Procura
Fechar esta caixa de pesquisa.

Ecofalante: 121 filmes de 31 países e homenagem Chico Mendes

Ecofalante: 121 filmes de 31 países e homenagem Chico Mendes –

Por Mônica Nunes/Conexão Planeta

Este ano, o festival de cinema com temática socioambiental mais importante da América do Sul celebra a Semana e o Dia do  (5/6) ocupando 32 salas de cinema e 50 espaços culturais e educacionais, que exibirão 121 filmes de 31 países durante 14 dias – de 31 de maio a 13 de junho -, gratuitamente. A programação completa está disponível no site, mas já destaco, aqui, detalhes interessantes e algumas da principais atrações.

werner herzog.jpg.pagespeed.ce.6CZHEUv1hIwerner herzog.jpg.pagespeed.ce .6CZHEUv1hIO cineasta alemão Werner Herzog ganha retrospectiva histórica na 17a. Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, com 18 produções. Esta é a maior retrospectiva do cineasta já feita no mundo, e traz algumas de suas mais impactantes obras, revelando o conflito entre a natureza e o homem.

Serão exibidos Hércules (1962) e Fata Morgana (1971), além de produções mais recentes como O Homem-UrsoEncontros no Fim do Mundo e o maravilhoso A Caverna dos

especial desta edição vai para o seringueiro ativista e ambientalista Chico Mendes (foto de destaque deste post), assassinado há 30 anos, que será realizada em 5 de junho, às 20 h, na sala 2 do cine Reserva Cultural, com a exibição do filme , Eu Quero Viver, de Adrian Cowell, seguido de debate sobre seu legado pela proteção da floresta. Desse encontro participarão sua filha, Elenira Mendes e da atual vice-presidente do Conselho Nacional dos , Edel Nazaré de Moraes Tenório.

Também será exibido, durante a mostra, o documentário Crianças da Amazônia (foto abaixo), de Denise Zmekhol. Aqui, a floresta do alto rio Juruá é vista de “dentro e pelos olhos de crianças e da própria diretora. Há o olhar de gente até agora invisível: índios e seringueiros, crianças e velhos”, revela o antropólogo Mauro Barbosa de Almeida, no site da mostra.

mostra ecofalante cinema ambiental criancas amazonia chico mendes.jpg.pagespeed.ce.3BVsEDb2qn

mostra ecofalante cinema ambiental criancas amazonia chico mendes.jpg.pagespeed.ce .3BVsEDb2qnEcofalante ainda selecionou produções de diretores renomados que tiveram destaque nos festivais de Cannes, Berlim, Veneza, Sundance, Roterdã, Locarno, Toronto e SWSX para a Mostra Internacional Contemporânea, de longas e curtas metragens que se dividem em seis temas: campo, cidades, consumo, povos & lugares, preservação e trabalho.

mostra ecofalante cinema ambiental safari mostra internacional contemporanea.jpg.pagespeed.ce.W3ODVHwfoz
mostra ecofalante cinema ambiental safari mostra internacional contemporanea.jpg.pagespeed.ce .W3ODVHwfozSafári (foto acima)
, que trata da indústria de safáris na África e foi lançado no Festival de Veneza, além de ser exibido nos festivais de Roterdã, Toronto e Londres, é a atração da sessão de abertura da mostra. Também serão exibidos:
 Os Hedonistas, de Jia Zhangke, sobre trabalhadores de um parque de diversões, selecionado para o Festival de Locarno;
– Alforria Animal, de D. A. Pennebaker;
– Troféu, sobre a indústria da caça, foi destaque nos festivais de Sundance e SXSW;
– Habaneros, de Julien Temple, traz a história da cidade de Havana ao som de diversos ritmos musicais; e
– Sangue Sami, premiado em Veneza, retrata o na Suécia nos anos 1930.

Da Competição Latino-Americana, participam 28 títulos de oito países: além do (Sob a Pata do Boi, na foto abaixo), Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Honduras, México e Peru. Os prêmios variam entre R$ 5 mil e R$ 15 mil.

mostra ecofalante cinema ambiental sob a pata do boi competicao latino americana curta.jpg.pagespeed.ce.HWWp0mPJau

mostra ecofalante cinema ambiental sob a pata do boi competicao latino americana curta.jpg.pagespeed.ce .HWWp0mPJau

Na mostra deste ano, as crianças também têm vez com a Sessão Infantil, que apresenta uma boa seleção de animações, ficções e documentários produzidos no Brasil, Chile (Idade/Identidade, abaixo), EUA, França e México.

mostra ecofalante cinema ambiental sessao infantil idade.jpg.pagespeed.ce.61bZkY8OUj

mostra ecofalante cinema ambiental sessao infantil idade.jpg.pagespeed.ce .61bZkY8OUjEstudantes de todos níveis de ensino foram contemplados com exibições especiais e também a possibilidade de divulgar suas criações, com Programa Ecofalante Universidades e a Mostra Escola, que promovem projeções e discussões em instituições educacionais. São 14 filmes produzidos na Alemanha, Áustria, Brasil, Canadá, China, EUA, Espanha, França e Reino Unido. Já o Concurso Curta Falante apresenta nove produções de instituições de ensino de Brasília, Mato Grosso,  Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Elas concorrem a dois prêmios: um do júri e outro do público.

Conversas, workshops e realidade virtual

Mostra Ecofalante não é só feita da exibição de filmes. Além dos debates que acompanham os temas da Mostra Internacional (veja a programação no site), este ano ainda serão realizados o Seminário Cinema e , em parceria com o SESC-SP, e dois workshops: um com o cineasta Jorge Bodansky sobre A Prática do Cinema Documental e outro com o biólogo, ecólogo e educador Ed Grandisoli (doutorando em Educação para a pela USP) que provocará o público presente a respeito do Audiovisual na Sala de Aula: A Arte a Favor do Meio Ambiente.

E uma parceria com a ONG Greenpeace leva pra dentro da mostra uma experiência sensorial incrível. que recria o ambiente de da com imagens, sons e aromas. Munduruku: A Luta para Defender o Coração da Amazônia é uma atividade em realidade virtual, que leva os cinéfilos para uma aldeia indígenana Amazônia, com direito a estímulos táteis, auditivos e olfativos. Será no Circuito SPCine Olido, Avenida São João, 473, Centro. Essa experiência foi realizada pela primeira vez, em São Paulo, em junho do ano passado.

experiencia munduruku greenpeace.jpg.pagespeed.ce.L2Pj9K1Vzm

experiencia munduruku greenpeace.jpg.pagespeed.ce .L2Pj9K1VzmFotos: Divulgação

175308f45fd0b21d679b61b28ad934e1?s=100&d=mm&r=g
Mônica Nunes –  com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.
ANOTE AÍ:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA