LOGO BRANCA XAPURI
Pesquisar
Close this search box.

Pesquisador da UNESP cria molécula que derruba o vírus da hepatite c

Pesquisador da UNESP cria molécula que derruba o vírus da hepatite c

Por Geovana Alves*, G1 São Carlos e Araraquara

O doutorando em biotecnologia Paulo Ricardo da Silva Sanches, 29 anos, da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp) de Araraquara (SP) produziu a primeira molécula eficiente sobre todos os pontos do processo de multiplicação do vírus da hepatite C (VHC).

Ao contrário dos antivirais utilizados atualmente, o novo composto age nos processos de multiplicação, entrada e saída do vírus da célula.

“O medicamento utilizado para o tratamento da hepatite C no Sistema Único de Saúde (SUS) age em um único ponto, a inibição da protease (enzima necessária para a replicação do vírus), o nosso composto age em todos os pontos e isso já é um diferencial”, comenta Sanches.

Sanches é orientado pelo doutor em biologia molecular da Unesp Eduardo Maffud Cilli desde 2015, quando ingressou no mestrado. Juntos testaram sete moléculas até encontrarem a combinação perfeita: o ácido gálico, de origem natural, acoplado no peptídeo hecate, de origem sintética, formando um bioconjugado, batizado de ácido gálico-hecate.

Segundo o pesquisador, a molécula é capaz de eliminar os tipos 1, 2 e 3 do VHC que são mais comuns e circulam no Brasil.

Slide 1

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

CONTRIBUA COM A REVISTA XAPURI
PIX: contato@xapuri.info

revista 115

 

A pesquisa é realizada no Laboratório de Síntese e Estudos de Biomóleculas (Lasebio) de Araraquara em parceria com o Laboratório de Estudos Genômicos (Lego), do campus da Unesp em São José do Rio Preto (SP), onde são avaliados os compostos. A parceria ajuda a pesquisa a ser mais precisa.

“É impossível ser especialista em tudo, então, a melhor coisa é a gente trabalhar com grupos especialistas para o desenvolvimento de moléculas e, neste caso, é o grupo da doutora em microbiologia Paula Rahal. A gente prefere entrar em participação com outro grupo e desenvolver uma pesquisa de qualidade, do que fazer de uma maneira superficial”, explica Cilli.

A pesquisa levou quase dois anos para a comprovação de que a molécula é eficiente contra o VHC . Agora, os pesquisadores querem diminuir os efeitos colaterais, que já são baixos, ao menor nível possível.

Essa etapa deve ser realizada no laboratório, mas Cilli diz que a molécula está à disposição para empresas interessadas em produzir um medicamento em larga escala, embora ache difícil isso acontecer.

“Para pensar em aplicação industrial, a gente precisaria de alguma empresa interessada em investir na pesquisa, o que normalmente não acontece porque as pessoas trazem coisas prontas do exterior”, afirmou.

Slide

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

revista 115
Outras doenças

Os pesquisadores pretendem analisar a potencialidade do composto em outros vírus, como o da dengue, que é da mesma família do VHC. Já há a comprovação que ele funciona para o vírus da zika.

“Aqui em Araraquara e na região nós enfrentamos um surto de dengue e nós não temos antivirais que agem de forma efetiva. Eu acho que o desenvolvimento de qualquer antiviral eficiente e neste caso, um que age em diversas etapas da reprodução do vírus, é extremamente importante”, afirmou Sanches.

*Sob supervisão de Fabiana Assis, editora do G1 São Carlos e Araraquara.

Fonte: G1

Block

Salve! Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você!

P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, em qualquer dia. GRATIDÃO!

<

p style=”text-align: justify;”> 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes