Pesquisar
Close this search box.

Não é Não: Bloco em Goiânia faz bonito em defesa das Mulheres

Não é Não: Bloco em Goiânia faz bonito em defesa das Mulheres
 
Goiânia – Céu abafado, tempo quente, promessa de chuva forte e lá estavam elas, mulheres múltiplas, diversas, revolucionárias  e coloridas mantendo a tradição de luta e resistência. Na terça-feira, lá estavam elas,  uma vez mais dando o recado em pleno Carnaval: Não é Não! 
 
Por Zezé Weiss – com imagens e textos enviados pelas jornalistas Lúcia Pedreira e Nonô Noleto.
 
Em destaque no desfile do bloco Não é Não em 2023, uma linda e tocante  ala dos e das encantados/as, em homenagem a pessoas imprescindíveis que já não fazem parte do espaço físico deste nosso mundo. 
Lá estavam elas, representadas em belíssimos estandartes: Marielle Franco, Bruno Pereira, Dom Phillips, Iêda Vilas-Bôas e tantas outras gentes lindas que, com certeza, devem ter passado este carnaval desfilando agradecidas pelos  jardins do céu. 
Nao e Nao encantadees
O Bloco Não é Não  surgiu, em 2017,  de uma brincadeira entre duas amigas, as psicólogas e feministas Cida Alves e Yonara Rabelo. Elas tiveram a ideia de formar um bloco para brincar o Carnaval, na Cidade de Goiás. 
Mas foi em 2019, que  perceberam que poderiam ir mais longe, principalmente depois que a então Ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, falou ao povo brasileiro, que mulher vestia rosa e homem, azul. A declaração teve grande repercussão negativa, além de render muitos memes.
Era sinal de retrocesso e a cofundadora do Bloco, Cida Alves, afirmou que no Carnaval se vestiu de azul, como mestre-sala, e o seu porta-bandeira, rosa. Uma manifestação de protesto. A partir daí, o Bloco cresceu, conquistando aliadas e aliados, e se transformou em um Movimento Social, aproveitando a estética carnavalesca, o colorido, a alegria, em uma linguagem popular.
Nao e Nao azul
O Bloco criou asas e voou. As mulheres passaram a ocupar as ruas não apenas no Carnaval, mas durante todo o ano. As feministas participam e promovem manifestações sempre que tomam conhecimento de casos de injustiça social, abusos sexuais, femicídio.
A luta se ampliou. ” Temos três pilares: O Enfrentamento à Cultura do estupro; a Valorização da Mulher; e a Defesa à Diversidade, uma aliança feminista com ativistas da Comunidade LGBTQIA+.
Cida Alves ressalta que a mulher é dona do seu corpo.
Nao e Nao capa
” Somos sujeitas do nosso desejo, da nossa sexualidade. A nossa pauta é desconstruir a ideia de mulher objeto sexual”. Ela explica que o Bloco está na luta pela mudança das regras, das leis.
A luta não é em vão. Na Câmara de Vereadores de Goiânia, as parlamentares, Kátia Maria, do PT; e Sabrina Garcêz, do Republicanos, apresentaram Projeto de Lei, que cria o Protocolo Não é Não para prevenir e proteger as adolescentes da importunação sexual.
“A gente quer avançar em várias frentes, na mudança da cultura, da legislação, na defesa da alegria. A gente quer se divertir, em paz”, afirma Cida.
 
MANIFESTO DO BLOCO NÃO É NÃO 
 
Nao e nao nono leendo manifesto
Estamos aqui para “defender a ALEGRIA como uma trincheira”. 
A alegria, o prazer, a sensualidade e a sexualidade estão a serviço da vida.
Defenderemos a VIDA, a livre passagem de nossas meninas e mulheres pelo mundo, pelas ruas.
Gracias poeta Mario Benedetti!
Somos herdeiras de valentes!  
Ao longo de séculos, mulheres sofreram as mais pesadas penas e algumas deram suas vidas por nossa libertação. 
Hoje, em tempos obscuros, seja por gratidão ou compromisso, devemos dar marcha às lutas dessas mulheres valentes.
Hoje, em tempos de carnaval, devemos – por amor as nossas filhas, netas e por responsabilidade com o futuro -, gritar pelo direito à alegria!
“O erotismo é uma das bases do conhecimento de nós próprias, tão indispensável como a poesia”
Nao e Nao estandart3es
Merci Anaïs Nin! 
Viver sem medo, brincar sem medo, amar sem medo!
Nossas mulheres têm o direito de brincar livremente!
Não vamos recuar um passo! Ergueremos trincheiras!
Nossos corpos não serão cobertos pela mortalha da repressão sexual.
Sexo não é sujo!
Nossa nudez não é feia! Nenhuma nudez será castigada!
Nossos corpos e desejos são puro brilho e purpurina!
Escandalosa e horrenda é a violência. A crueldade! 
Há muito tempo se sabe que a violência sexual e a repressão sexual são faces de uma mesma moeda. 
As aparências não enganam não! Por ações e palavras distintas, ambas querem minar ou barrar o avanço da autonomia da mulher. 
Por isso vamos botar o nosso bloco na rua para
“Fazer o riso tremer o medo.
Fazer o medo virar sorriso”.
Nao e Nao pavilhao encantades
Obrigada Alceu Valença!
Não é Não, por que defendemos a alegria da não sujeição!
Não é Não, por que defendemos a autonomia de nossos desejos. 
Fiquem espertos!!! Estamos atentas e fortes! 
Nossa sensualidade e a livre expressão de nosso erotismo não serão mercantilizados por sua ganância e arbítrio!
Sabemos o que queremos e quem queremos! Nossos corpos, nossos desejos não serão colonizados!
A caminhada foi longa e juntas somos fortes! 
Seu dedo em riste não nos assusta!
Seu olhar, carola e repressor, não nos intimida!
Não nos toque sem o nosso consentimento!
Estamos juntas, umas pelas outras!
E, como muralhas de lantejoulas, fitas de cetim e purpurina desafiamos sua ordem arbitrária e sua violenta cobiça sobre nossos corpos.
Não é Não! 
Não é Não!
Não é Não!
Texto da psicóloga e doutora em Educação Cida Alves – criadora e organizadora do Bloco Não é Não.  Leitura do Manifesto em 2023 foi feita por sua guardiã, Laurenice Noleto Alves (Nonô Noleto).  Os textos da matéria são, essencialmente,  das jornalistas Lúcia Pedreira e Nonô Noleto. 
Nao e Nao nono carrinho
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

2 respostas

  1. Pelas capas,
    gostei muito. Vou assinar!há vaga para designer gráfico?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes