Rabada: o prato preferido de Lula

Rabada: o prato preferido de Lula

Rabada: o prato preferido de Lula

Em abril de 2018, logo no começo do longo período de 580 dias que Lula passou preso em Curitiba, uma linda senhora, simples e terna, à época com 64 anos, cruzou os céus entre Brasília e o Paraná para tentar visitar o preso ilustre…

Por Lúcia Resende

Era Maria de Jesus Oliveira da Costa, conhecida como tia Zélia, proprietária de um restaurante singelo na Vila Planalto, para onde, nos anos 2000, o presidente costumava “fugir”, nas noites do Planalto para comer seu prato predileto, uma boa rabada, segundo tia Zélia.

Impossibilitada de visitar o presidente, a baiana nascida em Buritirama, região do Vale do Rio São Francisco, chegada em Brasília no ano de 1976, depois de uma viagem de 45 dias num pau-de-arara, cozinhou e contou para a militância da Vigília Lula Livre as “travessuras” do presidente para comer os pratos   do “Tia Zélia”, galinhada, buchada e rabada.

Vinda do mesmo sertão nordestino, tia Zélia contou para a militância que muitas vezes ela tinha que apagar a luz do restaurante para despistar quem imaginava que o presidente Lula estava lá, aí quando ele chegava, ela o levava para a cozinha e fazia a comida dele. 

Há várias receitas de rabada circulando na internet. Todas elas usam o rabo da vaca cozido, cortado em pedaços suculentos e cheios de colágeno. O jeito de fazer varia, mas o resultado é sempre uma comida cheia de “sustança”, como se diz aqui em Goiás! 

Por aqui, gosto de refogar bem a carne, deixando dourar bem, com alho, sal e pimenta-do-reino (a gosto). Depois, acrescento cebola cortadinha, deixo refogar, acrescento tomate picado em cubos, refogo um pouco mais e cubro com água. Daí, deixo na pressão por cerca de 30 minutos. 

Já cozida, acrescento uma boa dose de cachaça, deixo ferver para engrossar o caldo. Para finalizar, acerto o sal, desligo o fogo, acrescento cheiro verde e agrião. Para acompanhar, arroz branco. Posso garantir, fica uma delícia.

A rabada da tia Zélia ainda não comi, hora dessas vou lá, pra conferir! 

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

No Paraná, no dia 18 de abril, sem poder ver o presidente, tia Zélia gravou em vídeo uma mensagem carinhosa para Lula: 

Meu querido presidente Lula, quero te dizer que estou em Curitiba, quero te deixar meu abraço. Quero te deixar meu carinho e quero te dizer que te amo muito, a tua veia te ama“. Agora que o amigo-presidente volta para Brasília e, muito provavelmente, vai escapulir algumas vezes do Palácio do Alvorada para se deliciar com o tempero de tia Zélia em sua cozinha da Vila Planalto, homenageio os dois, o presidente e a cozinheira, com minha própria receita de rabada. Bom apetite!

Lúcia Resende é professora e consultora parlamentar aposentada, cozinheira por paixão e revisora voluntária da Revista Xapuri.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora