reconexão e recomposição de minha fêmea natureza com os mistérios divinais. Hora de descolonizar; reinventar-se; ajustar-se ao mito e aos ritos originários esquecidos… Reconheço-me, portanto, poeira inquieta; singelo instrumento, talvez, pequeno canal receptor/transmissor de chamados, na desafiante reinvenção de outro mundo possível e digno para todas as formas de vida que se abrigam no colo da Grande Mãe.  

Quem sou?

Itaiara e Fátima Guedes (Foto: Floriano Lins/Amazônia Real)

Nossa chegada à Aldeia era uma incógnita: o que buscamos aqui? Como dialogar com os hábitos culturais de nossas ancestralidades esquecidas? Como decodificar os ritos, os anúncios, considerando o memoricídio sobre os falares nativos? Inquietações várias mexiam com nossas limitações e com nosso emocional: Por que razões desafiamos restrições de isolamentos da Covid-19, distâncias geográficas, despesas aéreas e chegamos até aqui? …
Tudo ali nos reportava a dimensões superiores: o relaxante aroma do cachimbo* da Sábia Txai*; as bênçãos do Guia Espiritual Pitotó*; a mística dialógica do Txembo’ea *, Luã* Apiká*; o acolhimento amoroso de Ana Paula, Gwarapendju*; a originalidade sonora das canções nativas, os instrumentos musicais, as danças, os ritmos, a alimentação saudável, a medicina tradicional, as relações de cuidados das crianças e adolescentes entre si e com a diversidade dos seres… Eram despertares indecifráveis sobre a missão universal de todos os seres que se abrigam no ventre da Mãe Terra – Amar. Sem distinção, humanos, flora, fauna, terra, águas, elementos do ar, somos unos e interdependentes…  
Essa sinfonia me conduzia às profundezas das sombras que segredam o mito que sou. Emoções eram bússolas apontando-me sinais… Inesperadamente, vem ao meu encontro a pequena Itaiara*, de quatro anos de idade: encara-me, apresenta-se e, como se me descobrisse parceira de outras vidas, questiona-me: – Quantos anos você tem? Fui tomada de profunda emoção… Os traços físicos da pequena Itaiara trouxeram-me a infância perdida, maculada por ritos abusivos, conflitantes a minha natureza essencial… A cada lágrima disfarçada descortinava-se o passado; meu olhar temporal revelava minhas raízes, meu mito ignorado… Itaiara percebeu meu estado emocional. Segurou minha mão e completou: – Eu sou a Pedra do Tempo. É meu nome. Mais emoções…
Em princípio, uma septuagenária contagiada pelo chamado dos Encantados voltava no tempo e se encontrava na pequena e sábia Itaiara. A ressignificação da eternidade em Pedra do Tempo.
Após aquele encontro, a Pedra do Tempo sela nossos laços e reafirma nossos mitos. Tornamo-nos amigas… Senti o tempo perpetuando-se em movimento perene – horário/anti-horário, reafirmando a unicidade do ontem, do hoje, do amanhã.
Os registros aqui compartilhados são breves relatos do que foi possível captar durante o encontro na Aldeia Tabaçu Rekó Ypy, nação Tupi Guarani… Impossível traduzir em códigos verbais a plenitude daquela Sagrada Experiência. Trago apenas o que as palavras alcançam e conseguem dizer.
O renascer humano, físico, espiritual, afetivo, histórico refaz o que se desfez. Esse tempo perpetuar-se-á em sentimentos, gestos, atitudes, em formas variadas de vidas trazidas de nossa herança ancestral. A Pedra do Tempo é nosso testemunho.

Falares de Casa

Apiká – Pássaro que faz a travessia dos espíritos para a terra sem males.
Grande Espírito – Nhanderu 
Gwarapendju – Pássaro Sagrado. Em sua apresentação, Ana Paula se reconhece – aprendiz do tempo, dos bons momentos; aprendiz dos ancestrais e sempre busco a sabedoria com a verdade, com amor junto aos seres da floresta e do universo. Produzo sabonetes e fumos de ervas e ajudo muitas pessoas a encontrarem o caminho da paz. No meu fazer estão presentes a sabedoria da cura, da alegria e do cuidado. 
Itamirin – Pedra pequena
Itaiara – Pedra do Tempo
Luã – Deus sol 
Morubixaba – Líder maior
Nhanderu – Grande Espírito
Oka ruçu – Centro de reuniões e encontros da aldeia. Grande oca.
Pitotó – Xamã (Ancião). Registro cartorial, Elias Samuel dos Santos Auá Dju (homem fiel). Pitotó é um pequeno pássaro também conhecido no nordeste como Pixoxó. O codinome do Xamã vem de criança, quando imitava o canto do pássaro: pi-to-tó!!! Nos rituais de cura, o Xamã também imita o canto do Pitotó.
Tabaçu Rekó Ypy – O renascer da grande aldeia
Tatá ruçu – Fogueira eterna
Txai – Avó de todos
Txembo’ea – Professor
Werá – Raio

 

https://xapuri.info/lei-maria-da-penha-10-anos-cumpra-se/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora