Pesquisar
Close this search box.

Encantou-se “Seu Tomé”, defensor das causas dos trabalhadores

No Amapá, encantou-se “Seu Tomé”, grande militante das causas dos trabalhadores –
 
 “Um ser Iluminado que não precisou de diplomas para dar aula de vida […] que mesmo em outro plano,
esta eterno na Educação do Campo do Amapá, nas Populações Tradicionais,
na minha vida e na de Centenas de Pessoas que o conheceram.”
Francisco Malheiros
 
Tomé de Souza Belo, o “Seu Tomé”, nascido no ano da graça de 1935, partiu dos espaços desse mundo neste dia 6 de novembro , às 4 horas da manhã. Seu Tomé é agora estrela nos jardins do céu.
 
Morador do Retiro São Thiago, na Comunidade do Carvão, no município de Mazagão,  no estado do Amapá, Seu Tomé deixa um vazio imenso no coração da esposa, Deusa Silva Belo, dos 15 filhos e filhas (12 biológicos e três adotivos), e de uma multidão de pessoas que, por décadas, militaram com ele em defesa das justas e necessárias causas das trabalhadoras e dos trabalhadores brasileiros.
 
Agricultor e ambientalista, Seu Tomé foi também um grande militante político. Fundou o PT e a CUT, e tinha muito orgulho de ter recebido o sindicalista, depois presidente Lula, em sua comunidade, no momento da fundação dos Sindicatos em sua região e no Amapá. Foi fundador e presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Estado do Amapá, e presidente da Associação dos Agricultores do Amapá, que antecede o Sindicato.
 
Foi também fundador das Escolas-Família do Amapá, fundador e grande organizador da Escola Família Agroextrativistas do Carvão, na comunidade onde vivia. “Na época, as pessoas não acreditaram muito, mas com o decorrer do tempo foram acreditando e só vem aumentando a procura pela escola. Começamos a fazer a alternância,  de 20 dias escola e 15 na casa dos pais. Quando foi em março, terminados e já tinham 32 alunos, e passamos a fazer duas turmas,” contava Seu Tomé com entusiasmo.
 
Ao partir rumo aos mistérios do infinito, o católico fervoroso Tomé de Souza Belo recebeu inúmeras manifestações de pesar de seus comunitários e comunitárias, e de seus companheiros de luta no Amapá e no Brasil.
 
Tome
 ALGUMAS DA MUITAS MANIFESTAÇÕES DE PESAR

“Que faça uma passagem tranquila,  nossas referências também precisam descansar, mas levam consigo muito respeito e afeto. Não é adeus, apenas um até breve.” – Angela Mendes

“Tenho a certeza de que seu Tomé cumpriu, e bem, a tarefa que a ele foi  destinada. Temos que lhe agradecer pela grande pessoa que foi , companheiro de todas as horas, lutador por dias melhores, [sempre] com muita força e determinação. Parabéns ao Tomé por tudo o que fez.” – Atanagildo Matos (Gatão)

“Meus sinceros sentimentos.” -Augusto Silva

“Meu sentimento a todos da família. Tomé faz parte da História do Brasil por dias melhores, em especial  para as comunidades rurais da Amazônia. Viva o Tomé Belo!” – Clodoaldo Pontes

“Que descanse em paz, pois cumpriu seu papel nesta vida com muita dedicação.” – Cris Silva

“Meus sentimentos.” – Edel Moraes

“Muita sabedoria a todos para seguir os exemplos de muita luta pelos extrativistas do Brasil.” – José Ivanildo

“Mestre Joaquim [Belo], missão cumprida na terra por seu pai, a prova é tanta que sei que ele tem orgulho de ter educado os filhos da forma que são hoje, só olhar pra você e perceber o grande homem que se tornou aquela criança que ele carregou no colo. Agora, é esse o pensamento que devemos enxergar(…) Assim são os mestres como seu pai, minha mãe e muitos outros familiares de nossos companheiros.” – José Mesquita

“Meus sentimentos, força para a família toda.” – Juan Carlos Carrasco Rueda

“Prezado Joaquim: Impactado com a triste notícia do falecimento de seu pai, registro meu mais profundo sentimento e minha integral solidariedade a você e seus familiares. Permita-me dizer, como pai, que você deu a ele o maior dos presentes que um pai pode receber: o imenso orgulho pelo caráter e pela história do filho.” – Manoel Camargo

“Perdemos um grande exemplo de um homem de luta!” – Manoel Cunha

“Descanse em paz meu avô.” – Marcelo Belo

“Um grande homem se foi. Uma pessoa simples que liderou mudanças importantes na educação, no sindicalismo do Amapá. Cumpriu seu papel na terra com garra, dedicação e simplicidade.” – Mary Allegretti

“Creio que Deus já pôs em bom lugar com certeza irá ficar em nossa mente o quanto ele foi importante pra todos nós.”- Messias Dias

“Uma referência para nós, Mulheres do Campo e da Floresta. Mulheres ribeirinhas. Muito do que me tornei, inúmeras vezes foi neste homem que me espelhei. Descanse em Paz seu Tomé. Seus ensinamentos ficarão. E nós, ex alunos das Escolas Famílias do Amapá. Ficamos um pouco órfãos.” – Renata Apóstolo

“Acordei hoje com uma notícia muito triste! Meu grande amigo Tomé Belo, conhecido carinhosamente pelo povo mazaganense de Tomezinho, foi chamado para o lado PAI. Veio em mente o primeiro dia que conheci o grande defensor do povo das florestas e dos rios, com um notório saber ímpar, sinônimo de liderança, humanidade, generosidade e solidariedade. Sempre em defesa de uma educação de qualidade,” – Rodrigo Monteiro

“Meus pêsames. Que Deus conforte o coração dos familiares.”- Sílvia Helena

“Um cidadão de bem e com um conhecimento incrível va em paz seu Tomé.” – Socorro Pureza Pelegrin

“Meus sentimentos. Deus conforte o coração da família.” – Valdilene 

NOTA DE PESAR DO CNS/MEMORIAL CHICO MENDES

O Conselho Nacional dos Extrativistas – CNS e o Memorial Chico Mendes vem a público manifestar seu pesar e solidariedade aos familiares e amigos de Tomé de Sousa Belo.

Agricultor e ambientalista, “Seu Tomé” foi liderança entre os trabalhadores rurais e um dos fundadores do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Amapá, do Partido dos trabalhadores e da Central Única dos Trabalhadores – CUT. Participou da organização e criação da Escola Família do Carvão entre outras incontáveis contribuições para a sociedade, tendo em vista que dedicou grande parte de sua vida à militância das causas dos trabalhadores rurais e foi um parceiro das lutas do CNS no Amapá e na criação da RESEX Rio Cajari.

Tomé foi, sobretudo, um resistente na prática política e no pensamento contra os governos conservadores do Amapá e do Brasil. Uma voz da Amazônia em favor dos trabalhadores rurais da Amazônia.

Muito respeitosamente, prestamos as nossas condolências e deixamos os nossos mais sinceros pêsames.

 NOTA DE PESAR DO IEBTome AP 600x450 1

O IEB se solidariza com amigos, familiares e o movimento de educação do campo no estado do Amapá, pelo falecimento ocorrido ontem, 06 de novembro, de Tomé de Souza Belo. Seu Tomé, como era conhecido, deixa um legado riquíssimo para a luta dos (as) trabalhadores (as) do campo.

Desde sua participação no STTR amapaense, na década de 1980, até sua atuação na Escola Família do Carvão, dedicou sua vida à defesa das florestas, das aguas, dos homens e mulheres do campo. Lutou pela agricultura familiar, como uma atividade fundamental para a sustentabilidade e a segurança alimentar.

Acreditava na educação como um caminho para a liberdade!  Tomé Belo presente!!!!!

Veja a publicação organizada pelo IEB em 2016 sobre a história das Escolas Família no Amapá e que conta com a participação de Seu Tomé: https://goo.gl/vzG4cF

Block
 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes