O papel da chuva é chover!

O papel da chuva é chover!

Chamam a isso de desastres naturais. E sabem quem é apontada como responsável por essas imagens do inferno?

Entra ano, sai ano, cidades sofrem grandes inundações e, em algumas, pedras e argila dos morros deslizam, destruindo total ou parcialmente as vidas de milhares de cidadãos, cidadãs e animais dito irracionais. Chamam a isso de desastres naturais. E sabem quem é apontada como responsável por essas imagens do inferno?

Por José Augusto Valente via Brasil 247

Acreditem, a chuva!!!Como qualquer criança sabe, o papel da chuva é chover, com maior ou menor intensidade e volume d’água, mas seu papel é chover. E esse papel é importante para garantir a manutenção da vida animal e a produção de alimentos e flores, entre muitas outras coisas boas.
Mas a chuva não tem culpa se governos – municipais, estaduais ou nacional – criam ou permitem situações que impedem que as águas da chuva possam se infiltrar nos solos – arenosos em maior ou menor grau –, percolando dignamente para formar os lençóis freáticos, fundamentais para a vida dos animais e vegetais deste planeta.
A chuva também não tem culpa se governantes criam ou permitem situações que impedem que as águas das chuvas possam abraçar e beijar longa e demoradamente as árvores, matas, flores e macegas – joias raras nas cidades –, e com isso impedir que seus elevados volumes de água se desloquem na velocidade da luz, ladeira abaixo.
A chuva, menos ainda, tem culpa se governantes criam ou permitem situações que estimulem que elevados volumes das suas águas, ao cair nas ruas, telhados e outras superfícies impermeáveis, se desloquem com muita rapidez para rios e canais, que não têm capacidade para levar esses pequenos oceanos ambulantes até lagos ou oceanos, na mesma velocidade com que os recebem.
Finalmente, mas não menos importante, que culpa tem a chuva, se os governantes criam ou permitem situações que facilitam o represamento de suas águas nos maciços terrosos, provocando forte pressão de dentro pra fora, que vai gerar os enormes deslizamentos de terra e pedra?
Digo e repito, o papel da chuva não é governar, mas chover. Já o papel dos governantes não é chover, mas governar, fazendo umas poucas coisas, para garantir a segurança e qualidade de vida dos cidadãos e cidadãs:
 
  • A concentração de pavimentos e telhados precisa ser evitada e reprimida, por mais impopular que esta medida seja. A água da chuva é chegada a se infiltrar e se dirigir aos lençóis freáticos. Para isso, precisa da ajuda dos governantes, que devem evitar a constante impermeabilização que ocorre em grande escala nas cidades. 
  • Já o excesso de árvores, matas e macegas é totalmente desejável, de preferência junto às ruas e residências. Afinal, a chuva não tem a mínima pressa de chegar aos rios, lagos e oceanos.
  • Embora não dê um voto, nas eleições, é vital a construção de valas e valetas, bem como a colocação de tubos, que impeçam que as águas encharquem os maciços de terra e pedra – especialmente os colúvios –, mantendo-os estáveis.
 

www.brasil247.com - Chuvas em Petrópolis, no Rio de Janeiro

Chuvas em Petrópolis, no Rio de Janeiro (Foto: ABr | Reuters
Foto de Capa: Tania Rêgo/Agência Brasil 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora