Pesquisar
Close this search box.

50 ANOS DA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS

50 anos da Revolução dos Cravos: confrontando a extrema-direita

Neste dia 25 de abril, Portugal celebra a revolta que derrubou a ditadura mais antiga da Europa Ocidental e escreveu um novo capítulo da história portuguesa

Por Cezar Xavier/Portal Vermelho

Portugal celebra hoje, 25, um marco histórico que moldou profundamente o curso do país – o 50º aniversário da Revolução dos Cravos. Em 25 de abril de 1974, uma revolta liderada por sub-oficiais do exército português, rapidamente apoiada pela população, derrubou a ditadura mais antiga da Europa Ocidental, pondo fim a décadas de regime autoritário, guerras coloniais e inaugurando um novo capítulo na história de Portugal.

A Revolução dos Cravos não só marcou o fim de um regime ditatorial, mas também simbolizou a ascensão da democracia e da liberdade em Portugal. Os cravos vermelhos, colocados nas armas dos soldados rebeldes, tornaram-se o ícone dessa luta pela liberdade e solidariedade popular.

Durante 48 anos de ditadura, Portugal enfrentou não apenas restrições políticas, mas também uma realidade econômica e social de pobreza, fome e analfabetismo. A Revolução dos Cravos abriu as portas para uma era de modernização e desenvolvimento, permitindo a organização das primeiras eleições livres e o processo de independência das antigas colônias portuguesas na África: Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde.

A Revolução de Abril de 1974 trouxe consigo um fervor de mudança, inaugurando uma era de democracia e liberdade que, em muitos aspectos, ainda ressoa nos dias de hoje. No entanto, também desencadeou um processo contra-revolucionário que ameaçou e, em alguns casos, desfez as conquistas duramente alcançadas.

O processo revolucionário foi, sem dúvida, uma jornada incompleta. Ao longo dos últimos 48 anos, Portugal testemunhou uma sucessão de governos de direita que, em muitos aspectos, desafiaram os princípios e valores estabelecidos pela Revolução. Em grande medida, testemunha-se a restauração do domínio dos grupos monopolistas sobre a vida nacional, muitas vezes à revelia da Constituição da República Portuguesa. É salutar reconhecer o processo contra-revolucionário que, desde 1976, tem corroído as conquistas, empobrecido a democracia e comprometido a soberania portuguesa.

Nostalgia salazarista

No entanto, enquanto Portugal celebra este marco histórico, também enfrenta desafios contemporâneos. O crescimento eleitoral da extrema-direita, exemplificado pela ascensão do partido Chega, destaca as tensões políticas atuais e a persistência de divisões na sociedade portuguesa. O partido criado em 2019 se consolidou como terceira força política do país, com 18% dos votos nas recentes eleições legislativas e eleição de 50 deputados.

Mais de um milhão e cem mil pessoas votaram no partido Chega, sinalizando um alarme para a sociedade portuguesa. O resultado eleitoral revelou um revés significativo para a esquerda, com o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português não alcançando a representação esperada.

Durante a campanha eleitoral, a representação dos partidos políticos na mídia tornou-se um campo de disputa ideológica, com casos de silenciamento, como a exclusão do candidato comunista Paulo Raimundo de algumas coberturas. Essa marginalização evidencia a luta da esquerda no cenário político e na narrativa pública.

Além disso, a ascensão da extrema-direita está ligada a questões como imigração e austeridade. Portugal, na semiperiferia do capitalismo, enfrenta a exploração econômica e a competição por investimentos estrangeiros, contribuindo para as desigualdades sociais. A ascensão da extrema-direita reflete, portanto, a crise estrutural do capitalismo e a resposta neoliberal à crise financeira global. No entanto, a extrema-direita oferece soluções simplistas que não desafiam as bases do capitalismo, desviando a atenção das verdadeiras causas da desigualdade.

Uma pesquisa recente revelou que, embora metade dos entrevistados considere que o antigo regime tinha mais aspectos negativos do que positivos, uma parcela significativa (20%) ainda tem visões nostálgicas da ditadura. Essa polarização reflete a complexidade da herança deixada pela Revolução dos Cravos e a necessidade contínua de reflexão e diálogo sobre o passado e o futuro de Portugal.

A Revolução de 25 de abril permanece como o evento mais importante na história portuguesa para mais de 60% dos cidadãos, destacando sua influência duradoura e significado inegável na trajetória do país. Mais do que uma simples mudança de regime, a Revolução dos Cravos representa a afirmação da vontade popular e a busca pela justiça, liberdade e igualdade para todos os portugueses.

Em 2019, quase 70% do eleitorado português ignorou as eleições para o parlamento europeu, um sinal de desinteresse e descontentamento político. Dois anos depois, nas eleições presidenciais, a abstenção atingiu um recorde de mais de 60%. No entanto, em março último, houve uma queda significativa na taxa de abstenção durante as eleições para a assembleia nacional, diminuindo para 40%.

Os saudosistas pelos “bons velhos tempos”, na sua maioria jovens insatisfeitos, consideram Salazar um dos grandes líderes da história de Portugal e acreditam que o país estava melhor antes da Revolução dos Cravos. São pessoas que nasceram em meio aos avanços da democracia e da inserção plena de Portugal na União Europeia.

No entanto, é importante lembrar o contexto em que Portugal estava antes da Revolução dos Cravos. O país era marcado por uma estratificação social profunda, com uma elite privilegiada e uma grande massa rural predominantemente analfabeta. A ditadura de Salazar manteve o país sob um controle rigoroso, mas não conseguiu resolver os problemas fundamentais da sociedade.

A Revolução dos Cravos abriu as portas para uma nova era em Portugal. A transformação foi notável: em 50 anos, o país passou de altos índices de analfabetismo e mortalidade infantil para um estado moderno e desenvolvido. No entanto, os desafios persistem, especialmente em meio à ascensão da extrema direita e à polarização política.

Portugal, hoje, enfrenta desequilíbrios territoriais, envelhecimento da população e tensões em relação à imigração. No entanto, a memória coletiva da Revolução dos Cravos continua a ser um ponto de referência importante na consciência nacional, uma lembrança de que a luta pela liberdade e pela democracia é uma jornada contínua.

Conquistas de Abril

Cinquenta anos após a Revolução dos Cravos, as conquistas desse período continuam a ser celebradas e defendidas como pilares fundamentais do presente e do futuro de Portugal.

Durante 48 longos anos, o povo português foi privado de suas liberdades básicas, oprimido e explorado por uma ditadura fascista que sufocava qualquer voz dissidente. No entanto, em abril de 1974, o país testemunhou o fim da ditadura, o desmantelamento da temida polícia política (PIDE), a abolição da censura e a instauração da democracia.

Essa revolução não se limitou a derrubar um regime, mas sim a construir um novo Portugal, baseado em princípios de liberdade, justiça social e participação cívica. Os direitos fundamentais foram consagrados, desde o direito de associação e manifestação até o sufrágio universal e direto. A democracia floresceu, permitindo aos cidadãos moldar ativamente o destino de sua nação.

Uma das maiores vitórias dessa revolução foi a melhoria das condições de vida do povo português. Instituições como o salário mínimo nacional, o aumento dos salários reais, a segurança social e o direito a férias remuneradas transformaram a realidade dos trabalhadores. Além disso, medidas como a reforma agrária e as nacionalizações romperam com o domínio dos monopólios e promoveram uma distribuição mais equitativa da riqueza.

No âmbito social, a Revolução de Abril marcou o início de uma jornada rumo à igualdade e inclusão. Os direitos das mulheres, das pessoas com deficiência e dos idosos foram reconhecidos e protegidos. A educação, a cultura e o desporto tornaram-se acessíveis a todos, rompendo com as barreiras impostas pelo antigo regime.

Além das transformações internas, a Revolução de Abril teve um impacto significativo na política externa de Portugal. O país passou a pautar suas relações internacionais por princípios de paz, cooperação e respeito à autodeterminação dos povos. O fim da guerra colonial e o reconhecimento da independência das antigas colônias africanas são testemunhos do compromisso de Portugal com a justiça global.

No entanto, as conquistas de Abril enfrentaram e continuam a enfrentar desafios. Ao longo dos anos, forças políticas de direita tentaram minar os princípios democráticos e sociais conquistados. Apesar desses obstáculos, o espírito de Abril permanece vivo na luta constante por um Portugal mais justo e solidário.

Cinquenta anos após a Revolução dos Cravos, os portugueses se unem para reafirmar o compromisso com os valores de Abril. É hora de defender e fortalecer as conquistas que moldaram o Portugal moderno. Porque Abril não é apenas uma página da história, é o motor que impulsiona o futuro da nação ibérica.

Fonte: Portal Vermelho Capa: Reprodução


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes