Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.

Pela 1ª vez no Brasil, pesquisadores usam tratamento que ‘ensina’ células a atacar o câncer

Pela 1ª vez no Brasil, pesquisadores usam tratamento que ‘ensina’ células a atacar o câncer

Por Redação

– de uma terapia anticâncer inovadora, que modifica o DNA das células do próprio paciente para enfrentar a doença.
A abordagem, conhecida pela sigla inglesa CAR-T, foi utilizada há um mês para tratar um funcionário público aposentado de 62 anos, morador de Belo Horizonte, diagnosticado com linfoma não Hodgkin de células B. Essa forma de câncer do sangue já o tinha levado a se submeter a quatro rodadas de tratamento desde 2017, incluindo quimioterapia, radioterapia e imunoterapia, sem sucesso. Não havia mais perspectivas para o doente, considerado terminal e sofrendo com fortes dores e perda de peso.
“O filho dele me procurou porque ficou sabendo que eu tinha ganhado um prêmio da Associação Americana de Hematologia para desenvolver a CAR-T aqui”, conta o médico Renato Guerino Cunha, pesquisador do CTC (Centro de Terapia Celular da USP e do Hemocentro de Ribeirão Preto). “A conversa funcionou muito bem, e tivemos tempo de preparar o protocolo de tratamento e a aprovação no comitê de ética para que ele pudesse ser tratado.”
Pelo menos por enquanto, não se trata de um ensaio clínico convencional, cuja primeira fase normalmente conta com vários voluntários e tem o objetivo de testar apenas a segurança de uma nova terapia. No caso de Vamberto Luiz de Castro, o paciente mineiro, o teste se encaixa no chamado uso compassivo, aprovado quando não há outras abordagens que possam ajudar o paciente.
A sigla CAR-T corresponde à expressão “receptores quiméricos de antígenos de células T”. Em essência, é um tipo de terapia mais personalizada, na qual os pesquisadores levam em conta a assinatura molecular de cada tipo de câncer, de forma a desenhar uma arma específica contra ele, explica Dimas Tadeu Covas, coordenador do CTC e diretor do Instituto Butantan.
A arma em questão são as células T da sigla, “soldadas” do sistema de defesa do organismo que têm, entre suas atribuições naturais, eliminar células cancerosas. “Elas não só liberam substâncias com essa função como atraem outras células para atacar o câncer, mobilizando todo o sistema imune”, explica Covas.
Na CAR-T, busca-se otimizar essa capacidade. Algumas células T são retiradas da corrente sanguínea do paciente e modificadas geneticamente para que carreguem os tais receptores quiméricos – ou seja, que não apareceriam todos juntos em células T normais.
Esses receptores funcionam como fechaduras que podem se encaixar de modo exato em moléculas presentes apenas na superfície das células cancerosas (os antígenos). Desse modo, as células T se tornam capazes de atacar o câncer de modo específico e eficiente.
Após essas alterações no DNA, as células T são multiplicadas e reinseridas no organismo do paciente. É a parte mais delicada do processo. “De início, a única reação é uma febre bem baixa. Mas, um cinco ou seis dias depois do procedimento, vem uma reação inflamatória importante, exuberante mesmo”, conta Cunha. “Foram alguns dias de UTI, sob cuidado intenso, porém adequado”, afirma o dentista Pedro Castro, filho do paciente.
Por ora, os resultados, ainda que não sejam definitivos, impressionam. Todos os sintomas que marcam a doença, da abundante sudorese noturna à dor forte, sumiram. Os exames de sangue do paciente estão normais e ele começou a ganhar peso.
“O que falta para fechar o diagnóstico de remissão é o PET-CT [exame de tomografia], que deve nos dar os dados mais seguros daqui a 60 dias”, diz Cunha. Mais quatro pacientes já estão na fila para receber o tratamento.
Desenvolver a CAR-T no Brasil é um objetivo considerado estratégico pelos pesquisadores por causa do grande potencial da terapia. Os primeiros usos comerciais da técnica foram aprovados há cerca de dois anos pela FDA, agência reguladora de alimentos e fármacos do governo americano, e as taxas de sucesso do tratamento, por ora, ficam em torno de 80%.
A tecnologia, porém, é cara, com tratamentos que custam centenas de milhares de dólares, o que explica o interesse de instituições públicas nacionais em dominá-la e oferecê-la por meio do SUS.

A pesquisa foi financiada pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo ).

Fonte: FOLHAPRESS

Slide 1

VISITE NOSSA LOJA
FORTALEÇA NOSSO PROJETO

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

Capa Andarilhos 4
camiseta vida pao casal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados