Pesquisar
Close this search box.

“Os fios de cabelo dizem a verdade”

“Os fios de cabelo dizem a verdade”   Olhar para uma lagoa calma é o mesmo que se olhar no espelho e ver a profundeza dos olhares que se trocam: o olhar de si mesmo para consigo mesmo e dizer que valeu a pena a vida que se levou.   Por Eliane Potiguara   Isso […]

Pele de Foca

Pele de Foca Por Eliane Potiguara Minha pele estava pelas vicissitudes da vida. Eu mergulhei nas profundezas dos mares e reencontrei com minha avó-foca, com minhasa sec sagradas ancestrais e os velhos guerreiros que também não se envergonhavam por suas lágrimas. Elas – sabiamente – me contestaram e me mostraram que eu, inconsciente e pacificamente, aceitava […]

Ato de amor entre povos

Ato de amor entre povos Por Eliane Potiguara BOCA VERMELHA, guerreiro das cordilheiras cansado… Repousava adormecido sob o orvalho. Abriram-lhe os olhos rubros raios solares, aromas silvestres, canções da mata. Era Cunhataí – trêmula – errante das águas, Envolta em folhagens, flores mas sem abrigo… Cantou-lhe em voz alta e compassada, uma canção de amor… […]

Oração pela Libertação dos Povos Indígenas

Oração pela Libertação dos Povos Indígenas

Oração pela Libertação dos Povos Indígenas Dai-nos cada dia de esperança/Porque só pedimos terra e paz/Pra nossas pobres – essas ricas crianças… Por Eliane Potiguara Parem de podar as minhas folhas e tirar minha enxada Basta de afogar as minhas crenças e torar minha raiz.Cessem de arrancar os meus pulmões e sufocar minha razãoChega de […]

O amanhecer de um manto e nenhum pranto

  O amanhecer de um manto e nenhum pranto   Por Eliane Potiguara   “Todos os dias ela costurava ponto a ponto um grande manto. Aí lembrou-se do dia em que sua mãe perdeu as águas e quando ela mesma deu o primeiro choro. Seu rosto enrugado como se fora uma velha e a pele […]

“Onipresença em tempos atuais: Mamãe eu morri!”

“Onipresença em tempos atuais: Mamãe eu morri!”   Texto dedicado ao povo brasileiro   Por Eliane Potiguara   Não podemos mais ser onipresentes como antes. Não podemos ir às ruas por causa da Covid e da violência. Hoje o barro na rua, nessa roça tranquila e desértica onde moramos, impossibilitava-nos de caminhar até a praia. […]