Pesquisar
Close this search box.

Brasília: escola com gestão militar refaz mural de Mandela

Brasília Após repercussão, escola com gestão militar no DF refaz mural com rosto de Mandela

 
Depois de apagar um grafite com o rosto do ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela – ícone da luta pela igualdade racial –, a direção do Centro Educacional 1 da Estrutural, no Distrito Federal, decidiu refazer a imagem (veja acima). A obra ficava no pátio interno de uma das escolas do DF que terá educação militar em 2019.

O caso foi revelado pelo G1 e, após a repercussão negativa, a parede ganhou novos desenhos e voltou a estampar a famosa frase do político sul-africano. O grafite foi concluído nesta quinta-feira (14).

“Educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo.”

A pintura foi feita pelo mesmo grupo de artistas voluntários do Paranoá que tinha decorado o muro no ano anterior (veja acima). Os grafiteiros acrescentaram, dessa vez, os rostos da poetisa brasileira Cora Coralina e do educador Paulo Freire.

Segundo a diretora da escola, Estela Accioly, tanto a decisão para apagar a imagem anterior, como a de refazer o mural, vieram da atual gestão compartilhada com a Polícia Militar. “Colocamos em um muro mais bem posicionado, no pátio interno da escola”, explica.

No entanto, quando o grafite foi apagado, a PM do DF informou que “não tinha participado da decisão”. Questionada, a corporação também não deu mais detalhes sobre a reforma realizada no colégio.

Slide

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

revista 115
Educar para não punir’

Além dos desenhos, o muro da escola ganhou a frase atribuída ao filósofo e matemático grego Pitágoras.

“Educai as crianças e não será preciso castigar os homens”.

A escolha, segundo a diretora, também foi uma “sugestão compartilhada” e faz referência ao “bom senso e ao que a escola busca”, diz. “Seguimos a decisão de pintar o muro para comunidade perceber que a escola agora é um colégio da PM”.

“A frase [de Pitágoras] representa a educação, as crianças e a disciplina.”

Na fachada externa da escola, o que era um “mural da inclusão” também se tornou um muro branco. Agora, ele estampa o nome do “Colégio da Polícia Militar” em letras garrafais.

A direção da escola informou que a arte anterior era composta por desenhos de crianças obesas, cadeirantes e/ou com algum tipo de deficiência. “Os alunos se identificavam e se sentiam representados”, afirma Estela.

“Queríamos aproximar nossos estudantes, e mostrar que a escola é para todos.”

Apesar de se dizer “triste” com a pintura do muro, a diretora afirma que a “educação inclusiva vai continuar no projeto pedagógico”, com ações de consciência racial e respeito à diversidade.

O projeto implementado nesta segunda-feira (11) no CED 1 ocorre também em outras três escolas do DF: em Ceilândia, Recanto das Emas e Sobradinho.

Segundo o GDF, essas regiões foram escolhidas para abrigar a iniciativa porque apresentam “alto índice de criminalidade” e têm estudantes com “baixo desempenho” escolar.

Caso o projeto piloto apresente bons resultados, a ideia deve ser incorporada em outras 36 escolas do DF. O custo para aplicação da proposta em cada escola é orçado em R$ 200 mil por ano. Essa despesa deverá ser custeada pela Secretaria de Segurança Pública.

Novo grafite exibe rosto e mesma frase apagada após início da gestão militar no CED 1
Novo grafite exibe rosto e mesma frase apagada após início da gestão militar no CED 1 — Foto- Estela Accioly:Arquivo pessoal
 
Rosto de Nelson Mandela grafitado, em 2018, no CED 1 da Estrutural
Rosto de Nelson Mandela grafitado, em 2018, no CED 1 da Estrutural — Foto: Ana Elisa Santana/Arquivo pessoal
Além dos desenhos, o muro da escola ganhou a frase atribuída ao filósofo e matemático grego Pitágoras. "Educai as crianças e não será preciso castigar os homens".
Frase atribuída a Pitágoras, matemático grego, foi pintada em muro de escola no DF — Foto: Estela Accioly/Arquivo pessoal
Paredes do CED 1, na Estrutural, foram pintadas de branco no 1º dia de educação militar na escola
Paredes do CED 1, na Estrutural, foram pintadas de branco no 1º dia de educação militar na escola — Foto: Marília Marques/G1
Parede que abrigava rosto e frase de Nelson Mandela foi pintada de branco após projeto piloto de educação militar no CED1
Parede que abrigava rosto e frase de Nelson Mandela foi pintada de branco após projeto piloto de educação militar no CED1 — Foto: Marília Marques/G1
 
 
 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes