Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.
Mídias alternativas: parcerias para a resistência

Mídias alternativas: parcerias para a resistência

Mídias alternativas: parcerias para a resistência

Perdas, retrocessos, horrores causados por um vírus mortal – Coronavírus (Covid-19) -, aumento da fome e um presidente que já não tem mais condições de governar, mas, que se mantém de pé, massacrando a população brasileira, especialmente os povos vulneráveis, desvalidos e deserdados do Estado brasileiro…

Por Edneide Arruda / Brasil Popular

Este cenário de horrores, perigos iminentes, retrocessos sociais têm colocado para o campo das esquerdas brasileiras o desafio de resistir, sem medir consequências, para salvar o que ainda restam de conquistas históricas, dignidade e vidas.

Não bastasse a fúria da Covid-19, que já matou mais de 472.531 pessoas e já infectou mais de 16,6 milhões, a população brasileira vê o Brasil voltar ao Mapa da Fome, com mais de 116,8 milhões de pessoas passando fome ou vivendo em situação de insegurança alimentar – leve, moderada ou grave – conforme o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, organizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan). Sente, também, o peso do desemprego, que só no primeiro trimestre do ano, já chega a 14,8 milhões de trabalhadores; um recorde histórico.

Com os olhos voltados para este cenário estarrecedor, cinco mídias alternativas, independentes e livres formaram uma parceria institucional, na tentativa de contribuir com a resistência contra o fascismo, o nazismo, o negacionismo e o aumento das desigualdades sociais, econômicas e políticas.

Para elevar a capacidade de transformação da realidade, o Jornal Brasil Popular (JBP), revista Xapuri Socioambiental, TV Comunitária de Brasília, Rede TVT e Rede Brasil Atual (RBA) estão formando um projeto editorial de convergência de mídias, com vistas a potencializar o conhecimento sobre seus conteúdos, a partir da unificação de suas audiências; no caso, os diversos públicos representativos da luta política – social, popular, ambiental e identitária -, que atuam nas mídias sociais e que privilegiam os conteúdos televisivos do campo da esquerda, em detrimento das generalizações oferecidas pelas TVs comerciais e por assinaturas.

A estratégia de estabelecer convergência entre as mídias alternativas, independentes e livres, não é uma novidade em si. Porém, o objetivo das mídias parceiras tem um mérito maior: produzir e veicular conteúdos voltados a formar e informar seus públicos, de forma a estimulá-los a enfrentar o contexto atual de barbárie protagonizada por um grupo político que desmonta o Estado brasileiro, desrespeita as pessoas e seus direitos, faz apologia à violência, patrocina o cinismo, faz da incompetência um mérito e institucionaliza a necropolítica e o morticídio.

Tal estratégia tem amparo nos estudos de Henry Jenkins (2009), que, ao tratar de três conceitos – convergência dos meios de comunicação, cultura participativa e inteligência coletiva – pontua que “a convergência representa uma transformação cultural, à medida que consumidores são incentivados a procurar novas informações e fazer conexões em meio a conteúdos de mídia dispersos”.

Em estágio de troca de informações e de entrelaçamento dos formatos, as parcerias vão possibilitar a cada uma das mídias a reprodução simultânea dos conteúdos produzidos e publicados em cada um deles. Neste caso, a revista Xapuri e a Rede Brasil Atual podem republicar conteúdos elaborados pelo JBP, que, por sua vez, também terá a prerrogativa de republicar textos da revista e da rede, e todos poderão contar com seus conteúdos veiculados pelas TVs Comunitária e a Rede TVT, estabelecendo, desta feita, uma junção de informações, mensagens, imagens e linguagens, na perspectiva de que a mesma notícia seja vista por vários públicos, possibilitando maior interação das audiências.

Estas parcerias são, portanto, o encontro de princípios, pensamentos, competências, tecnologias e forças políticas para atuar em favor do bem comum. E, por este viés, têm tudo para alcançar seus objetivos. Ou seja, de forma inteligente, poderão usar o tráfego dos públicos – consumidores de notícias e conteúdos jornalísticos – já existente entre as mídias tradicionais e digitais, para sustentar o projeto político-editorial de promover a resistência ao há de pior no Brasil, neste momento.

Desta feita, para atuar na resistência “que se faz inadiável”, as parcerias entre as mídias alternativas contam com os benefícios que o ambiente virtual propicia, que é a interação com seus públicos. Assim, com autonomia para a produção de conteúdo, a audiência interage, criticando, mas, também, colaborando. Portanto, confere-se o que diz Jenkins quando acentua que a circulação de conteúdos depende forte e decisivamente da participação ativa dos consumidores. A mudança é só o começo.

Fonte: Brasil Popular

 

[authorbox authorid=”” title=”Sobre o Autor”]


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15 e1615110745225


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://lojaxapuri.info/categoria-produto/revista/”]ASSINE AQUI[/button]

BFD105E7 B725 4DC3 BCAD AE0BDBA42C79 1 201 a

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados