Pesquisar
Close this search box.

Ditadura Militar tentou arquivar denúncias internacionais sobre violações contra o povo Yanomami

Ditadura Militar tentou arquivar denúncias internacionais sobre violações contra o povo Yanomami

Caso de denúncias contra o Brasil vem à tona a partir de trabalho de pesquisa de documentos da diplomacia brasileira. Uma pesquisa inédita revela que durante a Ditadura o governo militar mobilizava o Itamaraty para abafar e tentar arquivar denúncias internacionais. Os Yanomami foram vítimas dessa prática, como aponta trabalho conduzido por Bruno Bernardi, da Universidade Federal da Grande Dourados (MS) e João Roriz, da Universidade Federal de Goiás.

Por Mídia Ninja 

Segundo reportagem de Jamil Chade (UOL), que repercutiu o conteúdo do estudo, o comando militar agiu para que o país não fosse condenado em instâncias internacionais por violações contra o povo Yanomami. O caso examinado com base em documentos da diplomacia brasileira – a partir de meados dos anos 70 -, se refere às denúncias contra o país apresentadas na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

Com a liderança da Associação Antropológica de Washington, do Centro de Recursos Antropológicos de Boston, da Survival International e da Indian Law Resource Center, de Washington, entidades estrangeiras iniciaram uma petição contra o governo brasileiro ainda em 1980.

Chade relata na reportagem que à época, a acusação era de “enorme invasão de terras, desintegração social, disseminação de doenças, mortes e destruição”, sem que “a Funai tomasse providências para prevenir a destruição das comunidades Yanomami”.

A denúncia se apresentava em nome de mais de 10 mil indígenas Yanomami que, segundo as estimativas, viviam no Amazonas e Roraima.

Entre outros pontos, expunha que ” a construção da BR-210 (Perimetral Norte) e as pressões econômicas em favor da mineração levavam doenças, vícios, desequilíbrio ecológico e exploração de mão de obra, e a FUNAI não conseguia proteger os territórios de invasões de posseiros, fazendeiros e garimpeiros”.

ditadura
(Arquivo Nacional)

A denúncia citava ainda a incapacidade do governo de demarcar a Terra Yanomami, ignorando doze propostas feitas entre 1968 e 1979 por antropólogos e missionários pró-indígenas. Por fim, os denunciantes solicitavam uma investigação in loco e uma resolução urgindo a criação do parque Yanomami.

O caso desembarcou no organismo internacional num momento em que o Estado oficializava uma política de assimilação e integração forçada dos povos indígenas, com um saldo de milhares de mortes.

A pesquisa aponta vários prismas da situação. Mas foca especialmente, em como foi a mobilização encampada por militares para minar o movimento das organizações internacionais.

54940494 Orlando BritoPerfilados. O presidente Joao Baptista Figueiredo pa
Questão chegou até o presidente João Figueiredo (Orlando Brito)

Segundo o colunista, os documentos coletados pelos acadêmicos revelam que a questão chegou até o presidente João Figueiredo e que “despertou grande preocupação do governo brasileiro”.

“Nos seis anos de trâmite, a troca de informações entre peticionários, CIDH e Brasil, assim como entre Ministério das Relações Exteriores e outros órgãos governamentais, foi intensa, com idas e vindas processuais e muita movimentação diplomática”, revelou.

Os documentos revelam três caminhos adotados pelos militares brasileiros para barrar ou, pelo menos, adiar o máximo possível qualquer tipo de conclusão por parte da Comissão. Eles são:

  • Os contatos sigilosos constantes com a secretaria da Comissão Interamericana, que vazava informações e ajudava o governo a se defender.
  • O uso de comissários brasileiros no organismo internacional e que serviam como uma espécie de informantes sobre casos que estivessem tramitando contra o regime militar. A meta era a de tentar arquivar o caso contra o Brasil.
  • Um esforço deliberado de esconder a realidade da situação dos indígenas.

“Porém, a despeito dessa intricada atuação, em razão do peso da campanha transnacional em favor dos Yanomami e da presença de comissários mais progressistas, o Brasil não logrou, como na década de 1970, influência para arquivar e vetar o andamento do caso”, constata a pesquisa.

Artimanhas

O governo tentava minimizar o teor das denúncias, negando a dimensão do garimpo. “Outra parte da estratégia dos militares era negar a proporção da invasão de garimpeiros e atuar para adiar o máximo possível qualquer decisão internacional”, destaca a reportagem.

E quando a diplomacia brasileira não conseguia arquivar denúncias contra ela, trabalhava para protelar a decisão.

“A tática era distanciar, no tempo, o momento da decisão formal sobre as queixas de quando tinham ocorrido os fatos, a fim de diminuir sua repercussão, tal como explicitamente havia sido feito com os casos da década de 1970”, apontam os pesquisadores.

Foi somente com o término oficial da ditadura, em 1985, que um organismo internacional, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), emitiu uma recomendação sobre esse contexto e abordou a denegação de território e os abusos perpetrados contra o povo Yanomami nos estados do Amazonas e Roraima, perto da fronteira com a Venezuela.

Paralelos entre o passado e o presente

Revendo a história, os pesquisadores fizeram conexão com a atualidade, lembrando que esse cenário de omissão se repetiu no governo Bolsonaro. Para Bruno Bernardi (UFGD) e João Roriz (UFG), a pesquisa aponta “paralelos perturbadores entre o passado e o presente”.

“Em primeiro lugar, ela mostra como a ditadura militar mobilizava o Itamaraty para abafar e tentar arquivar denúncias internacionais, o que se repetiu no governo Bolsonaro, sempre disposto a negar e desacreditar acusações de violações contra os povos indígenas”, destacam.

“Além disso, a pesquisa ajuda a compreender a continuidade do genocídio contra os Yanomami. Ao não levar a sério, no passado, os alertas e recomendações dos organismos internacionais de direitos humanos, o Estado brasileiro criou as condições para a repetição de atrocidades”, denunciam os pesquisadores.

“Por meio da garantia da impunidade, do incentivo ao garimpo, à grilagem e ao desmatamento, e do desmantelamento da Funai e de outras estruturas de fiscalização e apoio aos povos indígenas, as necessidades predatórias do “desenvolvimento” econômico produziram mais um genocídio anunciado”, disseram.

“Nesse sentido, para evitar a reprodução desse padrão, o Brasil precisa se abrir mais à participação política dos povos indígenas e se engajar fortemente com os mecanismos internacionais de direitos humanos, assumindo compromissos concretos. Não bastam novos discursos: é preciso internalizar novas práticas”, completam.

A reportagem, em sua riqueza de detalhes e informações, você confere, clicando aqui.

Autor: Mídia Ninja. Foto de capa – Cláudia Andujar.


Block
revista 115

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes