Pesquisar
Close this search box.
compostagem

Por que falar de compostagem?

Por que falar de compostagem?

Até 2005 nunca tinha parado para pensar na questão do lixo: achava que estava cumprindo com meu papel de cidadã jogando o lixo no lixo. Foi quando conheci um composteiro (na verdade, uma decomposteira, segundo o autor do projeto, o biólogo Luiz Toledo)…

Ele produzia modelos de concreto, que pareciam grandes vasos ornamentais, e estavam instalados no jardim de um hotel, para que os hóspedes conhecessem o processo bioquímico de transformação de resíduos orgânicos em húmus, um riquíssimo adubo.

Fiquei tão encantada com a compostagem, que dá destino nobre a boa parte dos resíduos domésticos, que comecei a fazer na cobertura do meu apartamento em São Paulo. Improvisava engradados, cobria quando chovia demais, regava em época de seca; e deu tão certo que, quando decidi mudar de cidade, precisei achar novo lar às minhocas que se reproduziram loucamente nos meus composteiros.

Desde então procuro divulgar aos quatro ventos a boa nova: elaborei um Guia de Compostagem, escrevi uma história para crianças sobre o tema e adoro visitar escolas e empresas para inspirar uma postura consciente em relação ao “lixo”, termo, aliás, que deve ser limado do nosso vocabulário! Se até o lixo espacial paira sobre nossas cabeças, está claro que não dá para jogar o “lixo fora”.  

Fechar a torneira e economizar água é importante. Mas a questão dos resíduos é mais emblemática em termos de educação ambiental. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, mais de 50% do total de resíduos sólidos urbanos coletados são compostos de matéria orgânica; e menos de 2% desse montante é destinado a compostagem! Assim, ao resolver a questão dos resíduos, há economia para os órgãos públicos e considerável redução do impacto ambiental – pois evita a emissão de gases poluentes, de contaminação de aquíferos e do solo. E, o mais importante, ao produzir húmus, estamos fazendo terra. Uma terra rica, repleta de elementos químicos essenciais para o plantio. Nosso solo, degradado pela agroindústria, pede essa terra!  

Ao falar sobre a decomposição natural dos resíduos, o ciclo de nutrientes e a teia alimentar do solo, percebemos que o que parecia morto (como folhas secas e cascas de frutas) ganha vida no processo de compostagem. Esse é um conceito importante: na natureza nada se faz, nada se cria. Tudo se recicla! Quando entendemos isso, passamos a ver o resíduo orgânico sem nojo. Afinal, até nossos corpos um dia voltam para a terra, viram adubo e servem para alimentar outros seres do reino vegetal e animal. Ao analisar esse movimento natural, entendemos o ciclo da vida e nos sentimos mais conectados ao nosso planeta.

Quer mais um incentivo para começar a fazer compostagem? Há modelos de composteiros/minhocários à venda; e vários passo a passo para quem quiser montar em casa.

Raquel Ribeiro, jornalista, autora de A Fuga das Minhocas, livro para crianças sobre compostagem, e do Guia de Compostagem Caseira.

issuu.com/raquelribeiro5/docs/guia_compostagem_2011_web

facebook.com/fugadasminhocas/

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você!

P.S. Segue nosso WhatsApp61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Leia a Revista Xapuri – Edição Nº 81


[3d-flip-book mode=”fullscreen” id=”95439″][/3d-flip-book]


[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://www.lojaxapuri.info/revista/”]QUERO ASSINAR[/button]


 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes