O mito do Romãozinho

O mito do Romãozinho

O mito de Romãozinho percorre o imaginário do meu povo e habitou minha infância e a de muitas outras crianças e adultos dessa região que encanta a todos por sua beleza e seu esplêndido acervo cultural. O meu Romãozinho (re)conta a história de um menino muito levado que, com suas peraltices e mentiras, ocasionou uma tragédia familiar…

Por Iêda Vilas Boas

A contação desse mito tem a intenção de resgatar a memória das histórias perpetuadas pela oralidade e de fazer com que nossas crianças possam assumir, com orgulho, sua terra, seu lugar. Romãozinho é a materialização do povo cerratense, povo que vive no Planalto Central do Brasil.

Os mitos e lendas cerratenses despertam em mim o desejo de deixar em texto escrito o modo de falar dos antigos, os seus causos que embalavam e apressavam nossos sonos e sonhos, com todas as possíveis e impossíveis histórias reais ou inventadas. Essas histórias foram se remontando em minha cabeça e, agora, saem da oralidade e tomam a forma poética de minha escrita.

Boa leitura!

Romãozinho era o filho mais velho de Seu Romão e Dona Joana.

Um caboclinho nascido lá pelas bandas do Furado-Capim,

Que fica bem no centro do Centro-Oeste,

No coração do Brasil.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

 

O menino foi crescendo, rasgando a vida no peito.

Romãozinho era um menino levado.

Colecionava traquinagens e diabruras:

Mentia, xingava, brigava… Até dava sapituca.

Sua mãe bem que tentava… O velho pai bem que pedia…

E o Romãozinho? Na mais pura estripulia!

E assim…

Plantando terrores,

Colhendo horrores,

Romãozinho cresceu.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

 

Dava nó no rabo do gato,

Colocava sal nas costas do sapo,

Punha açúcar na comida,

Amarrava latas no rabo do cachorro e mais,

Tinha prazer em quebrar os ovos das galinhas.

Romãozinho não tinha jeito, não!

Se a mãe pedia um favor – não fazia.

Se o irmão estava brincando – atrapalhava.

Não gostava de estudar.

O menino não queria nada com nada!

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

– Romãozinho, Romãozinho, venha almoçar! Fiz galinha com arroz.

– Eu quero o peito. Quero a coxa!

 

A mãe, cheia de carinho,

Explicava que aqueles pedaços

Estavam reservados para o pai

Que trabalhava na roça.

O moleque não entendia.

Resmungava, discordava e fazia troça.

 

Um dia, Romãozinho foi levar a comida

Para seu pai.

No caminho, ele parou e comeu a carne todinha

Dos pedaços da galinha.

Quando o pai abriu a marmita,

Não tinha galinha nenhuma. Só os ossos!

O pai ficou muito bravo, e Romãozinho ficou acuado.

– Foi a mãe que mandou assim, meu pai!

Ela deu toda a carne da galinha pra visita.

– Que visita? Indagou o pai.

– O senhor não sabia?

Um homem que ficou lá conversando com ela.

 

O pai, furioso, homem ciumento e bravo que era,

Largou a enxada, ajeitou o chapéu na cabeça e…

Rumou para sua casa

Para apurar aquela história.

O pai não se conformava em ter sido passado para trás

E nem deu tempo de a mulher se explicar:

– Mulher, você vai morrer pela afronta que me fez

Mandando ossos para o meu almoço!

E assim o pior aconteceu.

Antes de a pobre mulher fechar os olhos eternamente,

Rogou uma praga contra o filho:

– Você vai perambular pelo resto da sua vida,

Que não vai ter fim,

À procura de galinha para saciar a sua fome que nunca vai se acabar.

 

Dizem que, até hoje, Romãozinho percorre os telhados,

Atraído pelo cheiro gostoso de alho e tempero fritos

No óleo e de galinha cozinhando.

Quando a cozinheira é descuidada ele… Zás!

Rouba o peito do frango e sai em disparada.

Outras vezes, quando não consegue,

Ele fica nervoso e joga pedras nas casas.

Eita, caboclinho ruim!

 

Então, agora, preste bastante atenção:

Quando a comida em sua casa for galinha,

Confira se o peito está na panela

Ou cuidado com a chuva de pedra

 

Conselho útil para afastar o Romãozinho, ou não ser incomodado por ele: Faça uma oração pelas almas e assovie uma bela canção. Não sabe, não?! Ih…! Você está encrencado!

Crédito imagem: Welyton Rodrigues

https://xapuri.info/elizabeth-teixeira-resistente-da-luta-camponesa/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO