Pesquisar
Close this search box.
Parque Serra das Areias: Patrimônio Verde de Aparecida de Goiânia

Parque Serra das Areias: Patrimônio Verde de Aparecida de Goiânia

A Serra das Areias está localizada na região sul de Aparecida de Goiânia e é a principal reserva ambiental do município, correspondendo a 17% do território da cidade. Ao todo, a serra possui uma área de 2.890 hectares. Em 1999, foi legalmente criado o Parque Serra das Areias, reconhecendo a grande flora e fauna existentes na região e a necessidade de preservá-las…

Por Zezé Weiss 

Mesmo com a devastação de parte de sua mata nativa e de seus mananciais, praticada até a criação do parque, a Serra das Areias conserva ainda hoje incríveis quedas d’água, animais e nascentes.

Os mananciais, além de serem o principal atrativo do local, são extremamente importantes para a população, pois 90% deles são afluentes do Ribeirão das Lajes, responsável por parte do abastecimento da cidade.

Geograficamente, o subsistema da Serra das Areias situa-se entre 840 e 999 metros de altitude e destaca-se por apresentar uma pluviosidade disposta entre 1450 a 1550mm/a (Dambrós et al., op. cit.).

A vegetação natural é composta por savana arborizada com floresta de galeria nos fundos de vales. Justamente pelas belas paisagens que abriga, a Serra das Areias sempre atraiu uma grande quantidade de turistas, principalmente da Região Metropolitana de Goiânia.

Em função da região acidentada e vegetação densa, os visitantes lançam mão de diversos instrumentos para explorar o local, como bicicletas e motocicletas. A realização de trilhas na Serra era, até bem pouco tempo, atividade frequente no manancial, o que muitas vezes afugentava os animais e contribuía para a devastação da mata.

Os loteamentos irregulares realizados ao longo do crescimento de Aparecida de Goiânia – o maior município em número de habitantes do Centro-Oeste brasileiro, com exceção das capitais – também foram responsáveis por parte da destruição ambiental da Serra das Areias.

Com a implantação do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra das Areias, a administração do prefeito Maguito Vilela (PMDB) pretende mudar para melhor a realidade do local. Em novembro de 2013, a composição do plano teve início com a assinatura de um Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura de Aparecida e a Associação Comercial e Industrial de Aparecida de Goiânia (ACIAG).

No termo, a entidade se comprometeu a contratar uma equipe técnica especializada para realizar o Plano de Manejo da Reserva da Serra das Areias. A contratação da empresa não teve qualquer ônus para o município, e o objetivo do termo era permitir a utilização de áreas próximas à serra por empresas e comércio também.

Assinado o termo, a elaboração do plano de manejo da Serra das Areias teve início com uma minuciosa coletânea de dados da geologia, da fauna e flora existentes, além dos impactos que a ocupação provoca no local e detalhes socioeconômicos da região, com suas consequências sobre o manancial.

Após esse levantamento, a equipe de técnicos coordenada pelo geólogo Sílvio Mattos, com a participação de técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), realizou diversas oficinas e reuniões públicas com a sociedade aparecidense, ao longo de 2014. Todo o trabalho foi feito em consonância com o Sistema Nacional de Unidade de Conservação da Natureza.

Cuidou-se ainda de uma série de aspectos legais do município, como as Leis Municipais nº 2018, nº 2253 e os Decretos nº 909, de 04 de junho de 2004, e nº 391, de 24 de novembro de 2009, que, entre outras coisas, autorizam o Executivo a desapropriar ou declarar de utilidade pública áreas, imóveis urbanos e rurais para a implantação da Unidade de Conservação (UC) Serra das Areias.

Durante o levantamento, foi constatado que cerca de 40 bairros, além de propriedades rurais, encontram-se na zona da serra considerada pelo plano. O objetivo então foi, com a participação popular, chegar a formas de uso sustentável do espaço ocupado, já que a desapropriação pura e simples é mais complexa e traumática.

Dessa forma, o plano delimitou a Serra das Areias em três zonas distintas e definiu as atividades que serão permitidas ou não em cada uma delas. A primeira, determinada Zona de Preservação, compreende uma área total de mais 2.716 hectares e terá uso prioritário para fins de pesquisa, educacionais e recreativos, com restrição de práticas mais agressivas ao meio ambiente.

A segunda, denominada Zona Rurbana, compreende pouco mais de 547 hectares e comportará ações de recuperação e ocupação controlada, com medidas de proteção ambiental nos empreendimentos existentes e cumprindo as legislações federal, estadual e municipal.

Nesse perímetro, poderão ser implantadas atividades econômicas autossustentáveis, que tenham infraestrutura própria, independente e com controle ambiental, como sítios de recreios, ecovilas e agrovilas, escolas rurais, entre outras estruturas. A última área é a Zona Agropecuária, com cerca de 660 hectares, onde propriedades rurais já estabelecidas continuarão atuando sob a orientação do município, cumprindo as normas estabelecidas no plano de manejo como compensação ambiental, entre outras.

Todo o trabalho de elaboração do plano de manejo da Serra das Areias teve a contribuição de outros núcleos da administração municipal, bem como da comunidade afetada e seus representantes, como associações de moradores e instituições não governamentais. Após a última audiência pública, realizada em janeiro de 2015, o plano de manejo passou por últimos ajustes no seu texto e será encaminhado à Câmara Municipal de Vereadores ainda neste semestre para apreciação e votação.

CAMINHADA ECOLÓGICA

Para sensibilizar e conscientizar a população aparecidense para a preservação da Serra das Areias, em junho de 2013, o prefeito Maguito Vilela promoveu uma caminhada ecológica que atraiu a participação de cerca de 50 pessoas.

O objetivo também era despertar os moradores da cidade para o seu papel em todo o processo de proteção do manancial local, que sofreu muito com retiradas de areia, pedras e madeira, desde o início do povoamento de Aparecida. O trajeto foi de quatro quilômetros (ida e volta), até a Garganta do Guará, uma das mais bonitas cachoeiras da serra.

A atividade teve início com o hasteamento das bandeiras Nacional, Estadual e Municipal no alto da Serra, a 990 metros do nível do mar. O prefeito destacou o fato de que a Serra das Areias já chegou a possuir 14 cachoeiras, hoje reduzidas a apenas seis.

Com a fiscalização estabelecida em 2009, no início da atual gestão, a administração municipal já conseguiu estender o limite de área preservada para 50 quilômetros. O próximo passo para a recuperação do ecossistema local é a implantação do Plano de Manejo.

Texto editado por Zezé Weiss com base em informação recebida do município de Aparecida de Goiânia. 

Slide

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

revista 115
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

2 respostas

  1. Boa noite, o texto está bastante confuso, deixando incompreensível a situação legal da UC. Incialmente foi criado em 199 o Parque Municipal, porém, devido problemas fundiários e legais, ela foi reclassificada através de nova Lei em 2015 e transformada em APA, uma estratégia para tornar as medidas restritivas inerentes a uma UC mais flexíveis e “viabilizar” a unidade de conservação.

    Ps: A foto que ilustra a matéria não corresponde a Serra das Areias (a região não possui lago desse porte).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes