Pesquisar
Close this search box.

Mercadante: Governo joga educação no fracasso do ralo ideológico

A educação no ralo ideológico do governo Bolsonaro

Por: Aloizio Mercadante, no brasil247

A educação brasileira está sofrendo um desmonte e um grave retrocesso, com repercussões não só neste momento histórico, mas também para as gerações futuras. A irresponsabilidade é tanta que, em quase três meses de governo, além da constante dança de cadeiras, o Ministério da Educação não possuiu sequer uma equipe formada e cargos estratégicos da pasta permanecem vagos, demonstrando que o ministro não tem autoridade nem para nomear os cargos mais próximos.

Temos um ministro publicamente desmoralizado e fragilizado, sem nenhum compromisso com a educação como política de estado, sem vivência na área e sem conhecimento de gestão pública ou do próprio Ministério da Educação. Pautas fundamentais, como o investimento na formação continuada dos nossos professores, o fortalecimento das redes de ensino, o papel do Plano Nacional de Educação, a alfabetização na idade certa, o aprimoramento de políticas de acesso, permanência e indução da qualidade na educação superior, as discussões em torno da Base Nacional Curricular Comum, entre outras, foram substituídas por uma pauta ideológica descabida. O MEC está sem bússola e sem comando.

Com isso, a gestão do Ministério da Educação está totalmente paralisada e cooptada por uma disputa ideológica, que tem como únicas preocupações a busca de espaços, o combate a “ideologia de gênero” e o enfrentamento do “marxismo cultural”. Ou seja, uma visão obscurantista estreita e completamente fora de foco.

Não à toa, por total desconhecimento da educação brasileira, todas as iniciativas do governo Bolsonaro na educação, até o momento, fracassaram. Desde a caricata e ilegal tentativa de filmar crianças, sem a devida autorização dos responsáveis legais, entoando o slogan de campanha do governo à implementação por adesão para massificação do modelo das escolas militares, que possuem um projeto pedagógico específico, destinado para jovens que possuem uma vocação orientada para a carreira militar.

Além disso, a aprovação, ainda no governo Temer, da Emenda Constitucional 95, que estabeleceu a imposição do teto declinante nos gastos públicos pelos próximos 20 anos e desvinculou os royalties do petróleo e do Fundo Social do Pré-Sal da educação e da saúde, comprometeu o piso nacional e constitucional de recursos para educação e seu financiamento futuro. Agora, temos a promessa de repartição e de pulverização de R$ 17 bilhões do Fundo Social do Pré-Sal para outras atividades. Essa realidade pode ficar ainda pior com a proposta do ministro Paulo Guedes de acabar com todas as despesas obrigatórias e as vinculações orçamentárias da união, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios em educação e saúde, a chamada PEC da devastação social.

Ao longo da história, sempre houve um esforço para dar continuidade e para o aprimoramento nas políticas de estado na educação. Nos governos do PSDB e do PT, o Ministério da Educação foi preservado do aparelhamento político e de outros compromissos que não fossem a educação.

É verdade que tivemos profundas divergências com o PSDB também na educação, mas essas divergências não nos impediram de dar continuidade em algumas políticas públicas na área. Por exemplo, eles criaram o importante instrumento do Fundef e os governos do PT aprimoraram essa iniciativa inovadora, com a criação do Fundeb, que permitiu o repasse de recursos federais também para a educação infantil e para o ensino médio, que estavam excluídos. Eles criaram o Enem e nós transformamos o exame no grande caminho de oportunidades para um acesso republicano ao ensino superior neste país. É essa visão estratégica de continuidade e de aprimoramento das políticas educacionais que está sendo totalmente desconsiderada pela atual gestão do MEC.

Fato ainda mais grave é a total paralisação do Plano de Ações Articuladas (PAR). É por meio do referido programa que as redes municipais e estaduais e as próprias escolas apresentam suas demandas e pactuam, com base em critérios técnicos, republicanos e transparentes, suas prioridades e ações, como: demanda por livros didáticos, reforço pedagógicos, a questão da merenda, o transporte escolar, investimento em infraestruturas, entre outros.

A paralisação desse pacto republicano, que é o PAR, tem gerado inquietação nos secretários municipais e estaduais de educação, que não conseguem sequer apresentar suas demandas. Como resultado, faltam, em nossas escolas, livros didáticos, materiais de apoio pedagógico e outras demandas emergenciais, que não podem atrasar e sequer estão sendo equacionadas.

O PAR está, claramente, sendo substituído por uma política de balcão fisiológico, que não existe há décadas no MEC. Não é possível que parlamentares definam repasses de recursos de custeio, baseados apenas em critérios políticos e eleitorais. Essa atribuição é inerente das redes de ensino e devem seguir princípios como a isonomia e a universalidade e as decisões devem ser eminentemente técnicas e totalmente transparentes, como era assegurado pelo PAR.

Não menos grave foi o anúncio do governo Bolsonaro de não realizar, este ano, a Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), avaliação nacional da alfabetização das nossas crianças. Criada em 2013 e prevista para ser realizada a cada dois anos, trata-se de uma avaliação pedagógica absolutamente prioritária e sua suspensão revela que o aparelhamento ideológico do Inep, órgão responsável pela organização do exame, já começa a fazer suas primeiras vítimas. O risco é o próprio Enem, agora tutelado por uma comissão de censura, que viola o sigilo da prova e os mais elementares princípios da liberdade acadêmica.

Com o fim da avaliação da alfabetização de nossas crianças, eles estão quebrando o termômetro, que nos permitia identificar a raiz dos principais problemas no letramento para propor intervenções pedagogias. É totalmente descabido que o exame seja suspenso, em razão da imposição do método fonético como única proposta pedagógica aceitável para a alfabetização de nossas crianças: mais uma ação arbitrária, ilegal e que agride a liberdade de cátedra e a autonomia acadêmica das redes de ensino e das escolas.

Como já afirmei, a alfabetização de nossas crianças deve ser uma prioridade absoluta da educação brasileira. A não realização da ANA este ano interrompe uma série histórica importante e nos coloca diante um vácuo, em que não sabemos se daqui para frente teremos sequer uma métrica confiável para medir a alfabetização de nossas crianças. Não há política educacional confiável sem pesquisa e sem avaliação.

Foi a Avaliação Nacional da Alfabetização que permitiu identificarmos as escolas com maior dificuldade e necessidade de apoio do Estado. Foi a ANA, em conjunto com o Censo Escolar, que assegurou o mapeamento do imenso desafio da alfabetização, que está concentrado nas escolas de ensino fundamental localizadas nas periferias das grandes cidades e nas regiões remotas, ou seja, nos bolsões de pobreza.

Por isso, é fundamental defender a realização da ANA, voltarmos a focar no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), na formação continuada dos professores, nos mecanismos de avaliação e em tantas outras políticas de estado de reconhecido sucesso. Nada é mais grave, neste momento, que a paralisia e o desmonte realizado pelo governo Bolsonaro no MEC.

Um ministro com total falta de conhecimento técnico, sem autoridade e apoio, que não tem autonomia sequer para formar a própria equipe e que transformou a educação brasileira em uma trincheira fantasiosa de combate à “ideologia de gênero” e ao “marxismo cultural” não tem condições de permanecer no cargo e de enfrentar os imensos desafios da nossa educação. Não podemos deixar o futuro da nossa educação escorrer pelo ralo ideológico.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/colunistas/aloiziomercadante/388039/A-educa%C3%A7%C3%A3o-no-ralo-ideol%C3%B3gico-do-governo-Bolsonaro.htm

ANOTE: Paulo Freire camiseta 1

“Não se pode falar de educação sem amor.” (Paulo Freire) 

Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Visite nossa Loja Solidária:  https://www.xapuriinfo.dream.press/loja-solidaria. Em Formosa, encomendas com Geovana: 61 9 9352 9191. Em Brasília, com Janaina: 61 9 9611 6826. 

Paulo Freire: https://www.xapuriinfo.dream.press/produto/camiseta-paulo-freire/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes