Pesquisar
Close this search box.

A guerra: o decreto da suspensão de valores 

A guerra: o decreto da suspensão de valores
 
Qual a razão de ser de uma guerra? Onde ela inicia e quando termina? Ninguém sabe! “Detenção de direitos humanos” e “suspensão de valores” são as mais seguras de todas as compreensões torácicas que se possa ter a respeito da guerra. Ninguém se torna dono de si mesmo. Não há segurança social, pois os homens vivem como animais irracionais. Não se pode permitir a guerra. Qual guerra? A luta contra os direitos do homem que se decreta como uma guerra fria, uma verdadeira saudação ao decreto!
 
Diante daquilo que se decreta nesta guerra fria, tem-se a resposta do destinatário, o qual se vê na obrigação de assumir o proposto. Oxalá conseguisse mesmo dar uma resposta positiva! O disposto exige o cumprimento do decreto, diz.
 
Depois de “dado e passado… sob o sinal e selo das armas”, se percebe que ao assumir um ofício o “dado” apenas representa um “conjunto de informações” reafirmando que nada é de graça e que as “armas”, muitas das vezes, não conseguem responder ao “sinal e selo” que por vez fora decretado.
 
Nesta guerra as “armas” apenas são em decretos. Feito, informo a todos que os dispositivos decretados pelos “sob o sinal e selo das armas” tem consumido boa parte dos recursos angariados. Temendo que tais decretos consumam também boa parte do sono e tranquilidade buscando fundos que ao meu ver não compete ao meu ofício, exponho o que o decreto, tão somente ele, exime minha obrigatoriedade em continuar com “armas” que não são meu usufruto.
 
Assim, nenhuma “arma” consegue ser eficiente  na guerra sem repor as munições. Qual “munição”, eu me pergunto, estou recebendo que justifica “atirar” recursos ao que foi decretado?
 
Alguém será que consegue, na infeliz vivência em uma guerra decretada, discorrer, com pormenores, o grande mal que a detenção de direitos humanos pode causar, não apenas a uma pessoa, senão a toda uma humanidade?
 
Numa guerra, ninguém está seguro, nem mesmo quem decreta. O que reina não são os bens que cada um juntou, antes o que se busca é a defesa da vida. Na guerra se tem que enxergar o dominador como se fosse um grande amigo o qual ansiamos sua partida e para o qual não devemos guardar saudades. Um dominador que causa nojo, náusea e espelha o medo. Espalha o pânico e faz brotar a incerteza. Qual é, todavia, o objetivo de uma guerra que decreta “sob o sinal e selo” as “armas”? Aliás, no mal tem algum objetivo que não seja ele mesmo?   Ao contrário da guerra decretada, tem-se o amor. Por isso pode dizer que o amor é nossa sombra e o vento, o exalar do amor vivido.
 
@Padre Joacir d’Abadia, Filósofo autor de 12 livros, professor de Filosofia Prática do Seminário Menor de Formosa-GO, e Pároco da Paróquia São José Operário em Formosa-GO

Pe. Joacir Soares d’Abadia, Foi Pároco em Alto Paraíso-GO e hoje á Pároca da Igreja São José Operário, em Formosa-Goiás. Especialista em Docência do Ensino Superior, Bacharel em Filosofia e Teologia, Licenciando em Filosofia, membro do Conselho de “Pesquisas e Projetos” (UnB Cerrado), membro do Conselho de Presbíteros, Coordenador da Pastoral da Educação e Coordenador dos Padres do Setor IV. Escreve para os jornais: “Alô Vicentinos” (Formosa-GO) e “Carta de notícias” (Posse-GO). É o fundador do jornal “Ecos da chapada” (Alto Paraíso-GO). Ganhou, em 2011, o Concurso Internacional de Filosofia da “Revista Digital Antorcha Cultural” da Argentina e têm 4 obras publicadas no exterior. É autor 8 livros: “Opúsculo do conhecer” (Cidadela); “A caridade e o problema da pobreza na periferia” (Agbook); “A Igreja do ressuscitado” (Virtual Books); “Contos de barriga cheia” (Cidadela); “O eu autor” (B24horas); “Taffom Érdna: romance com a sabedoria” (Palavra e Prece); “A Filosofia ao cair da folha” (Cidadela) e “Riqueza da Humanidade” (B24horas). Contato: Whatsapp (61) 99315433 ou joacirsoares@hotmail.com

Pe. Joacir Soares d’Abadia, Pároco em Alto Paraíso-GO, Especialista em Docência do Ensino Superior, Bacharel em Filosofia e Teologia, Licenciando em Filosofia, membro do Conselho de “Pesquisas e Projetos” (UnB Cerrado), membro do Conselho de Presbíteros, Coordenador da Pastoral da Educação e Coordenador dos Padres do Setor IV. Escreve para os jornais: “Alô Vicentinos” (Formosa-GO) e “Carta de notícias” (Posse-GO). É o fundador do jornal “Ecos da chapada” (Alto Paraíso-GO). Ganhou, em 2011, o Concurso Internacional de Filosofia da “Revista Digital Antorcha Cultural” da Argentina e têm 4 obras publicadas no exterior. É autor 8 livros: “Opúsculo do conhecer” (Cidadela); “A caridade e o problema da pobreza na periferia” (Agbook); “A Igreja do ressuscitado” (Virtual Books); “Contos de barriga cheia” (Cidadela); “O eu autor” (B24horas); “Taffom Érdna: romance com a sabedoria” (Palavra e Prece); “A Filosofia ao cair da folha” (Cidadela) e “Riqueza da Humanidade” (B24horas). Contato: Whatsapp (61) 99315433 ou joacirsoares@hotmail.com

Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

revista 115
revista 113 e1714507157246
revista 112
Revista 111 jpg
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Uma resposta

  1. A China precisa ser responsabilizada pelo decreto de assassinatos pelo mundo. Bom domingo de saúde e paz. Estamos passando por dias complicados, mas continuemos em oração para que Deus possa proteger o nosso povo nesses momentos de pandemia, fazendo os protocolos que as autoridades de saúde orientarem, pois com calma iremos superar a aflição. O vírus é chinês, mas Deus é brasileiro. ???

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes