Procura
Fechar esta caixa de pesquisa.

Reunião sobre mineração no fundo do mar começa com pedidos globais por moratória

Reunião sobre mineração no fundo do mar começa com pedidos globais por moratória

Desconhecimento sobre impactos ambientais e humanos da atividade engrossa coro por mais estudos e até banimento.

Por Aldem Bourscheit/ O Eco

Começa hoje (30) em Kingston (Jamaica) a 28ª reunião do Conselho da Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISA, sigla em Inglês). Ligado à Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, o colegiado tem o poder de decidir sobre a mineração no fundo do mar.

Diante da falta de conhecimento sobre os prejuízos da atividade aos ecossistemas e vida marinhos, bem como às pessoas, sobretudo as cujas vidas dependem da saúde desses ambientes, cresce o coro de vários setores por uma longa moratória ou banimento global desse tipo de mineração.

Nos últimos 6 meses, dezenas de países, do a nações do Pacífico, Volker Türk, alto comissário da ONU para os , lideranças indígenas, empresas, o Conselho Consultivo de Ciências das Academias Europeias e até instituições financeiras ergueram barreiras à atividade.

Companhias e governos de países como Canadá e China alegam que sem tirar itens como manganês, níquel, chumbo e cobalto do fundo do mar não será possível “descarbonizar” economias com a produção de painéis solares e baterias de carros elétricos. Tudo para frear a crise global do clima.

Ao mesmo tempo, cientistas e conservacionistas afirmam que há minerais suficientes em terra, com extração direta, reúso e . As informações são da Deep Sea Conservation Coalition, que reúne organizações internacionais em prol da conservação da em alto mar.

Numa reunião em agosto da ISA, mostrou ((o))eco, a mineração quase foi liberada, mas uma moratória foi aprovada até 2025. Todavia, a medida é frágil e pode ser revertida por uma nova decisão do colegiado, sempre sob forte pressão das indústrias e países mineradores.

Na ocasião, o Itamaraty propôs um freio de ao menos 10 anos para estudos quanto aos impactos dessa mineração na biodiversidade e ambientes marinhos. Mas o Brasil não colocou todos os ovos no mesmo cesto e mantém certas portas abertas à mineração em águas profundas.

Autorizado pela ISA, o país pesquisa minerais na chamada Elevação do Rio Grande, a 1.200 km da costa. Desde 2004, o Brasil pede às Nações Unidas a expansão de sua zona econômica exclusiva de 200 para até 350 milhas náuticas, visando a exploração de petróleo, gás e minérios. 

Saiba mais sobre a mineração em águas profundas de mares e oceanos na recente apresentação de ((o))eco durante evento online do Pulitzer Center, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Encontro Recifal Brasileiro (Erebra).

Aldem Bourscheit Jornalista. Fonte: O Eco. Foto: Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos.

[smartslider3 slider=43]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA