Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.
VIVA O SUS! VIVA A ESFERA PÚBLICA!

Viva o SUS! Viva a esfera pública!

Viva o SUS! Viva a esfera pública!

Um general de divisão do Exército Brasileiro – Eduardo Pazuello – nomeado para ser ministro da Saúde do Brasil, em 16 de maio de 2020, em plena pandemia, assumiu o cargo afirmando que não sabia o que era o SUS…

Por Emir Sader

Numa segunda-feira, 7 de junho de 2021, um ano depois, o apresentador do Jornal Nacional da TV Globo, William Bonner, no dia em que tomou a primeira dose da vacina contra a Covid-19, afirmou no ar:  “Sou grato a esses profissionais todos envolvidos na campanha de vacinação. Foi nos ombros deles que puseram a tarefa de correr contra o tempo pela proteção de milhões de vidas. Os brasileiros devem muito a cada um desses heróis. E ao SUS, que sobrevive como um gigante a tantas incompetências e irresponsabilidades criminosas”.

O que teria acontecido no Brasil para que um programa desconhecido até pelo ministro da Saúde fosse consagrado no noticiário de maior audiência da TV brasileira? 

Quando Pazuello assumiu o ministério da saúde, em maio de 2020, havia 29.341 mortos pela Covid-19. Quando William Bonner fez essa declaração,no Jornal Nacional, em junho de 2021, o número de mortos pela Covid-19 no Brasil tinha chegado a 514 mil, isto é, multiplicado 17 vezes. 

E aquele SUS, desconhecido pelo então ministro da Saúde, era saudado com o Viva o SUS! por grande parte dos mais de 70 milhões de pessoas, anônimas e renomadas, vacinadas no SUS até junho de 2021. O SUS foi se tornando uma unanimidade nacional, um patrimônio dos brasileiros na defesa das suas vidas, um gigante protagonizado pelos novos grandes heróis nacionais – os trabalhadores da saúde pública.

Mas não era apenas o ex-ministro que não conhecia o SUS. Ele era desconhecido – até mesmo por uma parte dos que eram atendidos por ele –, porque o neoliberalismo trata de esconder tudo o que tem a ver com a esfera pública – de que o SUS é um exemplo evidente.

O neoliberalismo trata de impor a alternativa  “estatal x privado”. Como se sabe, quem parte e reparte fica com a melhor parte. Nesse caso, desqualificando o Estado, o neoliberalismo trata de impor a esfera do mercado, disfarçado de esfera privada. Assim, logra aparecer reivindicando os indivíduos e sua liberdade privada contra o Estado, que aparece como opressor, incompetente, corrupto.

  No entanto, essa polarização é equivocada. A esfera neoliberal é a esfera mercantil, dado que trata de transformar tudo em mercadoria. Para o neoliberalismo, tudo se vende, tudo se compra, é o reino do dinheiro. 

A contraposição à esfera privada, tampouco é a esfera estatal, mas a esfera pública. Na esfera mercantil, o sujeito é o consumidor. A esfera pública é a esfera dos direitos em que o sujeito é o cidadão, entendido como sujeito de direitos.

O Estado – ou a esfera estatal – não tem uma característica própria. O Estado é um espaço de disputa entre as esferas mercantil e pública. Em geral, o Estado tem aspectos de cada uma delas, com hegemonia de uma delas. As políticas econômicas tendem a privilegiar a esfera mercantil, enquanto as políticas sociais tendem a expressar a esfera pública.

O SUS é uma expressão clara da esfera pública.  É o programa de saúde pública mais democrático do mundo em que todos podem ser atendidos. É o oposto dos planos privados de saúde, que só atendem quem adere a eles mediante o pagamento. O SUS é universal, público, atende a todos. Os planos privados de saúde são privados, só atendem os que podem pagá-los e atendem melhor quem pode pagar por. Os planos privados de saúde atendem os consumidores. O SUS atende os cidadãos.

O sucesso do SUS é o sucesso da esfera pública, que é a esfera democrática. Uma reforma democrática do Estado tem que ser feita em torno da esfera pública. Ao dizer Viva o SUS!, se está dizendo Viva a democracia! Viva os cidadãos! Viva a esfera pública.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Camisetas


[smartslider3 slider=13]


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?


[smartslider3 slider=16]


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados