Pesquisar
Close this search box.

Educação sofre ameaça de retrocesso

Educação sofre ameaça de retrocesso: Governo Federal cria apartheid social e Goiás privatiza ensino

Tramita na Câmara Federal o projeto de lei PL 6.840/13, que dispõe sobre a reformulação do ensino médio, e cujo conteúdo original, depois de passar por ampla discussão com os movimentos sociais ligados à Educação, foi substituído e aprovado por unanimidade na Comissão Especial de Educação.

os3

Em agressão frontal à Constituição de 1988 e à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que garantem a universalidade do ensino médio como etapa final de educação básica, mesmo faltando apenas a votação pelo plenário da Câmara para a aprovação do substitutivo do PL 6.840/13, o governo golpista instalado no Planalto editou, no dia 22 de setembro, Medida Provisória (MP) no 746, determinando a reformulação do ensino médio.

SINTEGO

O Sintego é totalmente contrário à reforma obscurantista que retrocede a educação brasileira ao modelo do ensino médio proposto pelo Governo Fernando Henrique Cardoso na década de 1990, baseada no pensamento segregacionista do final do Século XIX, que propunha duas escolas: uma, com amplo acesso ao conhecimento, para os filhos das elites que viriam a dirigir seus países, e outra para os filhos dos pobres, que não teriam muito já que não teriam tempo para estudar, por terem que dedicar ao trabalho.

Segundo a presidenta do Sintego, Bia de Lima, “as mudanças propostas pela MP afetam a formação social do estudante e não apresentam as melhorias que realmente precisamos.”

Para Bia, “a escola pública necessita de investimento, da contratação de professores/as e orientadores/as educacionais e de estrutura para que possamos ter uma educação pública de qualidade e de estudantes que, além de futuros bons profissionais, sejam cidadãos engajados com uma sociedade justa e igualitária, de não de reformas autoritárias. ”

Pensar, nem pensar!

O Sintego vê a reforma como uma forma (maneira) de acabar com o pensar social da juventude brasileira, uma vez que no bojo das mudanças está a retirada de Artes, Sociologia, Filosofia e Educação Física da grade curricular.

Para o Sintego, ao retirar do currículo as que permitem ao estudante formar seu pensamento, o que o governo quer é antecipar a entrada do estudante na formação profissional, cerceando seu direito a uma formação mais humana e cidadã.

Assim, a educação brasileira retrocede à reforma do ensino médio da ditadura militar, que postulava a profissionalização compulsória do ensino profissional, sendo a atual reforma ainda mais cruel, porque os militares pelo menos defendiam uma reforma para todos, enquanto a MP 746 servirá somente para os filhos da classe trabalhadora que estudam na escola pública. Ou seja, como diz o professor e filósofo Gaudêncio Frigotto: ”Uma reforma que legaliza o apartheid social na educação no Brasil. ”

Pauta de Lutas

Em Goiás o Sintego dobra a jornada de lutas em defesa da educação nacional, do Piso e da Data-Base, e contra a privatização da educação goiana, uma vez que o governo, mesmo contra o posicionamento do Sintego e do próprio Ministério Público, lançou, em 19 de setembro, novo Edital para a contratação das famigeradas Organizações Sociais.

O governo insiste no modelo de privatização do ensino via OS, mesmo depois da Polícia Federal e do Ministério Federal terem mostrado evidências de que parte dos recursos desviados da Saneago foi utilizado para o pagamento das OS da Saúde.

Entidades nacionais lutam contra Modelo Temer de Educação

A decisão vem provocando duras críticas por parte de educadores e órgãos vinculados à defesa dos direitos da Educação e da Cidadania. Para o educador Gaudêncio Frigotto, a reforma imposta pela MP além de ser prepotente, autoritária e segregadora, na prática liquida com a dura conquista da educação básica para grande maioria dos cerca de 85% de jovens e adultos que estudam nas escolas públicas do Brasil.

Frigotto afirma que a reforma abandona a construção democrática da educação brasileira, para atender à cartilha do Banco Mundial, transformando o direito à educação básica em um serviço ajustável às demandas do mercado, “uma espécie de um deus que define quem merece ser por ele considerado num tempo histórico de desemprego estrutural. ”

Agrega Frigotto: “O ajuste ou a austeridade que se aplica à classe trabalhadora brasileira, da cidade e do campo, pelas reformas da previdência, reforma trabalhista e congelamento por vinte anos na ampliação do investimento na educação e saúde públicas, tem que chegar à escola pública, espaço onde seus filhos estudam. ”

O professor Aloizio Mercadante, ex-ministro da Educação, classifica a MP como um golpe no processo democrático e participativo da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Para Mercadante, as novas regras, baseadas em uma oferta pautada não nos interesses e necessidades dos estudantes, correm o risco de termos um verdadeiro apartheid escolar no país.

FÓRUM NACIONAL PELA EDUCAÇÃO

Para o Fórum Nacional de Educação:  “De maneira impositiva, solitária e açodada, pretende o Executivo, por meio do instrumento excepcional da MP, resolver questões complexas de reorganização curricular, pedagógica e formativa que impactarão, inadvertidamente, os 26 estados, o Distrito Federal, 5570 municípios e milhões de profissionais da educação, estudantes e estabelecimentos públicos e privados, além do próprio Executivo Federal”. Dentre os 23 “atrasos e retrocessos” apontados pelo Fórum destacamos:

  • Reforça a fragmentação e hierarquia do conhecimento escolar que as Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Médio, amplamente debatidas, buscaram enfrentar;
  • Não trata de questões basilares, como as condições objetivas e infraestruturais das escolas, a profissionalização e valorização dos profissionais da educação, a relação discente-turma-docente, a inovação nas/das práticas pedagógicas, entre outros aspectos;
  • Pretende eliminar a estreita e fundamental relação entre o conhecimento tratado na escola e sua relação com a sociedade que o produz;
  • Ignora a instância permanente de negociação e cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, plural, prevista pelo PNE e editada, em caráter transitório, pela Portaria nº 619 de 24 de junho de 2015, ao tratar dos processos de escuta e aprovação para inclusão de novos componentes curriculares de caráter obrigatório na BNC.

MOVIMENTO NACIONAL PELO ENSINO MÉDIO

O Movimento Nacional pelo Ensino Médio considera a MP uma ameaça à educação básica pública e de qualidade para os filhos e filhas das classes trabalhadoras. Para o Movimento Nacional, os principais pontos negativos da reforma são:

  • A jornada diária compulsória de 7 horas, por ferir o direito de acesso à educação básica para mais dois milhões de jovens de 15 a 17 anos que estudam e trabalham ou só trabalham, e a proibição de acesso ao ensino noturno para menores de 17 anos, por constituir-se em cerceamento de direitos.
  • O Ensino Médio noturno com duração de quatro anos com a jornada diária mínima de três horas, contemplando o mesmo conteúdo curricular do ensino diurno, por desconsiderar as especificidades dos sujeitos que estudam à noite, especificidades etárias, socioculturais e relativas à experiência escolar que culminam por destituir de sentido a escola para esses jovens e adultos.
  • A organização curricular com a proposição de opções formativas em ênfases de escolha dos estudantes porque reforça a fragmentação e hierarquia do conhecimento escolar, retomando ao modelo curricular dos tempos da ditadura militar, de viés eficienticista e mercadológico.
  • A opção para o ensino superior vinculada à opção formativa do estudante, por constituir-se em cerceamento do direito de escolha e mecanismo de exclusão, em um processo que conduz à privação do acesso ao conhecimento e às formas de produção da ciência e suas implicações éticas, políticas e estéticas.
  • A inclusão no último ano do ensino médio da proposta de que o estudante possa fazer a opção por uma formação profissional, por contrariar o disposto nos Artigo 35 da LDB 9.394/96 e desconsiderar a modalidade de Ensino Médio Integrado à Educação Profissional, mais próxima da concepção proposta nas DCNEM e já em prática nas redes estaduais e federal.

CNTE

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação condena a concepção privatista e reducionista de direitos contida na MP 746, e defende

Divulgação CNTE
Divulgação CNTE

a sua substituição integral por uma reforma que venha a se pautar pelo conceito de formação humanística e ampla aos estudantes, respeitando, ainda, a condição pública, republicana, gratuita, democrática, universal e de qualidade socialmente referenciada pretendida para a oferta do ensino médio nas escolas públicas.

Em nota, a CNTE informa que sua atuação sobre a reforma se dará em duas frentes:

1) Desconstituir a MP 746, por meio de Ação Direta de Inconstitucionalidade no STF, pois a Confederação entende que o debate sobre esse tema de ampla repercussão exige profunda reflexão e a participação democrática da sociedade – coisas que a MP não possibilita no curto prazo de tramitação no Congresso, sobretudo levando-se em conta a forma restrita e

autoritária como foi concebida; e,

2)  Caso prossiga a tramitação da MP, atuará junto aos parlamentares para que rejeitem na íntegra a matéria.

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!
PHOTO 2021 02 03 15 06 15

 E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.
COMPRE AQUI

Capa Caminhando na Floresta 1560x2050 px Amazon 1

sintego_cut

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes